Fundador da Open Arms: "A Espanha deve respeitar o bloqueio à venda de armas a Israel"

Óscar Camps a bordo do Open Arms.
Óscar Camps a bordo do Open Arms. Direitos de autor Open Arms y World Central Kitchen
De  Roberto Macedonio Vega
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em espanhol

O barco dele foi o primeiro a levar ajuda humanitária à Faixa de Gaza. Óscar Camps fê-lo em coordenação com a ONG World Central Kitchen, do chefe José Andrés. Falámos com ele no regresso: tem o objetivo de voltar com mais ajuda o mais rapidamente possível.

PUBLICIDADE

Na cabine do navio Open Arms, Óscar Camps, fundador da ONG, procura rede para se ligar a partir do corredor marítimo em Gaza e poder dar esta entrevista.

Continua a receber chamadas telefónicas, várias durante a conversa com a "Euronews". No entanto, o único som que continua a ecoar na sua cabeça é o das bombas a caírem na Faixa de Gaza.

Óscar Camps durante a entrevista com a Euronews
Óscar Camps durante a entrevista com a EuronewsEuronews

Ansioso por fazer uma segunda viagem para levar mais comida, conta o horror do que viu ali e regista, por entre as ondas, como grande parte da comunidade internacional está a fechar os olhos ao conflito.

"Quando o nosso corpo estremece com a onda de choque de uma bomba, pensamos no número de pessoas que morreram neste conflito", diz Óscar Camps. De acordo com os últimos números, mais de 31.000 palestinianos perderam a vida em Gaza. Muitos por desnutrição.

"O grau de subnutrição é muito elevado, estão a ferver ervas que encontram no chão para sobreviver. Perante uma situação tão extrema de fome, a ONG World Central Kitchen, que também pertence ao chefe espanhol José Andrés, contactou a Open Arms para iniciar esta missão, que se tornou a primeira e, de momento, a única que levou ajuda através do corredor marítimo.

"Este corredor foi anunciado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros israelita a 20 de dezembro, mas ninguém o tinha utilizado durante todo este tempo. Recebi um telefonema do chefe José Andrés a dizer-me que queria fazer alguma coisa e pusemos mãos à obra", recorda o fundador da Open Arms.

O chefe José Andrés tem várias cozinhas operacionais em Gaza e a sua ONG tem mais de 300 colaboradores. Mas estava a ficar sem comida para cozinhar e distribuir refeições quentes. Agora, o barco de Óscar Camps trouxe 200 toneladas.

Chegar lá não tem sido fácil. "Dependemos de muitos fatores que escapam ao nosso controlo: autorizações, inspecões, segurança e condições meteorológicas. Mas Camps já está imerso na segunda viagem humanitária: "Assim que o tempo nos permitir, regressamos".

Nem mesmo o horror da guerra ou as dificuldades da viagem puseram fim à sua enorme vontade de ajudar as pessoas famintas. "A travessia foi lenta, um processo fastidioso e difícil, nem sequer havia um porto para atracar, pelo que foi necessário construir uma pequena doca flutuante".

Em tempo recorde, construíram um "porto improvisado", mas não tinha profundidade suficiente para o barco da Open Arms aceder, pelo que tiveram de utilizar uma plataforma flutuante para transferir os alimentos do navio para a costa.

Esta foi apenas uma das muitas vicissitudes com que se depararam durante a odisseia. "Fomos avisados de que a missão poderia ser cancelada a qualquer momento, se as autoridades israelitas o considerassem necessário ou para nossa própria segurança, e estávamos cientes disso até ao último minuto.

Trabalhamos a ouvir explosões, bombas, a ver as cortinas de fumo a subir, com todos os corpos destruídos e corpos até na praia. É horrível, é horrível.
Óscar Camps
Fundador da Open Arms

"O tempo complicou-se na última etapa" e, para além de tudo isto, uma das piores coisas foi o facto de terem trabalhado "a ouvir explosões, bombas, a ver as cortinas de fumo a subir, com todos os corpos destruídos e com corpos até na praia. É horrível, é horroroso.

Oscar é muito claro: o trabalho que estão a fazer não é a solução. "Idealmente, deveria haver um cessar-fogo, mas não é essa a realidade, por isso, quando regressarmos, estaremos de novo numa zona de guerra.

Apela à comunidade internacional

"Cabe-nos a nós ajudar tanto quanto possível, mas os Estados têm muita responsabilidade, temos de trabalhar para que haja um cessar-fogo e para que as rotas terrestres, aéreas e marítimas sejam abertas ", afirma.

"A opinião pública tem de exigir que os Estados cumpram o que foi acordado", e deixa uma mensagem ao Governo espanhol, dizendo que "deve cumprir o bloqueio à venda de armas a Israel que prometeu em outubro, o que não está a ser feito".

Lamenta que não exista uma ação coordenada a nível mundial ou navios de mais países para colaborar na melhoria da situação em Gaza. "Estamos sozinhos, isto devia estar cheio de navios a fazer fila para exercer pressão, levando ajuda humanitária de forma regular e contínua", afirma.

Quanto à União Europeia, diz que nunca teve o apoio da Comissão. "Não nos sentimos apoiados por Bruxelas e nunca esperámos nada, fazemos o que fazemos porque somos uma resposta de cidadania.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel lança ataque no hospital Al-Shifa e faz vários mortos

"Estado da União": Defesa da democracia e ajuda para Gaza

"Ilusão": Organizações humanitárias criticam o lançamento aéreo de ajuda a Gaza