Macron mantém no ar envio de tropas ocidentais para a Ucrânia: "Todas as opções são possíveis"

Chanceler alemão, Olaf Scholz, com o presidente francês, Emmanuel Macron
Chanceler alemão, Olaf Scholz, com o presidente francês, Emmanuel Macron Direitos de autor Lewis Joly/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Juntamente com os Estados Unidos e o Reino Unido, a Alemanha já excluiu o envolvimento direto na guerra. Macron tem encontro esta sexta-feira com o chanceler alemão, Olaf Scholz, em Berlim para aliviar tensões e discutir apoio a Kiev.

PUBLICIDADE

O presidente francês Emmanuel Macron insiste que o envio de tropas francesas e da NATO para o teatro de guerra na Ucrânia continua em cima da mesa.

"Todas as opções são possíveis", afirmou Macron, numa entrevista a dois canais de televisão franceses, transmitida na quinta-feira. 

Já no final de fevereiro, o chefe de Estado francês tinha admitido essa hipótese, o que mereceu a oposição do chanceler alemão, Olaf Scholz, que excluiu o envio de mísseis Taurus para a Ucrânia, argumentando que o uso deste tipo de armas poderia arrastar a Alemanha para a guerra.

Apesar de a sugestão de Macron ter causado forte oposição entre vários parceiros da NATO, o presidente gaulês reitera que o conflito na Ucrânia é "existencial" para a Europa e que representa uma séria ameaça ao velho continente.

"Há menos de 1.500 quilómetros entre Estrasburgo e Lviv", sublinhou Macron.

"O único responsável é o regime do Kremlin. Não seremos nós", acrescentou.

Emmanuel Macron salientou que a França é "uma força de paz". 

"Escolher votar contra o apoio à Ucrânia não é escolher a paz. É escolher a derrota", afirmou.

Macron e Scholz encontram-se em Berlim

Esta sexta-feira está agendada uma reunião em Berlim entre Macron, o chanceler alemão, Olaf Scholz e o primeiro-ministro polaco, DonaldTusk, numa tentativa de reduzir as tensões e de aprofundar a assistência à Ucrânia.

Da Alemanha vieram esta quinta-feira sinais contraditórios. Apesar de Scholz, juntamente com os Estados Unidos e o Reino Unido, ter deixado claro que o envolvimento direto alemão não é uma opção, a ministra alemã dos Negócios Estrangeiros, Annalena Baerbock, parece ter secundado a posição de Macron.

"Uma diminuição do apoio [à Ucrânia] traria a guerra para mais perto de nós", disse a responsável pela diplomacia alemã. 

Neste contexto, os meios de comunicação social ucranianos recordam que o envio de soldados estrangeiros para o país tem de ser previamente aprovado pelo Parlamento.

Neste momento, não existem tais decisões nem mesmo qualquer discussão sobre essa possibilidade no parlamento ucraniano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"É preciso ser realista", diz Macron sobre a guerra na Ucrânia

Macron diz que envio de tropas ocidentais para o terreno na Ucrânia "não está excluído"

Macron anuncia apoio de três mil milhões de euros à Ucrânia durante visita de Zelenskyy a Paris