EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidente da Argentina recebido em Madrid com protestos. Milei vai participar em evento populista

Protestos em Madrid contra Milei
Protestos em Madrid contra Milei Direitos de autor AP.
Direitos de autor AP.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O presidente da Argentina vai a Madrid para participar num evento organizado pela extrema-direita espanhola. Javier Milei, no entanto, não faz questão de encontrar-se com Pedro Sánchez e prefere participar no “Viva 24”, o que originou protestos quando chegou a Madrid no sábado.

PUBLICIDADE

Centenas de pessoas reuniram-se na Plaza de Callao, em Madrid, para protestar contra o presidente argentino, Javier Milei, no início da sua visita de três dias à Espanha.

Normalmente, um chefe de Estado visitante tenta resolver as diferenças através da diplomacia. Não é o caso de Milei. O economista não planeia encontrar-se com o primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez durante a sua estadia na capital espanhola, nem com o Rei ou qualquer outra autoridade do Estado espanhol.

Em vez disso, Milei vai participar numa cimeira de extrema-direita, no domingo, organizada pelo partido Vox, o mais feroz adversário político de Sánchez.

Estas manifestações representam não apenas uma resposta local, mas um protesto global, com a participação de cidadãos argentinos residentes em Espanha.

Ainda antes de iniciar a sua visita de três dias a Madrid, na sexta-feira, o presidente autointitulado de “libertário da Argentina”, Javier Milei, causou polémica ao acusar o Governo socialista de trazer “pobreza e morte” a Espanha e ao comentar as acusações de corrupção contra a mulher do primeiro-ministro.

Milei: “Quando eu era um ser desprezível, o único que me acolheu foi Abascal”

Esta visita pouco ortodoxa é habitual para Milei, um favorito da extrema-direita mundial que tem estado ligado ao bilionário da tecnologia Elon Musk e elogiou o antigo presidente dos EUA, Donald Trump.

No início deste ano, durante uma viagem aos Estados Unidos, Milei evitou a Casa Branca e discursou na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), onde se insurgiu contra o aborto e o socialismo e partilhou um abraço com Trump.

A cimeira de domingo, do partido de extrema-direita Vox, tem como objetivo reunir figuras populistas de toda a Europa, para mobilizar a base do partido antes das eleições de junho para o Parlamento Europeu. Milei descreveu a sua presença como um “imperativo moral” e está também previsto um encontro com empresários espanhóis no sábado.

As tensões entre Milei e Sánchez começaram quando o primeiro-ministro espanhol se recusou a felicitar o economista libertário pela sua surpreendente vitória eleitoral em novembro passado.

A hostilidade aumentou no início deste mês quando um dos ministros de Sánchez sugeriu que Milei tinha consumido estupefacientes. A presidência argentina respondeu com uma declaração oficial invulgarmente dura, acusando o governo de Sánchez de “pôr em perigo a classe média com as suas políticas socialistas que só trazem pobreza e morte”.

A longa declaração acusou Sánchez de ter “problemas mais importantes para resolver, como as acusações de corrupção contra a sua mulher”.

As acusações de tráfico de influências e corrupção contra a mulher de Sánchez, Begoña Gómez, levaram Sánchez, um dos líderes socialistas mais antigos da Europa, a considerar a hipótese de se demitir.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milei recebido em Roma por Meloni como parceiro estratégico

Primeiro encontro de Papa Francisco com Milei marcado com um efusivo abraço

Argentina fora dos BRICS por decisão de Milei