EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Chefe dos serviços secretos militares israelitas demite-se por não ter evitado ataque do Hamas

As pessoas protestam contra o governo do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e pedem a libertação dos reféns detidos na Faixa de Gaza pelo grupo militante Hamas
As pessoas protestam contra o governo do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e pedem a libertação dos reféns detidos na Faixa de Gaza pelo grupo militante Hamas Direitos de autor Leo Correa/AP
Direitos de autor Leo Correa/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

No ano passado, Aharon Haliva tinha assumido "culpa" pelas falhas que permitiram o ataque do Hamas contra Israel a 7 de outubro.

PUBLICIDADE

As forças armadas israelitas anunciaram esta segunda-feira a demissão do chefe dos seus serviços secretos militares, devido aos fracassos do ataque sem precedentes do Hamas a 7 de outubro, que rompeu as defesas de Israel.

Aharon Haliva, o chefe dos serviços secretos militares israelitas, torna-se a primeira figura de topo israelita a demitir-se na sequência do ataque do Hamas, que matou 1200 pessoas, na maioria civis. Cerca de 250 foram raptadas. O ataque desencadeou a guerra de seis meses contra o Hamas em Gaza.

Pouco depois do ataque, em outubro, Haliva disse que a culpa era dele, por não ter evitado o ataque.

As forças armadas israelitas informaram em comunicado que o chefe do Estado-Maior aceitou o pedido de demissão de Haliva e agradeceu-lhe os serviços prestados.

A demissão poderá abrir caminho a que outros responsáveis máximos da segurança israelita aceitem a culpa por não terem evitado o ataque e se demitam.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques israelitas contra Rafah matam principalmente crianças

Presidente do Conselho Europeu alerta para "horas críticas" nos ataques Israel-Irão

Ministro israelita das Comunicações ordena a devolução do equipamento de vídeo apreendido à AP