EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Kosovo: população foi a votos para destituir quatro presidentes de câmara de etnia albanesa

Kosovo: População foi a votos para destituir 4 presidentes de câmara de etnia albanesa
Kosovo: População foi a votos para destituir 4 presidentes de câmara de etnia albanesa Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os cidadãos das cidades de maioria sérvia, no Kosovo, votaram este domingo para manter ou destituir os presidentes de câmara eleitos no ano passado.

PUBLICIDADE

Os habitantes de quatro municípios do Kosovo - Zubin Potok, Severna Mitrovica Zvecan e Leposavic -, que são maioritariamente de origem sérvia, votaram este domingo para destituir os presidentes de câmara de etnia albanesa após as eleições municipais do ano passado. Estas eleições foram boicotadas pela minoria sérvia da região, tendo votado apenas 3,5% dos eleitores elegíveis.

O referendo, apoiado pelo Ocidente, é uma tentativa de reduzir as tensões entre o Kosovo e a vizinha Sérvia, enquanto ambos os países iniciam o processo de adesão à União Europeia. No entanto, o principal partido sérvio do Kosovo, Serba List, que tem laços estreitos com Belgrado, apelou ao boicote da votação de domingo, de acordo com as agências internacionais.

Nestas eleições, foram convocados a votar 46.500 cidadãos, em 47 assembleias de voto. Os diretores das escolas do norte do Kosovo não permitiram operações de voto nos seus gabinetes, pelo que foram encontradas soluções alternativas: a votação está a decorrer em edifícios municipais e em dois contentores.

Pela primeira vez, vão ser instaladas câmaras nas assembleias de voto, a razão oficial do boicote sérvio, bem como o número excessivo de eleitores. Isto porque as listas não estão atualizadas, segundo as agências internacionais.

No boletim de voto pode ler-se primeiro em albanês e depois em sérvio: "Concorda que [nome do presidente da câmara] deve ser destituído do cargo de presidente do município de [nome do município]? Pode responder com ‘SIM’ ou ‘NÃO’ ”.

Em junho do ano passado, o primeiro-ministro do Kosovo, Albin Kurti, propôs a realização de novas eleições, se 20% dos eleitores do município apoiassem uma petição para a realização das mesmas, tendo os residentes votado a favor da petição em janeiro. A Sérvia apoiou os pedidos de demissão dos presidentes de câmara.

Quando os presidentes de câmara albaneses tomaram posse em maio do ano passado, os sérvios do Kosovo entraram em confronto com as forças de segurança, incluindo as forças de manutenção da paz da KFOR, lideradas pela NATO, ferindo 93 soldados que protestavam contra os resultados.

Tensões entre o Kosovo e a Sérvia continuam elevadas

As tensões entre o Kosovo e  Sérvia permanecem elevadas, tendo o país de Vjosa Osmani dado mais um passo no sentido da adesão ao Conselho da Europa, o principal organismo de defesa dos direitos humanos do continente, apesar da oposição sérvia.

No dia seguinte, as autoridades de Belgrado detiveram kosovares que tentavam regressar a casa nos postos de controlo fronteiriços durante quase 20 horas, alegando razões de segurança. Pristina acusou Belgrado de "manter os kosovares como reféns" por não bloquear a adesão do Kosovo ao Conselho da Europa.

Os Estados Unidos e a União Europeia denunciaram o bloqueio da livre circulação entre os dois países. No início deste mês, o Kosovo anunciou o seu primeiro recenseamento nacional desde 2011, que incluirá também o inquérito à minoria étnica sérvia do norte.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sérvia anuncia exercícios militares em grande escala perto da fronteira com o Kosovo

Kosovo mais perto de aderir ao Conselho da Europa. Decisão final tomada em maio

Censos no Kosovo abrem polémica por incluírem perguntas sobre danos de guerra