Inflação da zona euro cai para 8,5% em fevereiro

Imagem de arquivo da escultura do Euro em Frankfurt, Alemanha
Imagem de arquivo da escultura do Euro em Frankfurt, Alemanha Direitos de autor AP Photo/Michael Probst
Direitos de autor AP Photo/Michael Probst
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Entre os países da moeda única, Portugal foi o 11.º com a taxa de inflação mais alta, com 8,6%

PUBLICIDADE

A taxa de inflação da zona euro caiu ligeiramente, em fevereiro, para os 8,5%, estima o Eurostat.

De acordo com o gabinete de Estatística da União Europeia (UE), os números representam uma queda de 0,1% face ao mês de janeiro.

O segmento dos bens alimentares, do álcool e do tabaco foi o que registou os aumentos mais significativos.

Em fevereiro, estes produtos custavam mais 15% do que em relação a igual período de 2022, de acordo com o Eurostat, o que representa um agravamento ao mês de janeiro, quando estavam 14,1% mais caros do que há um ano.

No segmento dos bens alimentares, a taxa de inflação dos bens não-processados, como é o caso da fruta, dos legumes ou do peixe foi de 13,6%, abaixo dos 15,5% dos bens alimentares processados, do álcool e do tabaco.

Com uma taxa de inflação de 13,7%- abaixo dos 18,9% de janeiro - o segmento da energia registou um ritmo de subida de preços menor.

Entre os bens industriais não-energéticos a taxa de inflação foi 6,8% em fevereiro - 0,1 pontos percentuais acima da taxa de inflação de janeiro. Em relação aos serviços, registou-se uma subida de preços para 4,8% face aos 4,4% de janeiro.

No conjunto dos países da moeda única, Portugal foi o que registou a 11.ª taxa de inflação mais alta (8,6%), mantendo-se inalterada em relação ao mês anterior e superado em 0,1 pontos percentuais a média da zona euro (8,5%).

Os especialistas acreditam que há pouco espaço para melhorar. De acordo com uma análise da consultora Oxford Economics não há sinais de abrandamento nos alimentos.

Também é preocupante a pressão sobre os bens industriais não energéticos.

Neste contexto, tudo indica que o preço do dinheiro continuará a subir e que o Banco Central Europeu não só aumentará as taxas de juro em 50 pontos base em março, como continuará na mesma trajetória no segundo trimestre do ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inflação na UE está em vias de "aterragem suave"

UE flexibiliza regras de subsídios para empresas de tecnologia limpa

Relatório revela que mercado alemão continua a ser o que enfrenta mais dificuldades na Europa