EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Berlim alerta Londres para consequências de "não acordo"

Berlim alerta Londres para consequências de "não acordo"
Direitos de autor AP/AFP or licensors
Direitos de autor AP/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia diz que cabe ao Reino Unido "restabelecer confiança" nas negociações de acordo comercial pós-Brexit

PUBLICIDADE

Berlim espera que as discussões com Londres "obtenham um bom resultado" mas sublinha que, se as negociações não permitirem obter um acordo comercial pós-Brexit, as consequências serão particularmente nefastas para o Reino Unido.

O aviso chega da parte de Olaf Scholz, por ocasião da reunião de ministros da Economia e das Finanças da União Europeia, na capital alemã.

A Europa está precisa e cuidadosamente preparada para esta questão. A minha avaliação é de que uma situação desordeira teria consequências bastante significativas para a economia britânica. A Europa estará em posição de lidar com isso e não haverá consequências particularmente nefastas depois dos preparativos já feitos.
Olaf Scholz
ministro alemão das Finanças

Para o comissário europeu para os Assuntos Económicos, Paolo Gentiloni, a "bola está no campo" de Londres: "Estamos bastante preocupados com a evolução da situação. Cabe ao Reino Unido restabelecer a confiança com a União Europeia porque, como disse a presidente [da Comissão Europeia Ursula] von der Leyen, os compromissos são para ser honrados."

Num texto publicado pelo Daily Telegraph, o primeiro-ministro britânico defende a intenção de renegociar parcialmente o acordo do Brexit, que justifica com a "ameaça" de que a União Europeia instaure um "bloqueio alimentar" na Irlanda do Norte. 

Boris Johnson aponta o dedo a Bruxelas na origem da discórdia e apela ao deputados britânicos para aprovarem o projeto de lei apresentado na quarta-feira que contradiz parcialmente o acordo já assinado com a União Europeia e que devia entrar em vigor a 1 de janeiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições Francesas: vitória da esquerda provoca queda do euro

Fabricante de chocolates planeia Nutella vegana

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros