EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Governo alemão resgata companhia áerea Lufthansa

Companhia aérea Lufthansa
Companhia aérea Lufthansa Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Isabel Marques da SilvaStefan Grobe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O resgate deve-se ao impacto económico na aviação por causa da pandemia e deverá ter luz verde da Comissão Europeia, que flexibilizou, temporariamente, as regras de ajudas estatais às empresas privadas.

PUBLICIDADE

O governo alemão e a companhia aérea nacional Lufthansa chegaram a acordo, esta segunda-feira, sobre uma injeção de capital público no valor de nove mil milhões de euros. O governo alemão vai passar a ser dono de 20% das ações da companhia e a quota poderá subir aos 25%.

O resgate deve-se ao impacto económico na aviação por causa da pandemia e deverá ter luz verde da Comissão Europeia, que flexibilizou, temporariamente, as regras de ajudas estatais às empresas privadas.

"Em termos gerais, estas ajudas públicas devem ser limitadas no tempo e serem canalizadas apenas para resolver os problemas que as empresas enfrentam atualmente. O apoio pode ser concedido até o final de 2020 para ajudar as empresas a superarem a escassez de liquidez e evitarem despedimentos", explicou Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da Comissão Europeia.

Risco de distorção no mercado

Desde o início da pandemia, a Comissão Europeia autorizou inúmeros pedidos de governos dos Estados-membros para fazerem resgates, num total de quase dois mil milhões de euros.

Só a Alemanha injetou quase metade desse valor em empresas do país, tendo governos de alguns países questionado a possível distorção do mercado, mas as autoridades alemãs relativizam esse perigo.

"As regras europeias sobre concorrência e auxílios estatais devem permitir a criação de empresas europeias que são campeãs a nível global. Assim poderão competir com rivais nos EUA e na China. A Comissão Europeia não deve olhar apenas para a concorrência dentro do mercado único europeu porque o desafio nos próximos anos será global", defendeu Armin Laschet, líder do governo do estado da Renânia do Norte-Vestfália (Alemanha).

O governo alemão também recebeu pedidos de ajuda do poderoso setor automóvel, incluindo da BMW, Volkswagen e Daimler. O governo só decidirá em junho, mas avisa que o dinheiro deve ser usado para fazer carros mais ecológicos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Setor da aviação recusa lugares vazios

"Um tsunami de desempregados" na aviação

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?