EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trump e May lado a lado em Davos

Trump e May lado a lado em Davos
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os líderes dos EUA e do Reino Unido encontram-se pela primeira vez desde o cancelamento da visita de Trump a Londres.

PUBLICIDADE

Donald Trump e Theresa May sentaram-se lado a lado em Davos. Foi o primeiro encontro entre o presidente norte-americano e a primeira-ministra britânica desde que Trump cancelou a visita prevista a Londres, oficialmente por discordar da localização da nova embaixada dos Estados Unidos.

Esta foi também a primeira vez que os dois líderes se encontraram depois das críticas de May a Trump no Twitter. Trump promete trabalhar pelas boas relações entre os dois lados do Atlântico: "As discussões que vamos ter vão levar a um grande aumento no comércio entre os nossos dois países, o que é ótimo para ambos em termos de emprego. É um processo que vai começar neste preciso momento", disse o presidente norte-americano.

No discurso no Fórum Económico Mundial, Theresa May prometeu que o Reino Unido iria continuar a trabalhar pelo comércio livre, mesmo depois de deixar a União Europeia: "Todos os países devem apoiar e ajudar a moldar as regras de um comércio e um investimento que sejam livres e justos. Não podemos puxar, ao mesmo tempo, para várias direções", disse May.

Donald Trump, adepto do protecionismo económico e inimigo da maioria das teses defendidas neste fórum, vai fazer, esta sexta-feira, um dos mais esperados discursos da edição deste ano. Os Estados Unidos não enviavam um presidente ao Fórum Económico Mundial desde o ano 2000.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy em Davos: Putin é um "predador" e não se contenta com conflitos "congelados"

Macron condena violência e reitera que não vai ceder

Gabriela Bucher: "Não podemos ter pessoas a morrer de fome no século XXI"