EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Pelo menos seis mortos após bombardeamentos russos no leste e oeste da Ucrânia

Cemitério de Bucha, na Ucrãnia
Cemitério de Bucha, na Ucrãnia Direitos de autor Enric Marti/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Enric Marti/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Há registo de pelo menos quatro mortos após raides aéreos da Rússia no leste da Ucrânia. Em Lviv, longe das linhas da frente, outras duas pessoas morreram durante ataque com mísseis de cruzeiro russos. Zelenskyy assinalou dois anos da libertação de Bucha, local de um massacre no início da guerra.

PUBLICIDADE

Pelo menos três pessoas foram mortas em bombardeamentos russos em diferentes regiões do leste da Ucrânia no último domingo, enquanto na região nordeste de Kharkiv, o governador local adiantou que um homem de 19 anos foi morto depois de um projétil ter atingido uma gasolineira.

Também no nordeste ucraniano, asforças russas bombardearam 39 vezes os territórios fronteiriços e as povoações da região de Sumy no domingo. Foram registadas 157 explosões de engenhos explosivos, incluindo projéteis de artilharia, morteiros, explosões de drones, minas e granadas lançadas por drones e foguetes disparados de helicópteros. Sumy tem sido assolada por ataques russos nas últimas semanas.

No oeste do território ucraniano, mais longe das linhas da frente, duas pessoas morreram em Lviv depois de os mísseis de cruzeiro russos terem sido lançados contra diferentes infraestruturas.

Centenas de milhares de pessoas ficaram sem eletricidade na região ucraniana de Odesa, depois de os destroços de um drone russo terem provocado um incêndio numa instalação de energia, informou o governador local.

Nos últimos dias, a Rússia intensificou os seus ataques às infraestruturas energéticas ucranianas, causando danos significativos em várias regiões.

Segundo aniversário da libertação de Bucha

Este domingo o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy esteve em Bucha, nos arredores de Kiev, juntamente com o primeiro-ministro, Denys Shmyhal, e vários embaixadores estrangeiros, para assinalar os dois anos da libertação da cidade e das áreas circundantes de uma ocupação de um mês pela Rússia no início da guerra

Zelenskyy cumpriu um minuto de silêncio junto ao muro da memória da cidade, que dá nome aos 509 civis  identificados até à data como tendo sido mortos durante a ocupação de Bucha, que se tornou um símbolo da brutalidade das tropas russas nos primeiros meses do conflito.

Volodymyr Zelenskyy sublinhou que a guerra na Ucrânia tem um alcance global.

"Os corpos do nosso povo, que foram encontrados nas ruas de Bucha, demonstraram que ninguém no mundo pode ficar longe desta batalha. Porque é aqui, na Ucrânia, através da defesa do nosso povo, das nossas vidas e do nosso Estado, que a humanidade está a prevalecer.", afirmou. 

Depois de as forças russas terem abandonado Bucha, dezenas de corpos de civis foram encontrados nas ruas, sendo que, mais tarde, foram descobertas valas comuns. 

França envia centenas de blindados para a Ucrânia

O ministro francês da Defesa, Sébastien Lecornu, anunciou no domingo que Paris vai aumentar a sua ajuda à Ucrânia, prometendo enviar "centenas" de blindados VAB obsoletos.

As Forças Armadas francesas estão a substituir estes veículos pelos modernos  "Griffon", pelo que os VABS retirados poderão ser enviados para Kiev, no início do próximo ano.

Entretanto, o Congresso dos Estados Unidos poderá retomar o debate sobre o envio de ajuda militar à Ucrânia, depois de 9 de abril, altura em que a Câmara dos Deputados regressará de férias. Espera-se que o apoio possa ser aprovado antes de 22 de abril.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bombardeamentos russos levam a evacuação de cidades e aldeias na região de Kharkiv

Blinken: "É essencial enviar mais armas para a Ucrânia"

Ucrânia com dificuldades para reparar infraestruturas de energia devido a constantes ataques russos