EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Relações "sem limites": Putin visita Pequim a convite de Xi

O avião que transporta o Presidente russo, Vladimir Putin, chega ao Aeroporto Internacional de Pequim antes do terceiro Fórum "Uma Faixa, Uma Rota", 17 de outubro de 2023
O avião que transporta o Presidente russo, Vladimir Putin, chega ao Aeroporto Internacional de Pequim antes do terceiro Fórum "Uma Faixa, Uma Rota", 17 de outubro de 2023 Direitos de autor Parker Song/Pool Photo via AP
Direitos de autor Parker Song/Pool Photo via AP
De  Euronews com AP & EBU
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Presidente russo, Vladimir Putin, efetuará esta semana uma visita de Estado de dois dias à China, na mais recente demonstração de unidade entre os dois aliados autoritários.

PUBLICIDADE

O Presidente russo, Vladimir Putin, realizará esta semana uma visita de Estado à China.

Durante a viagem de dois dias, Putin e o Presidente chinês Xi Jinping discutirão as relações bilaterais, bem como questões internacionais e regionais de interesse comum, informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês na terça-feira.

O Kremlin confirmou a viagem num comunicado, afirmando que Putin se deslocaria a convite de Xi. Esta será a primeira viagem de Putin ao estrangeiro desde que iniciou o seu quinto mandato como Presidente da Rússia.

Pequim tem apoiado politicamente Moscovo no conflito na Ucrânia e tem continuado a exportar maquinaria, eletrónica e outros artigos que contribuem para o combate russo.

A China é também um importante mercado de exportação de energia que mantém os cofres do Kremlin cheios.

Pequim tem procurado projetar-se como uma parte neutra no conflito, mas declarou uma relação "sem limites" com a Rússia, em oposição ao Ocidente.

As duas partes realizaram uma série de exercícios militares conjuntos e a China tem-se oposto sistematicamente às sanções económicas contra a Rússia, em resposta à sua campanha de conquista da Ucrânia, que já dura há dois anos.

Os dois grandes Estados autoritários estão cada vez mais em disputa com as democracias e a NATO, ao mesmo tempo que procuram ganhar influência em África, no Médio Oriente e na América do Sul.

A visita de Putin ocorre poucos dias antes da tomada de posse, na segunda-feira, de William Lai Ching-te como o próximo presidente de Taiwan, a ilha democrática autónoma que a China reclama como seu território e ameaça anexar pela força, se necessário.

Xi regressou na semana passada de uma visita de cinco dias à Europa, que incluiu paragens na Hungria e na Sérvia, países considerados próximos da Rússia.

A viagem, a primeira de Xi ao continente em cinco anos, foi vista como uma tentativa de aumentar a influência da China e abrir uma brecha entre a UE e a NATO, de um lado, e um bloco ainda por definir de nações autoritárias, do outro, apoiado pela influência económica chinesa, que tem vindo a vacilar no meio de uma crise imobiliária e de um crescimento económico interno dramaticamente mais lento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Especialistas duvidam dos benefícios do investimento chinês na Hungria

China e Sérvia anunciam acordo global de comércio livre

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China