EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Como é que a IA vai mudar o mundo do trabalho?

Em parceria com The European Commission
Como é que a IA vai mudar o mundo do trabalho?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Paul Hackett
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vamos analisar o impacto da IA para empresas e trabalhadores em termos de emprego, competências, gestão e recrutamento e a legislação proposta pela Comissão Europeia.

Dívida, inflação, salários e emprego. É complicado perceber o funcionamento da economia. Em cada edição de Real Economy propomos um curso intensivo de um minuto  onde explicamos os principais conceitos e a forma como as políticas públicas reagem à evolução da atualidade e das tendências económicas. 

Clique no vídeo acima para ver o curso intensivo.

No futuro, a IA desempenhará muitas tarefas atualmente realizadas por humanos. 

Certas tarefas ligadas a trabalhos administrativos poderão ser eliminadas. mas, a maioria dos especialistas acredita que a IA irá criar novos empregos.

Numa tentativa inovadora de regulamentar a utilização da Inteligência Artificial na Europa, os Estados-Membros e o Parlamento Europeu chegaram a um acordo preliminar sobre a chamada Lei da IA, a primeira tentativa do mundo de regulamentar a Inteligência Artificial de uma forma abrangente e baseada na ética.

Aumentar a produtividade e eliminar tarefas repetitivas

A tecnologia pode não ter um impacto negativo significativo no número de empregos disponíveis para os seres humanos, mas irá certamente transformar o trabalho, o que pode implicar uma redistribuição do valor económico das pessoas com competências que podem ser substituídas pela tecnologia para as que têm competências que podem ser complementadas pela tecnologia.

A pandemia de COVID-19 pôs em evidência esta tendência. Na UE, os trabalhadores com mais habilitações puderam recorrer ao teletrabalho, enquanto a maioria das perdas de emprego recaiu sobre os trabalhadores com baixos salários e baixas habilitações, aumentando assim as disparidades de rendimento.

Um estudo recente do Fórum Económico Mundial estima que o avanço tecnológico, incluindo a IA, criará 69 milhões de empregos a nível mundial nos próximos cinco anos, mas também eliminará 83 milhões de empregos.

De acordo com um estudo realizado pela Goldman Sachs, a IA poderá provocar um aumento de quase 6,47 biliões de euros no PIB mundial anual durante um período de dez anos.

A rápida transformação tecnológica e as novas tecnologias digitais trazem novas oportunidades de trabalho. Criam novos empregos para as pessoas, alargam o acesso à educação, aumentam a produtividade, melhoram a nossa eficiência e ajudam-nos a realizar tarefas de forma mais eficaz.

De acordo com um estudo realizado pela OCDE, 63% dos trabalhadores que utilizam a IA nos setores financeiro e da indústria transformadora afirmaram que a IA melhorou o prazer no trabalho.

Os trabalhadores terão de se adaptar e melhorar as  competências

A inteligência artificial está a remodelar o conjunto de competências dos trabalhadores. 

Os trabalhadores são cada vez mais obrigados a requalificar-se ou a melhorar as suas competências para utilizarem eficazmente as novas tecnologias no trabalho.

Além disso, os empregadores procuram cada vez mais trabalhadores com conhecimentos tecnológicos que possam facilitar a adoção da IA no local de trabalho.

Assim, embora a IA possa substituir empregos que podem ser substituídos pela tecnologia, os empregadores estão ansiosos por encontrar trabalhadores com competências que possam complementar a tecnologia e especificamente aqueles com capacidades humanas que a tecnologia não pode replicar.

Direitos e Princípios Digitais para a Década Digital

Em dezembro de 2022, as instituições da UE adotaram uma declaração sobre os Direitos e Princípios Digitais para a Década Digital.

A declaração destaca a necessidade de colocar "as pessoas no centro" e contém compromissos explícitos para garantir condições de trabalho justas e equitativas e o direito de adquirir competências digitais básicas e avançadas para todos.

Transparência, responsabilidade e equidade

Os algoritmos alimentados por IA já monitorizam o desempenho dos trabalhadores e poderão ser utilizados no futuro para contratar e despedir pessoal.

A tecnologia desempenha um papel fundamental na remodelação da relação entre empregadores e empregados. Mas pode muitas vezes exacerbar as assimetrias de poder. A chamada "computação afectiva", ou seja, a utilização de algoritmos de gestão no local de trabalho, é uma dessas questões.

A Lei da IA deverá impor um conjunto de regras que as empresas deverão seguir antes de oferecerem os seus serviços aos consumidores em todo o mercado único da UE.

A lei propõe uma estrutura piramidal que divide os produtos baseados em IA em quatro categorias principais, de acordo com o risco potencial que representam para a segurança dos cidadãos e os seus direitos fundamentais.

Há quatro categorias de risco: mínimo, limitado, elevado e inaceitável.

Os sistemas considerados de alto risco englobam as aplicações que têm um impacto direto e potencialmente transformador na vida dos cidadãos.

Este grupo englobará as aplicações que têm um impacto direto e potencialmente transformador na vida dos cidadãos, como o software de triagem de CV para entrevistas de emprego e os programas de classificação de exames nas universidades.

Estas aplicações estarão sujeitas a regras rigorosas que deverão aplicar-se antes da entrada no mercado da União Europeia e durante toda a vida.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Crise de emprego na UE: Candidatos não têm as competências adequadas

Teletrabalho em 2024: deve ganhar-se menos por trabalhar a partir de casa?

Como é que o euro mudou a Europa? Moeda única faz 25 anos