EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Hungria: "Salis não é uma heroína, defenderemos os juízes", diz Governo

Manifestação pacífica pede a libertação de Ilaria Salis, 14 de fevereiro de 2024, Roma
Manifestação pacífica pede a libertação de Ilaria Salis, 14 de fevereiro de 2024, Roma Direitos de autor / Roberto Monaldo/LaPresse
Direitos de autor / Roberto Monaldo/LaPresse
De  Maria Michela Dalessandro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em italiano

Para Budapeste, "o pai de Ilaria Salis fez repetidamente acusações graves e infundadas e transformou o caso da sua filha numa questão política". Depois de lhe ter sido negada a prisão domiciliária, o presidente de Itália telefonou ao pai de Ilaria Salis: "Impressionante disparidade de tratamento".

PUBLICIDADE

O pai de Ilaria Salis "transformou o caso da sua filha numa questão política e agora parece surpreendido com o facto de estarem a surgir respostas políticas a estas acusações totalmente infundadas". As palavras são do porta-voz do Governo húngaro, Zoltan Kovacs, que num vídeo publicado na rede social X não poupa palavras sobre o caso Salis. E promete: a Hungria vai "defender a reputação" do seu sistema judicial.

Ilaria Salis não é uma heroína. Ela e os seus 'companheiros' vieram à Hungria e cometeram ataques bárbaros e premeditados contra cidadãos húngaros
Zoltan Kovacs
Porta-voz do governo húngaro

"Como pai, talvez seja bom que ele reflita sobre a forma como a sua filha se viu novamente envolvida num incidente deste tipo, porque este caso não é sem precedentes; a senhora em questão esteve envolvida em incidentes semelhantes no passado", continua Zoltan Kovacs. "E não esqueçamos, de facto, que devemos sublinhar que o crime é extremamente grave e prevê igualmente penas severas ao abrigo do sistema jurídico húngaro.

De que é acusada Ilaria Salis

Ilaria Salis, professora italiana de 39 anos, detida desde 11 de fevereiro de 2023 em Budapeste, Hungria, é acusada de ter agredido dois militantes de extrema-direita durante uma procissão que reunia grupos neonazis em fevereiro de 2023.

De acordo com os magistrados húngaros, a cidadã italiana foi uma das pessoas mascaradas que atingiu dois activistas de extrema-direita com bastões. No entanto, não existem provas concretas e não foram ouvidas testemunhas durante as audiências.

As imagens que supostamente incriminam Ilaria Salis são mostradas num filme em que a cidadã italiana não seria reconhecível: a mulher de 39 anos não foi detida em flagrante delito, mas detida algumas horas mais tarde quando se encontrava num táxi com outros dois ativistas alemães. Salis pode ser condenada a uma pena de prisão de até 24 anos.

As palavras de Mattarella após recusa de prisão domiciliária

Em Itália, a última pessoa a pronunciar-se sobre o caso Salis foi o Presidente da República Sergio Mattarella. Há uma semana, pela segunda vez, o pai de Ilaria Salis tinha enviado um pedido ao Palácio do Quirinale, em Roma, depois de ter sido negada a prisão domiciliária à sua filha, que entrou acorrentada na sala de audiências.

Mas se após a estreia de 17 de janeiro recebeu um telefonema de um funcionário, a 30 de março o próprio Mattarella manifestou proximidade e solidariedade para com Roberto e a sua filha Ilaria Salis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas protestam na Hungria contra o governo de Viktor Orbán

Museu italiano recria floresta de borboletas da Tanzânia

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán