EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A indústria bilionária dos desportos de combate

A indústria bilionária dos desportos de combate
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nesta edição, vamos explorar o impacto da tecnologia digital num desporto que mobiliza milhares de milhões de euros.

PUBLICIDADE

Os negócios em torno dos desportos de combate estão em expansão. Duas grandes empresas de media de artes marciais estão no topo da indústria. A UFC e a ONE Championship valem agora mais de mil milhões de dólares, de acordo com números recentes da capitalização bolsista. A UFC de Dana White, sediada em Las Vegas, tem agora uma capitalização bolsista de 10 mil milhões de dólares, enquanto o ONE Championship de Chatri Sityotong está avaliado em 1,4 mil milhões de dólares. Mas esta explosão de popularidade estende-se a outras marcas, como a Bellator e a Professional Fighters League.

Número de praticantes de artes marciais está a aumentar

Estima-se que 300 milhões de pessoas se considerem adeptas de artes marciais mistas. A popularidade destas atividades está no auge em países como os Estados Unidos, o Reino Unido, o Brasil, Singapura e a China. E há cada vez mais pessoas a experimentar o desporto. No ano passado, só nos Estados Unidos, o mercado dos estúdios e clubes de artes marciais atingiu um valor estimado em 9 mil milhões de dólares.

euronews
Chatri Sityodtong, presidente e diretor executivo do ONE Championshipeuronews

O impacto dos serviços de streaming

A batalha entre as marcas centra-se na forma como os adeptos visualizam os conteúdos. Os serviços de streaming e as redes sociais são os elementos que deverão definir o futuro deste setor.

"Nos telemóveis, que são essenciais para os millennials e a geração Z, qundo usamos o TikTok, o Instagram, ou o Facebook não conseguimos ver as bolas de ténis, basquetebol, ou pingue-pongue. Os desportos de combate permitem propor um conteúdo de tamanho reduzido, em direto. Nos desportos de combate, temos três assaltos e depois segue-se o combate seguinte. Podemos escolher os lutadores que queremos ver e é tudo muito rápido. Não é preciso perder três, quatro ou oito horas. Podemos consumir o conteúdo, apreciá-lo e compreendê-lo e é muito fácil de utilizar", disse à euronews Chatri Sityodtong, presidente e diretor executivo do ONE Championship.

euronews
Os desportos de combate são cada vez mais populareseuronews

Os valores promovidos pelos desportos de combate

"Existem cinco mil propriedades desportivas no mundo, mas estou a falar das dez, quinze ou vinte melhores, e o One Championship está entre as dez maiores propriedades desportivas. Atingimos uma larga escala e é possível estimular os adeptos em todo o mundo. Há alguns meses, num único evento, fomos o número um do Twitter nos EUA e o número um do Twitter a nível mundial. Ao mesmo tempo, nesse fim de semana, fomos número um no DouYin e no Sina Weibo, que é o Facebook, o Instagram e o TikTok da China, em simultâneo. Línguas diferentes, culturas diferentes e, no entanto, conseguimos, num fim de semana, iluminar os dois países: um país com 1,4 mil milhões e um país com trezentos e cinquenta milhões. É esse o poder do digital e é esse o poder do desporto", acrescentou o responsável. 

Segundo Chatri Sityodtong, a popularidade destes desportos deve-se aos valores promovidos pelos desportistas. Eles inspiram países inteiros, inspiram o mundo com as suas histórias. São valores de integridade, humildade, honra, respeito, coragem, disciplina e compaixão, que são os valores fundamentais das artes marciais", concluiu à euronews Chatri Sityodtong, presidente e diretor executivo do ONE Championship.

euronews
Samuel Carneiro, treinador de MMA, no Qatareuronews

O streaming impulsiona desportos de combate

O aumento da popularidade dos desportos de combate é impulsionado por marcas globais e pela mais recente tecnologia de streaming. Qual é a margem das pequenas empresas? Estivemos no Qatar para conhecer especialistas em artes marciais que estão a construir um negócio em torno de uma paixão partilhada.

"O nosso dia a dia é bastante movimentado. Temos muitas aulas, Jiu Jitsu, Muay Thai e MMA e temos também aulas para as crianças, Muay Thai e Jiu Jitsu. Neste ginásio, organizámos competições amadoras. Alguns dos meus alunos lutaram aqui. E quando há miúdos de 18 anos que vêm lutar, todos os amigos da escola, por vezes até os professores, vêm assistir. E eles gostam de ver os seus amigos a ganhar e a lutar, e isso atrai cada vez mais pessoas. Só assim podemos fazer crescer o MMA, especialmente no Médio Oriente, porque se trata de um desporto novo. Foi o que aconteceu no Brasil e nos EUA, no início", sublinhou Samuel Carneiro, treinador de MMA, no Qatar.

Nos próximos anos. o streaming deverá ajudar a popularizar vários desportos em todo o mundo. "Estamos a prever um aumento dos efeitos de agregação nos EUA. Metade dos novos  assinantes de streaming já fazem parte de pacotes. Um bom exemplo é, sem dúvida, o pacote Disney ESPN. É o prenúncio de mais casos deste género. Penso que vamos ver mais pacotes com desportos que não serão apenas, por exemplo, desportos americanos, mas certamente desportos mundiais" estimou Ron Westfall, do Futurum Group.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Qatar acolhe edição local do Salão Internacional do Automóvel de Genebra

Setor aeronáutico do Qatar procura um futuro mais verde

Setor da segurança cibernética regista forte crescimento