EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Da economia de tarefas ao trabalho à distância. Conheça as tendências no mercado de trabalho

Da economia de tarefas ao trabalho à distância. Conheça as tendências no mercado de trabalho
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde o início da pandemia de covid-19, o mundo do trabalho sofreu mudanças que parecem ter vindo para ficar. Saiba quais e o que estão algumas empresas a fazer para sair desta fase com uma história de sucesso.

PUBLICIDADE

O trabalho remoto tornou-se cada vez mais popular, necessário e, em muitos casos, obrigatório devido à pandemia.

Atualmente, 18% dos trabalhadores trabalham a partir de casa permanentemente, mas um estudo recente da Universidade de Chicago mostrou que este número poderia duplicar. Isto significa que dois em cada cinco trabalhos podem potencialmente ser feitos a partir de casa: Por outras palavras, num futuro próximo, é possível que no mundo haja mais de mil milhões de trabalhadores à distância.

A tecnologia por trás do trabalho à distância

Adam McHale é o vice-presidente europeu da Cisco, uma empresa que constrói a tecnologia que permite às pessoas trabalhar a partir de casa. Devido à pandemia, "as infraestruturas de banda larga tornaram-se infraestruturas nacionais críticas", disse, em entrevista ao programa da Euronews "The Exchange". McHale afirmou ainda que, no espaço de poucos dias, o tráfego da internet cresceu a um ritmo que normalmente veríamos no final de 18 meses,.

A Cisco fez um inquérito a 13 mil pessoas em seis países diferentes, no qual 78% disseram à empresa que a conectividade de banda larga "era absolutamente essencial para elas".

Uma tendência imparável para mudar o futuro dos empregos

A Estónia é frequentemente aclamada como o país mais avançado em termos digitais, depois de ter dado ao mundo o Skype e ter feito do acesso à Internet um direito humano básico.

As novas formas de trabalho e como trabalhamos são, para o ministro estónio da Saúde e do Trabalho, Tanel Kiik, "apenas uma coisa positiva".

"Não podemos colocar todos na mesma caixa e dizer que este é o vosso contrato de trabalho e estas são as vossas horas de trabalho e este é o vosso salário e ficarem satisfeitos com isso", acrescentou.

Plataformas online e mudanças no mercado laboral

Marcas como a Amazon e a Alibaba criaram profundas mudanças na forma como as pessoas vivem e trabalham. Apesar das histórias de sucesso que envolvem milhões de dólares, as pessoas ainda estão divididas sobre a economia de tarefas.

No Qatar, a startup Snoonu, que oferece uma aplicação móvel de entregas online, depende deste tipo de economia, mas está a tentar remediar falhas no tecido laboral, dando prioridade aos trabalhadores.

Os cerca de 600 motoristas que respondem a encomendas para milhares de locais em todo o país são totalmente treinados pela empresa. A empresa é apoiada pela Microsoft para dar aos clientes um serviço mais rápido., sendo a primeira start-up do país a angariar cinco milhões de dólares numa ronda de financiamento da série A.

A companhia emprega mais de 250 jovens de 35 países diferentes, cujos empregos estão em constante evolução graças à inovação digital.

Estas mudanças no mercado laboral também se refletem no recrutamento. A especialista em emprego Juliet Eccleston aconselha os jovens à procura de emprego a "que salientem algumas das coisas mais vocacionais que possam ter feito. Muitos jovens como eles foram, por exemplo, para plataformas e na realidade são microempresários nos bastidores. Partilhando ou alugando coisas, vendendo bens".

A menção destas experiências pode ser determinante na hora de escrever o CV, uma vez que, de acordo com a especialista, "sabemos que 70% dos jovens entre os 18 e os 25 anos utilizaram plataformas de economia partilhada. E este tipo de competências são de facto incrivelmente interessantes para as empresas".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Economia da Zona Euro cresce mais do que as previsões

Europeus preferem que governos nacionais façam gestão de fundos da UE