Gigantes tecnológicos contestam política migratória de Trump

Gigantes tecnológicos contestam política migratória de Trump
De  Patricia Cardoso com Reuters, Redes sociais
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As empresas tecnológicas norte-americanas, que empregam um grande número de estrangeiros, insurgem-se nas redes sociais contra a política anti-imigração de Donald Trump, que proibiu a entrada de cidad

PUBLICIDADE

As empresas tecnológicas norte-americanas, que empregam um grande número de estrangeiros, insurgem-se nas redes sociais contra a política anti-imigração de Donald Trump, que proibiu a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos.

Do Facebook à Microsoft, os gigantes do setor tecnológico quebram o silêncio, ao contrário dos homólogos de empresas de outros setores, como o automóvel, energético e bancário.

O patrão da Airbnb, Brian Chesky, fala de medida injusta e a sua empresa propõe alojamento gratuito às pessoas impedidas de entrar nos Estados Unidos.

If you're able to host refugees in need via Airbnb, you can sign up here: https://t.co/ccI5BKW0mXhttps://t.co/WWTGUNemMv

— Brian Chesky (@bchesky) 30 de janeiro de 2017

)) A Uber estima que há pessoas inocentes afetadas e criou um fundo de três milhões de dólares para apoiar os funcionários, incluindo motoristas, atingidos pela medida.

Our CEO's reaction to immigration order: “We'll compensate drivers impacted by the ban pro bono for next 3 months.” https://t.co/meCT1ahEjH

— Uber (@Uber) 29 de janeiro de 2017

Na Alphabet, casa mãe do Google, há pelo menos cem empregados afetados pela decisão de Trump. Quem estava no estrangeiro foi convocado para regressar aos Estados Unidos e os que deviam partir devem anular a viagem.

O presidente da empresa Sundar Pichai, de origem indiana, recorda que durante gerações os imigrantes contribuíram para o desenvolvimento dos Estados Unidos .

For generations, this country has been home to immigrants like Sanaz. Her story is playing out all over the country. Google is with you. https://t.co/mllnZ5gNDB

— sundarpichai (@sundarpichai) 29 de janeiro de 2017

Há também dezenas de empregados da Microsoft afetados e o presidente Satya Nadella, de origem indiana, chama a atenção para a necessidade de uma política migratória que defenda a diversidade.

Preocupado com a medida está ainda o patrão do Facebook. Mark Zuckerberg recorda que os seus avôs eram oriundos da Alemanha, da Áustria e da Polónia e que os pais da sua mulher são refugiados chineses e vietnamitas.

O patrão do Twitter evoca as consequências humanitárias e económicas da medida. Já a empresa recorda que é “feita por imigrantes de todas as religiões”.

The Executive Order's humanitarian and economic impact is real and upsetting. We benefit from what refugees and immigrants bring to the U.S. https://t.co/HdwVGzIECt

— jack (@jack) 28 de janeiro de 2017

Twitter is built by immigrants of all religions. We stand for and with them, always.

— Twitter (@Twitter) 29 de janeiro de 2017

Jeff Weiner, dirigente de LinkedIn, vai mais longe e afirma que 40% das maiores empresas do país foram criadas por imigrantes e pelos seus filhos.

40% of Fortune 500 founded by immigrants or their children. All ethnicities should have access to opportunity — founding principle of U.S.

— Jeff Weiner (@jeffweiner) 28 de janeiro de 2017

É o caso da Apple. Tim Cook, que destaca a importância da imigração, relembra que sem a imigração a companhia não existiria , numa referência a Steve Jobs, cujo pai biológico, Abdulfattah Jandalie, era um jovem sírio que emigrou para os Estados Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Millennials vão tornar-se a "geração mais rica da história"

Inflação na zona euro desce para 2,6%

Preço do azeite sobe mais de 50% num ano na UE, Portugal registou o maior aumento