EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Super Sondagem: A coligação conservadora da UE está a perder força?

Um homem veste um fato com as cores da UE enquanto caminha à porta do Parlamento Europeu
Um homem veste um fato com as cores da UE enquanto caminha à porta do Parlamento Europeu Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Sergio Cantone
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As sondagens da Euronews prevêem uma vitória eleitoral para o PPE, um crescimento sem precedentes para os ultraconservadores e um ligeiro aumento para os socialistas. Os dados sugerem que a formação da futura coligação governamental pode vir a revelar-se um enigma político.

PUBLICIDADE

De acordo com as sondagens da Euronews, uma coisa parece certa: após as eleições de 6 a 9 de junho, o Parlamento Europeu terá uma clara maioria de direita.

Além disso, as forças do campo conservador - desde o centro-direita à extrema-direita - terão de ultrapassar profundas clivagens e contradições entre si para formar uma aliança funcional.

Entretanto, os grupos conservadores dificilmente conseguirão unir as suas forças numa coligação forte.

Os partidos socialistas têm vindo a registar um crescimento ligeiro e constante desde há três meses, enquanto os liberais-democratas do Renew estão em declínio acelerado.

Por último, uma curiosidade mais do que um dado político: os únicos países onde se espera que a extrema-direita tenha um resultado insignificante são o Chipre, Luxemburgo e Malta.

Pedimos a Boyd Wagner, analista-chefe do Centro de Sondagens da Euronews, para nos ajudar a compreender melhor os resultados da nossa última Super Sondagem em nove países representativos da UE.

Euronews: Na Alemanha, a maior economia da União Europeia, os democratas-cristãos (CDU) estão a liderar as sondagens. Como é que comenta esta situação?

Wagner: O PPE (Partido Popular Europeu) vai continuar a receber o seu maior impulso da coligação alemã, do grupo alemão, da CDU e da CSU (Democratas-Cristãos da Alemanha e da Baviera, respetivamente).

Prevemos que se situem em cerca de 30%. Deverão ultrapassar o limiar dos 30% na Alemanha na próxima semana. E isso deverá ser um grande boom para o grupo do PPE.

Euronews: O partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) parece estar a perder algum do seu apelo junto do eleitorado alemão e poderá ser ultrapassado pelos sociais-democratas (SPD) como segundo partido. Isso deve-se aos recentes escândalos e acusações contra alguns dos seus membros de serem agentes de influência russos e às declarações de simpatia para com as SS por parte do cabeça de lista do partido ao Parlamento Europeu, Maximilian Krah?

Wagner: Na Alemanha, quando as pessoas forem votar, daqui a cerca de uma semana, o escândalo das SS terá um impacto maior. Provavelmente, será o escândalo das SS, porque os mantém fora do grupo Identidade e Democracia (de extrema-direita) do Parlamento Europeu. Portanto, só a reverberação desse escândalo vai ter um efeito em tudo o que se vai passar a longo prazo.

Euronews: Em França, a vitória esmagadora de Jordan Bardella, do União Nacional de Marine Le Pen, é um dado adquirido. A corrida ao segundo lugar é disputada entre dois candidatos pró-UE, Valérie Hayer, da Renascença, e Raphaël Glucksman, do Partido Socialista. Não é verdade?

Wagner: O Partido Socialista em França está a ganhar muito terreno em relação ao Rennaisance (Renascença). Penso que essa será a sua maior preocupação para Macron e para o grupo. Penso que a Renascença não se pode dar ao luxo de tentar aproximar-se do União Nacional neste momento; tem de se certificar de que se mantém num forte segundo lugar e não deixar que os socialistas se aproximem deles".

Euronews: O Partido Socialista de Glucksman é uma ameaça real para a chamada "maioria presidencial", tanto em França como na Europa?

Wagner: A Renascença não deve deixar que os socialistas se aproximem, como estão a fazer neste momento, a pouco mais de uma semana das eleições, uma vez que acompanhamos estes últimos números numa base de duas semanas. A lista de Macron está a 16,6% e os socialistas estão a pouco menos de 14%. Portanto, estamos a aproximar-nos muito, muito, muito entre estes dois partidos.

Euronews: A Itália é a outra peça importante do campo ultra-conservador de extrema-direita da UE. A primeira-ministra pós-fascista, Giorgia Meloni, ocupa a primeira posição. Nas últimas semanas, assistimos a uma aproximação cautelosa entre Meloni (o seu partido é membro da ECR) e a número um da oposição francesa, Le Pen (o seu partido é filiado no Identidade e Democracia). Acha que poderiam ser tentados a juntar forças, a criar um novo grupo e a abandonar o projeto de uma coligação conservadora "pró-Von der Leyen" (sem Le Pen)?

Wagner: Não creio que a primeira-ministra Meloni pense que essa possibilidade está morta. Se incluirmos toda a gente, e vou excluir o AfD - agora que foi excluído do grupo Identidade e Democracia - temos 60 a 65 lugares do ID e mais de 80 lugares do ECR. Juntos, tornam-se um formidável número dois - potencialmente número dois; poderiam ser maiores do que o S&D no Parlamento Europeu. E isso significaria que existe uma forte ala direita que precisa de ser considerada.

Será que o PPE ainda consegue trabalhar com isto? É algo que vão ter de considerar. E, no fim de contas, o facto de ter tantos lugares à sua direita não é suficiente. Ou o PPE decide entrar numa coligação com eles ou não, ou decide formar um governo com eles.

PUBLICIDADE

Seja como for, vão ter de contar com o poder que têm neste momento, porque está muito mais inflacionado do que estava anteriormente.

Euronews: Passemos agora a Espanha. Segundo a Super Sondagem da Euronews, o Partido Popular está a liderar ligeiramente as sondagens, seguido pelo partido socialista, PSOE. Será Espanha o último bastião dos partidos tradicionais da tradição política europeia?

Wagner: O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) era o maior partido. É o partido do governo em Espanha neste momento. Não prevemos que seja o partido vencedor. Mas não estamos a assistir ao aparecimento de um partido mais à direita para ocupar esse lugar. Não estamos a assistir à ascensão do Vox tanto quanto poderíamos ter pensado.

Em vez disso, está a acabar por ser uma luta entre os dois partidos do establishment, o Partido Popular e o PSOE. E, à medida que os acompanhamos neste momento, parece que vai ser o Partido Popular que vai assumir a liderança, mas ainda está perto de ser decidido.

Fazendo uma espécie de projeção, estamos a olhar para 25 eurodeputados para o PPE, para o PP em Espanha, e estamos a olhar para apenas 20 para o PSOE e o S&P. Mais uma vez, trata-se de uma situação única.

PUBLICIDADE

Concluindo, o grupo do PPE será composto por alemães, polacos e espanhóis. Qual é a sua análise deste facto?

Wagner: É muito claro que vai ser conduzido pelos alemães e pelos espanhóis. E, penso que em terceiro lugar, provavelmente veremos os polacos. Penso que tem razão. O PPE vai beneficiar do facto de ser o flanco oriental da Europa.

Penso que no flanco oriental da Europa, estamos a ver muitos destes partidos mais tradicionais a acumular mais votos do que tinham antes. Por isso, penso que o PPE vai sair-se melhor nessa zona. Mas, no fim de contas, não há tantos eurodeputados e lugares no Parlamento Europeu nalguns desses países. Por isso, vão ter de ser apoiados pelos espanhóis, pelos alemães e pelos polacos.

Euronews: A Roménia é outro exercício interessante na arte de conceber coligações políticas. Poderá o próximo Parlamento Europeu inspirar-se na estrutura da atual coligação no poder na Roménia?

Wagner: É o que parece. Prevemos que o PPE seja o líder com cerca de 11 deputados no próximo Parlamento Europeu. Prevemos que o S&D venha logo a seguir, com nove deputados. O ECR tem sete deputados. E depois temos cinco para o grupo Renew.

PUBLICIDADE

Mais uma vez, o mais difícil de acompanhar com a Roménia é exatamente o facto de estarem a concorrer às eleições para o parlamento nacional.

Euronews: Quanto aos Países Baixos. Vão confirmar os resultados das recentes eleições nacionais?

Wagner: Os Países Baixos são um país interessante, porque tiveram as suas próprias batalhas internas, que têm vindo a travar há algum tempo, e parece que estão a chegar a algumas conclusões.

Parece-me que, muito em breve, irão confirmar o seu próprio governo. Por isso, neste momento, temos nove eurodeputados holandeses na ID, o que é certamente uma posição forte para a direita

Euronews: E na Bélgica? A Bélgica também vai realizar as suas eleições federais no mesmo dia das eleições europeias.

PUBLICIDADE

Wagner: A Bélgica é sempre um país muito difícil de identificar. Estamos a pensar onde é que nós vamos estar com os deputados do Parlamento Europeu da Bélgica. Também se vê, mais uma vez, uma forte ascensão da direita, tal como se vê nos Países Baixos, aqui ao lado, tal como se vê em França, aqui ao lado.

Vai ser muito bem proporcionado. Na Flandres (região de língua neerlandesa), vamos ver a maioria dos eleitores de direita. Na Valónia (região francófona), a proporção de eleitores de esquerda é maior.

Euronews: No que diz respeito à direita, na Hungria, o partido ultra-conservador Fidesz, do primeiro-ministro Viktor Orbán, lidera as sondagens, mas, pela primeira vez, um novo partido da oposição parece estar a crescer. Poderá o movimento de Péter Magyar tornar-se uma ameaça política para Orbán?

Wagner: Neste momento, o movimento tem quase 20% nas sondagens. É um número muito forte para um grupo que, tecnicamente, não é uma oposição unida. Há dois anos, quando a Hungria teve as suas últimas eleições parlamentares nacionais, eles concorreram como uma oposição unida e conseguiram obter mais de 30% dos votos, se bem me lembro. Mesmo assim, não chegaram perto de conseguir uma vitória sobre o primeiro-ministro Orban. Portanto, 20% não os vai aproximar em termos de um movimento global. Não estou a ver isso.

Continuamos a prever que o Fidesz obtenha mais de 40% dos votos na Hungria. O Fidesz manterá a sua posição de líder absoluto e deverá ganhar a todos. Quando olhamos para Magyar, penso que a maior parte dos seus eleitores vêm de outros partidos da antiga oposição ou de outros partidos da oposição.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Divisão entre direita e centro-direita na Polónia pode dificultar coligação conservadora na UE

Novo grupo da esquerda populista pode vir a florescer no Parlamento Europeu, diz sondagem Euronews

PPE lidera sondagens de voto para a UE. Extrema-direita cresce dramaticamente. Liberais em queda livre