EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tony Blair: "Caminhamos no sentido de um novo referendo"

Tony Blair: "Caminhamos no sentido de um novo referendo"
Direitos de autor 
De  Monica Carlos
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O cenário do brexit sem acordo seria uma péssima ideia para a economia britânica.

PUBLICIDADE

Segundo os peritos reunidos em Davos para o Fórum Económico Mundial, o brexit é um dos fatores que ameaçam o crescimento global.

Numa entrevista à Euronews sobre os desenvolvimentos dramáticos da semana passada no Reino Unido, o ex-primeiro ministro britânico Tony Blair afirmou:

"O cenário do brexit sem acordo seria uma péssima ideia para a economia britânica. Acho que é altamente improvável, porque há uma grande maioria no Parlamento contra esse cenário e há até vários ministros que não o apoiaríam. Por isso, acho que é altamente improvável, mas não impossível, e se acontecesse seria com certeza extremamente grave."

Em relação à possibilidade de um novo referendo, o ex-primeiro ministro britânico sublinhou:

"Penso que [o referendo] é a única maneira para resolver o impasse do brexit porque no fim o Parlamento não poderá, na minha opinião, resolvê-lo. Aliás, o problema com o acordo que a primeira-ministra apresentou ao parlamento e que foi derrotado foi que este não resolveu a questão central, que é a da futura relação comercial da Grã-Bretanha com a União Europeia, uma das principais razões pela qual o acordo foi rejeitado. Por isso, esta situação atingiu agora a maturidade e, na minha opinião chegou o momento certo para a condução de tal referendo. Será difícil, pois não existe ainda uma maioria parlamentar para esse fim, mas acho que caminhamos nesse sentido."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"É preferível um novo referendo do que nada", Tony Blair

Zelenskyy em Davos: Putin é um "predador" e não se contenta com conflitos "congelados"

Macron condena violência e reitera que não vai ceder