EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Como a expansão dos BRICS pode abalar a economia mundial

Comércio mundial
Comércio mundial Direitos de autor Getty Images
Direitos de autor Getty Images
De  Doloresz Katanich
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Seis novos países vão juntar-se ao grupo dos BRICS para marcarem presença na cena económica mundial. Mas os objetivos de sustentabilidade do mundo ocidental podem sofrer as consequências.

PUBLICIDADE

Uma mistura algo surpreendente de países está prestes a juntar-se aos BRICS, o grupo económico constituído pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - uma decisão tomada na 15ª cimeira dos BRICS, organizada pela África do Sul. Em janeiro de 2024, o bloco incluirá o país em desenvolvimento Argentina, a segunda maior economia de África, o Egito; a Etiópia, uma das economias que mais crescem na região e os gigantes do petróleo Irão, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. O que é que têm em comum? A única resposta certa é o facto de os seis se terem candidatado a membros.

De um "acrónimo preguiçoso" a um parceiro comercial incontornável

Os BRICS, que não tinham um objetivo claro e tinham muitas dificuldades em cooperar entre si, começaram agora a recrutar. E ainda não acabaram. Incluindo os membros recém-recrutados, mais de 40 países querem aderir ao bloco, de acordo com o presidente da cimeira de 2023 na África do Sul.

"As sanções contra a Rússia e a China nos últimos 18 meses funcionaram como um catalisador", afirmou Christopher Weafer, diretor-executivo da consultora de negócios Macro-Advisory Ltd.

Moscovo e Pequim estão a tentar reduzir a dependência excessiva das economias ocidentais, tendo ambas sido essencialmente expostas ao que acontece se forem penalizadas.

A fundação dos BRICS, em 2001, não causou grandes dores de cabeça ao Ocidente durante algum tempo: “o agrupamento existe há muitos anos, mas não evoluiu para algo eficaz ou coordenado", afirma Weafer.

"Sempre foi uma ideia, quase como um acrónimo preguiçoso.

Desde então, o agrupamento não teve grande impacto no comércio mundial, mas criou um banco de desenvolvimento detido conjuntamente - o Novo Banco de Desenvolvimento. A falta de objetivos visíveis e de coordenação, a par das diferenças tangíveis em termos de interesses políticos e de normas de produção, para não falar de moedas, impediram-nos de se tornarem campeões de peso na cena económica mundial.

Poder-se-ia argumentar que os países do G7 (as sete maiores economias avançadas em termos de PIB, incluindo o Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, os EUA e o Reino Unido) ignoravam algumas das exigências e interesses do grupo. No entanto, ultimamente, a geopolítica começou a ter um impacto crescente nos laços económicos.

A expansão contínua oferece aos BRICS a oportunidade de terem uma voz forte em questões como a gestão do clima e o controlo dos sistemas financeiros mundiais.

Os recém-chegados podem encará-lo como uma forma de diversificar as suas oportunidades de negócio (e de serem menos dependentes dos países ocidentais e das suas regras) com a promessa de termos comerciais preferenciais entre os membros e outros incentivos para aumentar o comércio e os investimentos transfronteiriços.

Os atuais membros do bloco representam cerca de 42% da população mundial e mais de 27 mil milhões de dólares de Produto Interno Bruto acumulado. O grupo alargado representará 46,5% da população mundial e, utilizando os dados do Fundo Monetário Internacional relativos ao PIB de 2022, podemos calcular que representará 30,8 mil milhões de dólares do PIB mundial de 100 mil milhões de dólares.

Euronews
Os BRICS alargados e o PIB esperado.Euronews

Por outro lado, o PIB baseado na paridade do poder de compra, ou PPC (percentagem do PIB mundial baseada num cabaz comum de bens que representa o poder de compra real), mostra um equilíbrio de forças muito diferente. No total, este BRICS alargado aumenta agora a sua quota do PIB mundial para mais de 36% em termos de PPC, ultrapassando a do G7.

Euronews
PIB acumulado dos países do G7Euronews

O que se segue para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável?

É certo que o novo agrupamento é difícil de ignorar, uma vez que os seus membros detêm 45% da produção mundial de petróleo e possuem setores significativos de minério de ferro, carvão e bauxite, para além do papel fundamental que desempenham na agricultura mundial.

Por outro lado, as nações desenvolvidas, normalmente o G7, dependem em grande medida do comércio com estes países e também da coordenação em questões como as alterações climáticas e as questões ambientais. Por isso, "as economias mais fortes não podem continuar a ignorar as necessidades do novo bloco em formação", afirma Weafer.

O especialista acredita que, embora a tecnologia, o investimento e o comércio venham a ser questões importantes em cima da mesa, um dos pontos de viragem da discussão entre as economias mais fortes e os países BRICS poderá ser a redução do fosso entre os seus interesses em questões ambientais e a definição de prioridades.

"Os países em desenvolvimento não veem o ambiente como uma prioridade tão grande como as pessoas no mundo desenvolvido", explica Weafer.

Apesar de países como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos continuarem a indicar o crescimento sustentável como uma prioridade, precisam de tempo para se adaptarem. "A sua prioridade é o desenvolvimento económico e social, a fim de criar uma base económica mais estável, como o G7 e a União Europeia já possuem", diz Weafer. "E o argumento é: 'deem-nos tempo', mas não há tempo."

"Penso que é importante chegar a um consenso sobre a forma de lidar com as questões ambientais, porque existe um enorme fosso neste momento", acrescenta Weafer. "Quero dizer, enorme porque quando viajo para a China e para o Médio Oriente vejo que eles simplesmente não o veem. Pensam que se trata de um problema exagerado pela Europa e de uma forma de o G7 estar a suprimir a evolução e o crescimento potenciais do mundo em desenvolvimento. Cheguei a ver um artigo escrito por alguém que dizia que se tratava de uma forma moderna de colonialismo."

PUBLICIDADE

Quão realista é uma moeda comum para os BRICS?

Uma das questões que se colocam sobre os BRICS é se estão ou não a trabalhar num sistema de utilização de uma moeda comum. "O desafio é comparável ao de cortar o nó górdio", diz Weafer. A criação do euro levou décadas e tratava-se de um bloco composto por países muito menos diversificados e distantes fisicamente.

Aumentar o comércio bilateral e encontrar formas de o liquidar em moedas bilaterais é muito mais provável. Atualmente, isto só funciona com a Rússia e a China, depois de os bancos centrais destes países terem levado anos a criar um sistema que o permitisse. Recentemente, o Presidente russo Vladimir Putin afirmou que 80% do comércio entre a Rússia e a China é efetuado em rublos russos ou em yuans chineses.

Por outro lado, este sistema tem os seus riscos. Por exemplo, a Rússia está a vender muito petróleo à Índia, mas os pagamentos, que são em rupias, estão presos nos bancos indianos devido ao controlo de capitais e à não convertibilidade da rupia.

Realisticamente, nos próximos dez anos, os membros têm tempo suficiente para tentar resolver alguns destes acordos comerciais bilaterais.

Onde é que a expansão futura conduz o bloco?

À já peculiar seleção de países podem juntar-se novos membros, como o Cazaquistão e a Tailândia, que, segundo consta, já se candidataram. Penso que o critério de admissão é, antes de mais, a vontade de um país em aderir", afirma Weafer. A razão é que estão apenas à procura de diversificação, tendo em vista países com uma dimensão razoável. Por exemplo, a Indonésia é definitivamente um alvo."

PUBLICIDADE

Além disso, grupos já existentes poderiam ser convidados a aderir, como a União Económica da Eurásia e a Organização de Cooperação de Xangai.

O especialista acredita que os acontecimentos geopolíticos, como o conflito existente na Ucrânia e o potencial conflito com Taiwan, vão continuar a dominar a cena económica mundial.

Os próximos 12 meses vão revelar mais sobre os desafios e potencialidades que os BRICS vão trazer até à próxima cimeira.

Uma vez que o Presidente russo não pôde visitar a cimeira deste ano depois de o Tribunal Penal Internacional (TPI) ter emitido um mandado de captura contra ele, Vladimir Putin anunciou que foram feitos planos para realizar a próxima cimeira dos BRICS em Kazan, em outubro de 2024.

Nessa altura, poderemos até saber o nome do novo bloco, o que parece ser um desafio para o grupo que, até agora, acrescentou a primeira letra de cada novo membro ao seu nome.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Análise: O dilema do BCE sobre taxas de juro face à queda da atividade económica

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos