Ataques fazem disparar preço do petróleo

Ataques fazem disparar preço do petróleo
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os preços do petróleo subiram quase 20%, devido ao ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, no fim de semana. Trata-se da maior subida registada num só dia desde 1991.

PUBLICIDADE

Os preços do petróleo subiram quase 20%, devido ao ataque a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, no fim de semana. Trata-se da maior subida registada num só dia desde 1991.

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de autorizar o recurso ao fundo de reservas de emergência fez os preços descerem do pico que tinham atingido, mas o facto de o ataque ter afetado metade da produção saudita faz com que os preços ainda estejam em máximos de meses.

"Qualquer redução nas exportações sauditas vai aumentar substancialmente o preço do petróleo. Se os sauditas repararem as instalações petrolíferas e elas forem atingidas outra vez, acho que o preço do petróleo pode atingir os 100 dólares por barril", salienta o analista Francis Lun.

O ataque levou à suspensão de cerca de 5% da produção mundial e a reparação das instalações pode demorar meses.

"Os Estados Unidos e a China têm algumas reservas, mas não vão usá-las durante muito tempo. Por isso, não surpreende que os especialistas digam que vamos ver o barril de petróleo a negociar nos 80 dólares. Isso iria refletir-se obviamente no que pagamos nas bombas", realça Sasha Vakulina, editora de Economia da Euronews.

E uma subida do preço do petróleo terá também implicações sérias na economia global.

"Em combinação com as incertezas que temos, sobre as relações comerciais dentro da Europa, uma situação generalizada de desaceleração em todo o mundo, mas também com a dúvida se o preço do petróleo vai continuar a subir significativamente, isto pode causar restrições no investimento e, como tal, exacerbar a recessão que está a ameaçar aparecer mais cedo ou mais tarde", diz Hurbertus Bardt, diretor de investigação do Instituto Económico Alemão.

A Rússia e fontes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo descartam para já a realização de uma reunião extraordinária.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mercedes-Benz recolhe 250 000 veículos devido a risco de incêndio

Uber Eats altera anúncio polémico da Super Bowl por brincar com alergias alimentares

Quem ultrapassou Elon Musk como a pessoa mais rica do mundo?