Porque é que a Ilha de Sado no Japão era conhecida como "a Terra do Ouro"?

Porque é que a Ilha de Sado no Japão era conhecida como "a Terra do Ouro"?
Direitos de autor euronews
De  Paul Hackett
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em 1600, o Japão produziu quase um quinto do ouro do mundo e quase metade veio de Sado. Neste episódio de Focus, a Euronews descobre os encantos desta ilha mítica.

PUBLICIDADE

Localizada a oeste do continente, no Mar do Japão, Sado é a sexta maior ilha do Japão. Este destino fora do comum é conhecido pelos  fabulosos frutos do mar, litoral deslumbrante e templos antigos. No entanto, Sado é mais famosa pelo ouro: Durante o período Edo, sob os governantes do Xogunato do Japão, foram extraídas daqui enormes quantidades de ouro.

Ishikawa Kimiko, da Divisão de Promoção do Património Mundial da Cidade de Sado, disse à Euronews: “Foram extraídas 41 toneladas de ouro das minas de Sado durante o período Edo e diz-se que 20% do ouro do mundo veio do Japão, por volta do início do século XVII. Metade desse ouro japonês foi extraído aqui em Sado.”

Aikawa é uma das minas mais históricas da ilha. Estima-se que os túneis se estendam por 400 km – para colocar isso em perspetiva, trata-se da distância entre Sado e Tóquio.

O governo do Japão nomeou Aikawa e outra das minas de Sado, Nishimikawa, para o estatuto de Património Mundial da UNESCO, numa tentativa de mostrar as técnicas de mineração desenvolvidas aqui entre o final do século XVI e meados do século XIX.

“O importante de Sado é que, embora numa época em que outros países estrangeiros já estavam mecanizados, em Sado uma grande quantidade de ouro de alta qualidade foi extraída por métodos artesanais não mecanizados”, acrescentou Kimiko.

Como destino, Sado pode ser negligenciada a favor de alguns dos locais mais famosos do Japão, mas a cultura única da ilha, a beleza natural e o seu papel histórico na formação das fortunas do Japão fazem dela um dos segredos mais bem guardados do país.

Partilhe esta notícia