Europeus preferem que governos nacionais façam gestão de fundos da UE

Access to the comments Comentários
De  euronews
Europeus preferem que governos nacionais façam gestão de fundos da UE
Direitos de autor  El Europarlamento de Bruselas

Com todos os estados membros a sofrer consequências da pandemia de covid-19, a União Europeia foi forçada a responder com um plano financeiro sem precedentes para a recuperação económica.

Como resultado, as instituições de Bruxelas estão agora mais envolvidas nas economias nacionais do que nunca. A Euronews, em conjunto com a Redfield e Wilton Strategies, tentou perceber como é que os europeus estão a ver estas mudanças.

Na Alemanha, 34% dos inquiridos têm a opinião de que Bruxelas intervém demasiado na economia nacional, tal como consideram 27% dos italianos.

Em frança, perto de um quarto considera o mesmo. Mas são mais os franceses que acreditam que a União Europeia intervém da forma certa na economia nacional. Em Espanha, igual. Quatro em 10 espanhóis vêem como adequada a interferência de Bruxelas no contexto económico nacional.

Quanto à regras impostas relacionadas com o financiamento. Em França, mais de um terço acha que a União Europeia impôs demasiadas regras económicas, opinião compartilhada por 28% dos alemães.

Os italianos estão divididos sobre o assunto, mas em Espanha 34% dos inquiridos acham que não houve regulamentação financeira suficiente por parte da UE.

Quem gere a economia é uma questão relevante para os europeus. E, sobre quem deve fazer essa gestão, se a União Europeia ou os governos nacionais, os quatro estados-membros inquiridos não têm grandes duvidas.

A maioria diz que os governos nacionais é que devem gerir os apoios financeiros da UE.

Em relação à ideia de implementar uma criptomoeda nacional para afirmar a independência monetária do bloco europeu, as opiniões também não estão divididas, com exceção da Alemanha. E apesar de 45% dos inquiridos franceses não saberem responder à questão, Itália e Espanha apoiam a ideia.

A opinião da relação da União Europeia e os europeus, numa altura em que a Europa se prepara para o que pode ser um caminho longo de recuperação pós-Covid.