Erdogan oferece-se para mediar conversações de paz entre a Ucrânia e a Rússia

O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan, à direita, aperta a mão ao Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy em Istambul, Turquia, sexta-feira, 8 de março de 2024.
O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan, à direita, aperta a mão ao Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy em Istambul, Turquia, sexta-feira, 8 de março de 2024. Direitos de autor AP Photo/Francisco Seco
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy mantém-se firme em não se envolver diretamente com a Rússia em conversações de paz, apesar da oferta do presidente turco de acolher uma cimeira de paz entre os dois países.

PUBLICIDADE

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan, cujo país membro da NATO tem procurado equilibrar as suas relações diplomáticas com a Ucrânia e a Rússia, ofereceu-se, durante uma visita na sexta-feira do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, para acolher uma cimeira de paz entre os dois países.

Erdogan disse numa conferência de imprensa em Istambul, após o seu encontro com Zelenskyy, que esperava que a Rússia aceitasse a oferta da Turquia.

"Desde o início, temos contribuído tanto quanto possível para acabar com a guerra através de negociações", disse Erdogan. "Estamos também prontos para acolher uma cimeira de paz na qual a Rússia também será incluída."

A Ucrânia mantém-se firme em não se envolver diretamente com a Rússia nas negociações de paz e Zelenskyy afirmou várias vezes que a iniciativa nas negociações de paz deve pertencer ao país que foi invadido.

Zelenskyy afirmou que quaisquer negociações de paz devem estar alinhadas com um plano de 10 pontos que sugeriu anteriormente, que inclui a segurança alimentar, a restauração da integridade territorial da Ucrânia, a retirada das tropas russas, a libertação de todos os prisioneiros, um tribunal para os responsáveis pela agressão e garantias de segurança para a Ucrânia.

O líder ucraniano manifestou a esperança de que, na cimeira de paz inaugural que deverá ter lugar este ano na Suíça, seja considerada a possibilidade de reabrir todos os portos ucranianos, não só em Odesa mas também em Mykolaiv, no sul da Ucrânia.

Zelenskyy, que visitou os estaleiros onde estão a ser construídas corvetas para a marinha ucraniana, disse no antigo Twitter (X) que foram alcançados acordos sobre projetos de defesa conjuntos com o governo e as empresas turcas. Erdogan disse no Telegram que os dois países também concordaram em simplificar o comércio e eliminar os obstáculos à atividade empresarial.

Erdogan disse que os dois discutiram a estabilidade no corredor marítimo do Mar Negro e reiterou o apoio da Turquia à "integridade territorial, soberania e independência" da Ucrânia.

A visita ocorre numa altura em que Zelenskyy e outros funcionários continuam a pressionar outras nações para obterem mais munições e armamento para travar o avanço das tropas russas, que tentam aprofundar os seus ganhos na parte ocidental da região de Donetsk, controlada pela Ucrânia, e penetrar na região de Kharkiv, a norte, no terceiro ano de guerra.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, afirmou em Vilnius, na Lituânia, onde participou numa reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da França, Lituânia, Letónia e Estónia, que a ajuda "gota a gota" à Ucrânia já não funciona.

"Se as coisas continuarem como estão a acontecer atualmente, não vai acabar bem para todos nós", disse Kuleba. "O que é necessário é um fornecimento irrestrito e atempado de todos os tipos de armas e munições para garantir que a Ucrânia vença a Rússia e que a guerra na Europa não se alastre".

Um enviado da China, que tem frustrado a Ucrânia e os seus aliados ocidentais ao impulsionar o comércio com a Rússia e ao retratar o conflito e as suas causas em grande parte do ponto de vista de Moscovo, esteve em Kiev na quinta-feira, durante uma visita à Europa, para conversações sobre a resolução daquilo a que chama a crise da Ucrânia. Li Hui, o representante especial para os assuntos euro-asiáticos, reuniu-se com responsáveis da Rússia, da UE, da Suíça e da Polónia antes da sua passagem pela Ucrânia, estando prevista a sua deslocação à Alemanha e à França.

Pouco depois da invasão total da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro de 2022, a Turquia acolheu uma reunião entre os ministros dos Negócios Estrangeiros russo e ucraniano, bem como conversações infrutíferas entre negociadores dos dois países com o objetivo de pôr termo às hostilidades.

Mais tarde, em 2022, a Turquia, juntamente com as Nações Unidas, também mediou um acordo entre a Rússia e a Ucrânia que permitiu o transporte de milhões de toneladas de cereais ucranianos através do Mar Negro. No entanto, a Rússia abandonou o acordo no ano passado, invocando obstáculos à sua exportação de alimentos e fertilizantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novos bombardeamentos na região de Kharkiv. Alargada a retirada forçada de famílias com crianças

Militares ucranianas também lutam contra a desigualdade de género na linha da frente

Ex-comandante das Forças Armadas da Ucrânia nomeado embaixador do país no Reino Unido