Militares ucranianas também lutam contra a desigualdade de género na linha da frente

 Mulheres soldado dizem sentir-se “discriminadas” na linha da frente ucraniana
Mulheres soldado dizem sentir-se “discriminadas” na linha da frente ucraniana Direitos de autor SERGEI CHUZAVKOV/AP
Direitos de autor SERGEI CHUZAVKOV/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de 20% das Forças Armadas ucranianas são do sexo feminino, mas as militares garantem que são discriminadas, apesar de se considerarem aptas para enfrentar as duras condições na frente de combate.

PUBLICIDADE

Na Ucrânia, dos 400.000 efetivos que formam as Forças Armadas do país, cerca de 20% são mulheres. Mas a grande maioria desempenha funções de apoio. 

A ucraniana Oleksandra, que antes trabalhava numa padaria, combate, agora, na linha da frente, como atiradora furtiva. No campo de batalha, o trabalho exige “muita perícia e uma certa mentalidade”, admite. 

Apesar de combater na guerra e de conseguir atingir alvos que, segundo Oleksandra, se encontram a mais de um quilómetro de distância, a ucraniana confessa que as suas capacidades são “frequentemente questionadas” por ser mulher.

"Todas as mulheres no exército têm de mostrar que são dignas de estar na mesma posição de combate e lutar em pé de igualdade com um homem", explica Oleksandra, citada pelas agências internacionais.

Também Olena, que antes era formadora de comunicação em Kiev, integra as Forças Armadas ucranianas. As trincheiras passaram a ser o “escritório” de Olena, que decidiu alistar-se no exército poucos meses depois do início da guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro de 2022.

Olena afirma que teve de lutar para conseguir um lugar na linha da frente, mas acabou a ser condecorada pela sua coragem pelo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dia Internacional das Mulheres: manifestações em todo o mundo para exigir igualdade

As mulheres no Catar a liderar a mudança em inovação digital, sustentabilidade e moda

Mulheres ucranianas na Polónia: o desafio de encontrar creches e trabalho