O preço do amor: porque sai tão caro encontrar alguém?

Corações do Dia dos Namorados decoram uma montra na Exchange Street, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024, em Portland, Maine.
Corações do Dia dos Namorados decoram uma montra na Exchange Street, quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024, em Portland, Maine. Direitos de autor Robert F. Bukaty/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Indrabati Lahiri
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Segundo a empresa de serviços financeiros Experian, o jovem solteiro está a contrair, em média, mais de 2.000 libras (2.338 euros) de dívidas.

PUBLICIDADE

A pandemia e a subsequente crise do custo de vida vieram lançar mais luz sobre as áreas de maior despesa para a maioria das pessoas, obrigando-as a uma boa e longa análise do destino dado ao seu dinheiro amealhado com esforço. Para a geração mais jovem do Reino Unido, este facto pode ser particularmente revelador.

Sabia que a média das pessoas com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos no Reino Unido tem uma dívida de cerca de £2.250 (€2.630) devido a encontros e relações, de acordo com um inquérito realizado pela agência de serviços financeiros e de referência de crédito Experian?

Os dados também revelam que os homens têm mais £250 (€292) deste tipo de dívida do que as mulheres, com 5% dos homens inquiridos a afirmarem que têm mais de £10.000 (8.554 euros) de dívidas devido a relações e namoros.

Uma das principais razões para este facto é a imensa pressão e expectativas criadas pelas narrativas das redes sociais, especialmente em torno de ocasiões tradicionalmente românticas como o Dia dos Namorados. Isto inclui escapadelas exóticas, experiências luxuosas e presentes caros - todos dignos do Instagram - entre outras coisas.

De acordo com o inquérito, 59% dos inquiridos acreditam que os meios de comunicação social criaram expectativas de gastos excessivos com datas e parceiros. Cerca de 63% dos inquiridos são também da opinião de que as redes sociais levaram as pessoas a entrar no mundo dos encontros por dinheiro.

Vinte e oito por cento das mulheres revelaram ter dado uma espreitadela nas redes sociais de um potencial par para verificar se os estilos de vida coincidiam. A mesma tendência, no que respeita aos homens, aumentou para cerca de 36%.

Cerca de 16,6%, ou seja, 10,1 milhões de pessoas com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos, já estão a pagar as suas dívidas com atraso ou não as conseguiram saldar na totalidade. Os homens mais jovens são particularmente vulneráveis a esta situação, porque aproveitam ao máximo o crédito de que dispõem.

Em média, os homens com idades compreendidas entre os 18 e os 21 anos utilizaram cerca de 33,4% do crédito de que dispunham, caindo este número para 25,7% no caso dos homens com idades compreendidas entre os 26 e os 30 anos.

A criadora de conteúdos e educadora financeira Megan Mickewright, do The Savvy Investor, conforme relatado no The Big Issue, afirmou: "Estas normas tóxicas a que estamos a assistir nas redes sociais podem aumentar a pressão para gastar muito dinheiro em encontros, especialmente para a geração mais jovem.

"Um dos grandes tópicos nas redes sociais neste momento é sobre encontros e quem deve pagar por eles, e esse é o tipo de coisa que pode fazer com que as pessoas sintam que têm de gastar."

Os encontros estão a tornar-se cada vez mais caros para os solteiros do Reino Unido

De acordo com um inquérito realizado em abril de 2023 pela Novuna Personal Finance, o solteiro médio do Reino Unido gasta uns impressionantes £1.652 (€1.931) em encontros antes de encontrar um parceiro. O número de encontros que as pessoas têm antes de encontrar alguém especial é de cerca de 15.

A maior parte das pessoas gasta cerca de 60 libras (70 euros) por encontro, mas, por vezes, este valor sobe para mais de 100 libras (117 euros) por primeiro encontro, para 13% dos inquiridos. Os homens tendem a gastar um pouco mais, cerca de £68 (€79) por encontro.

No entanto, as despesas anteriores ao encontro, tanto para os homens como para as mulheres, como novos acessórios, roupas e cortes de cabelo, podem acrescentar mais 40 libras (47 euros) à fatura de um encontro.

Cerca de 24% dos inquiridos admitiram que tiveram de reduzir o número de encontros devido ao aumento dos custos, enquanto 52% tiveram de adiar os planos ou reduzir as despesas noutros locais, a fim de poderem poupar para um encontro.

Quase 30% revelaram que deram prioridade à sua vida amorosa atual em detrimento do pagamento das contas a tempo ou das despesas de primeira necessidade.

No entanto, 18% decidiram deixar de namorar por completo, devido aos custos financeiros cada vez mais incomportáveis.

De acordo com o Velloy Dating Index, 66% dos britânicos com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos consideram que os encontros se tornaram demasiado dispendiosos, percentagem que desceu para 45% no caso das pessoas com idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos. Este número desceu ainda mais para 35% no caso das pessoas com mais de 55 anos.

O inquérito revelou que 56% dos londrinos tiveram menos encontros devido à crise do custo de vida. Além disso, 48% dos britânicos não festejaram o Dia dos Namorados este ano, embora não se saiba até que ponto este facto está relacionado com as despesas.

PUBLICIDADE

Então, o que é que se pode fazer?

Conforme relatado pelo The Big Issue, a especialista em relacionamentos Sophie Cress disse: "Pode ser útil abordar o Dia dos Namorados com uma mentalidade diferente, uma que o veja como uma ocasião para celebrar o amor em todas as suas formas".

Em vez de depender apenas de presentes caros ou de passeios extravagantes, dê importância à construção de experiências inesquecíveis em conjunto, que não têm necessariamente de ser caras. Procurem actividades como fazer uma caminhada, assistir a eventos ou festivais próximos ou preparar uma refeição especial em conjunto.

"É uma boa ideia considerar formas alternativas de expressar amor e afeto numa relação. Actos de serviço, como ajudar nas tarefas domésticas, fazer recados um para o outro ou dar apoio emocional em momentos difíceis, podem ser excelentes formas de mostrar carinho e apreço."

O inquérito da Novuna Personal Finance destaca ainda que outras formas de reduzir os custos do namoro passam pela obtenção de descontos através de aplicações, o que cerca de 18% das pessoas fazem, sendo que 17% chegam mesmo a planear horários e datas específicas de saídas para obter descontos, como as happy hours. Outros - 9% - também optam por retirar a taxa de serviço das contas, a fim de poupar um pouco mais.

Discutir abertamente as finanças e certificar-se de que estão na mesma página, independentemente da duração da vossa relação, pode ser outra forma de garantir que não estão a gastar mais do que podem pagar.

PUBLICIDADE

James Jones, diretor de assuntos do consumidor da Experian, afirmou: "Gerir as finanças de forma independente é uma coisa, mas trazer um parceiro para a mistura abre todo um outro mundo de considerações. Tem sido preocupante ver quantos jovens acabaram em dificuldades financeiras devido às suas experiências de namoro e relacionamento, em grande parte devido a pressões externas.

"Sentir-se suficientemente à vontade para discutir temas financeiros deve ser uma das principais prioridades numa relação."

Aviso: Estas informações não constituem aconselhamento financeiro. Faça sempre a sua própria investigação para garantir que são adequadas às suas circunstâncias específicas. Lembre-se também que somos um site de notícias e que o nosso objetivo é fornecer os melhores guias, dicas e conselhos de especialistas. Se confiar nas informações desta página, fá-lo-á inteiramente por sua conta e risco.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biliões do Dia dos Namorados: O caso de amor eterno das empresas com o 14 de fevereiro

Roubar corações, dados e privacidade: porque é que deve ter cuidado com os parceiros de IA

Amor no tempo da IA: Mulher cria um namorado chatbot alimentado por Inteligência Artificial