Arranca em Davos o Fórum Económico Mundial

Fórum Económico Mundial
Fórum Económico Mundial Direitos de autor FABRICE COFFRINI/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líderes políticos, económicos e da sociedade civil começam este domingo a abordar os grandes desafios do mundo. O encontro decorre de 22 a 26 de maio

PUBLICIDADE

O Fórum Económico Mundial que começa este domingo, em Davos.

A pandemia obrigou o evento a ser adiado de janeiro para maio.

Também por causa da pandemia, desde 2020 que as montanhas suíças não recebiam esta multidão de pessoas que se reúnem anualmente para falar das grandes questões da Humanidade.

Este ano os 2500 participantes têm como tema base de reflexão "A história num ponto de viragem: políticas governamentais e estratégias empresariais".

Uma reflexão com a guerra na Ucrânia como pano de fundo. O economista Klaus Schwab, fundador do Fórum, garantiu que Davos fará todo o possível para apoiar a Ucrânia e a sua reconstrução.

A Rússia foi excluída do evento e, simbolicamente, este ano em vez da Casa da Rússia haverá em Davos a Casa dos "Crimes de Guerra da Rússia", uma iniciativa do governo ucraniano e de um mecenas do país.

De 22 a 26 de maio, para além da questão da Ucrânia, e dos seus efeitos sobre a economia global, líderes políticos, económicos, empresariais e da sociedade civil, abordarão questões como mudanças climáticas, desigualdade de género ou o surgimento do metaverso, sem esquecer a pandemia que continua a ser um grande desafio.

O evento deste ano acontece no momento geopolítico e geoeconómico mais desafiante das últimas décadas. Davos constitui um ambiente único para criar ligações, discutir ideias e propor soluções para os problemas urgentes da Humanidade. O mundo espera ainda mais do Fórum Económico Mundial 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia é tema central no Fórum de Davos

Zelenskyy em Davos: Putin é um "predador" e não se contenta com conflitos "congelados"

Macron condena violência e reitera que não vai ceder