EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Dois reféns de nacionalidade portuguesa estão retidos em Gaza

Familiares e apoiantes dos reféns israelitas detidos na Faixa de Gaza pelo grupo militante Hamas seguram cartazes
Familiares e apoiantes dos reféns israelitas detidos na Faixa de Gaza pelo grupo militante Hamas seguram cartazes Direitos de autor Ohad Zwigenberg/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Ohad Zwigenberg/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Dois reféns de nacionalidade portuguesa permanecem retidos em Gaza, desconhecendo-se a sua situação atual, disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

PUBLICIDADE

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Paulo Rangel, indicou não poder dar muitos detalhes, mas afirmou que dois cidadãos, que tinham adquirido nacionalidade portuguesa antes do ataque do Hamas, estão entre o grupo de reféns desde o dia 7 de Outubro de 2023.

Inicialmente, estavam três cidadãos nacionais entre os reféns, um dos quais soube-se recentemente que estava morto. Sobre os outros dois, o ministro disse desconhecer a sua situação, conforme avança a agência Lusa.

Esta informação foi adiantaa durante uma audição sobre a situação na Faixa de Gaza na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, a pedido do Bloco de Esquerda e PCP. Paulo Rangel respondia a uma pergunta do deputado da Iniciativa Liberal, Rodrigo Saraiva, sobre a existência de portugueses entre os reféns.

A deputada comunista Paula Santos questionou o ministro sobre diligências para retirar familiares de um cidadão português retidos na Faixa de Gaza.

O governante esclareceu que o português é casado com uma mulher luxemburguesa, cuja família está no enclave palestiniano, pelo que compete às autoridades daquele país responder a esta situação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel confirma morte de refém luso-israelita

Pelo menos 17 palestinianos mortos num ataque israelita a escola que servia de refúgio

Ataque ao campo de al-Mawasi, Netanyahu: "Não há certezas sobre a morte de Deif"