"Estado da União": Defesa da democracia e ajuda para Gaza

Barco com ajuda para Gaza saiu de Chipre
Barco com ajuda para Gaza saiu de Chipre Direitos de autor Petros Karadjias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A imprensa é um dos sectores cruciais para a preservação da democracia e dos direitos fundamentais, mas corre muitos riscos. A inteligência artificial é outro desafio neste domínio. Os dois temas estão em destaque neste programa, que tambémm fez o ponto da situação sobre a Faixa de Gaza.

PUBLICIDADE

Numa única sessão plenária, esta semana, o Parlamento Europeu aprovou legislação em duas áreas ligadas à defesa da democracia e dos direitos fundamentais, adotando a Lei da Liberdade de Imprensa e a Lei da Inteligência Artificial (IA). 

No caso da IA, a Comissão Europeia considera que a UE está a dar um exemplo para o resto do mundo.

"As nossas start ups europeias serão as melhores embaixadoras da nossa abordagem à IA. Uma IA fiável, acessível, respeitando as regras de confiança para todos os nossos cidadãos e empresas, mas também para que o mundo veja o que fazemos", disse Thierry Breton, comissário europeu para o Mercado Interno.

Mas apesar deste frenesim legislativo, o Parlamento Europeu desferiu um golpe contra a Comissão Europeia, tendo decidido apresentar uma queixa em tribunal contra o órgão executivo da UE. Em causa está a decisão de descongelar uma tranche de fundos de coesão para a Hungria, em dezembro passado.

Em destaque no programa esteve, ainda, a abertura do corredor marítimo de ajuda humanitária entre Chipre e Gaza, com o apoio dos EUA e de outros países.

A pequena ilha, membro da UE, é o ponto de partida da ajuda humanitária para o território palestiniano. Para discutir as implicações deste corredor e outros desenvolvimentos na Faixa de Gaza,  entrevistamos Joost Hiltermann, diretor do Programa para o Médio Oriente e Norte de África do International Crisis Group.

"É claro que o impacto é muito, muito baixo, porque estamos a falar de volumes muito pequenos em comparação com o que os camiões podem trazer através das várias entradas rodoviárias em Gaza. Este é um dos dois problemas. O outro é que a ajuda pode chegar à costa, mas não existe uma rede de distribuição, especialmente no norte de Gaza. A distribuição é caótica e desorganizada e não chega realmente às pessoas que deveria chegar", disse o analista.

(Veja a entevista na íntegra em vídeo).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Navio de ONG espanhola já chegou a Gaza com 200 toneladas de alimentos

UE pioneira na adoção de regras abrangentes sobre Inteligência Artificial

Parlamento Europeu aprova regulamento para proteger liberdade de imprensa