Portugal aproveita "Black Friday" mas com alerta para "Black Fraude"

Portugal aproveita "Black Friday" mas com alerta para "Black Fraude"
De  Francisco Marques com AP, Dinheiro Vivo, Deco
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É mais uma invenção dos Estados unidos adotada na Europa, com o Reino Unido a ver dispara este ano as vendas pela internet e a França a aproveitar até o domingo.

PUBLICIDADE

É mais uma invenção dos Estados Unidos adotada na Europa e Portugal não foge à regra. A “Black Friday” é um dia em que as lojas oferecem descontos que podem ir dos 10 por cento aos 80 por cento, em artigos tão diversos como vestuário, alta tecnologia, alimentação ou até viagens aéreas.

Para onde vão voar com a Black Friday do Victoria?
Até ao fim do dia, dezenas de destinos a partir de 7.500 milhas!! https://t.co/OUYYH3zrjUpic.twitter.com/474sbRcBQt

— TAP Portugal (@taportugal) 25 de novembro de 2016

No Reino Unido, este ano, é a venda à distância de um clique que está a destacar-se.

O responsável pela pesquisa de consumo da Deloitte conta-nos que “a diferença este ano está no aumento das compras pela internet”. “Pelo menos metade das compras registadas esta sexta-feira serão feitas online”, refere Ben Perkins, citando as previsões da maioria dos economistas.

Lidl is the new black! Come grab our exquisite lobsters tomorrow at only £2.99. #BlackFridaypic.twitter.com/qVJRKdkL7G

— Lidl UK (@LidlUK) 25 de novembro de 2016

O especialista de consumo da Deloitte explica ainda que, porque “os consumidores cada vez mais preferem comprar no conforto de casa”, “os comerciantes” decidiram “facilitar-lhes o trabalho” e “manter as ofertas durante mais tempo”, tendo sido, entretanto, criada a chamada “Cyber Monday.”

Como os nomes indicam, “Black Friday” refere-se a uma sexta-feira e “Cyber Monday” a uma segunda-feira, mas o sucesso desta ideia é tal que este período especial de saldos foi prolongado também pelas lojas físicas pelo fim de semana seguinte ao “Dia de Ação de Graças”, um feriado muito apreciado nos Estados Unidos celebrado à 4.a quinta-feira de novembro.

Americans during blackfriday be like…#blackfriday#thanksgivingpic.twitter.com/Rpix0tc2c6

— Jamie ♏️oran (@JamieMoranUK) 25 de novembro de 2016

Em França, onde a maioria do comércio fecha ao domingo, há estabelecimentos a aproveitar ao máximo este período especial de descontos cada vez mais procurado pelos clientes.

“Não conheço os números exatos, mas há claramente um aumento na adesão dos clientes a estes três dias, que se prolongam de sexta-feira a domingo, dia em também estamos abertos”, sublinha Angelo Barberio, o diretor de vendas de um dos hipermercados franceses da cadeia Auchan.

Em Portugal, há no entanto um alerta da Associação de Defesa do Consumidor.

A Deco identificou no ano passado alguns embustes cometido por comerciantes, nomeadamente a venda de uma televisão por 1439,20 euros com um desconto “Black Friday” sobre um preço de 1799 euros, embora o artigo tivesse estado alguns dias antes à venda por… 1099 euros.

Nesta #BlackFriday, não comprem gato por lebre. Verifiquem se o preço subiu nos 30 dias antes em https://t.co/l8gpJpBKwf#DecoProtestepic.twitter.com/3Wmrh3BQEE

— DECO PROTESTE (@decoproteste) 24 de novembro de 2016

Num artigo intitulado “Black Friday ou Black Fraude?”, a associação apresentou uma ferramenta online para poder pesquisar a variação de preço nos últimos 30 dias de um determinado artigo promovido pela internet.

“A ferramenta apenas considera preços com desconto direto e imediato”, lê-se, pedindo-se depois para clicar no botão virtual “verificar” de forma a constatar se o desconto anunciado “é imperdível ou Black Fraude.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como é que o ataque do Irão a Israel poderá ter impacto nas mercadorias?

Ataques ucranianos às refinarias de petróleo russas: qual é o impacto?

Onde é que na Europa existe maior desigualdade de riqueza?