EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

FMI agrava perspetivas económicas globais

Washington DC, IMF
Washington DC, IMF Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Nara Madeira com AFP, AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

FMI agrava perspetivas económicas globais. PIB da Zona Euro pode contrair-se mais de 10 por cento.

PUBLICIDADE

O Fundo Monetário Internacional agravou as perspetivas económicas a nível mundial. A recessão, a nível global, será mais profunda do que o previsto em abril. As perdas acumuladas, para a economia global, ascenderão aos mais de 10 biliões de euros em 2020 e 2021 devido à pandemia de Covid-19.

De acordo com a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, "haverá uma recessão mais profunda em 2020 e uma recuperação mais lenta em 2021", em comparação com as previsões anteriores.

Um cenário mais pessimista mas em abril já se apontava para a recessão mais grave desde a grande depressão de 1930.

Gita Gopinath explicou que "à medida que os países reabrem, a recuperação não é igual. Por um lado, a procura reprimida está a levar a um aumento nos gastos, em alguns setores como o varejo. Por outro lado, setores como o da hospitalidade, turismo e viagens continuam em depressão".

Só na zona Euro o PIB deverá contrair-se mais do que o previsto, 10,2%, como resultado direto da paralisia económica para conter a pandemia de Covid-19. A recuperação, lenta, deverá começar no próximo ano.

Itália deverá ser um dos países da Zona Euro mais tocados pela recessão, 12,8 por cento. França fica umas décimas a baixo. Apenas a Alemanha não viu agravar, substancialmente, as previsões.

O documento não fala, especificamente, de Portugal mas haverá, provavelmente um agravamento do cenário previsto em abril, que era de uma recessão de 8%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro trimestre marcado por recessão na Europa

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos