A tendência do TikTok que pode salvar as suas finanças este ano

Notas falsas de 350 milhões de libras estão penduradas numa "Árvore Mágica do Dinheiro" no exterior das Casas do Parlamento em Londres, terça-feira, 7 de janeiro de 2020
Notas falsas de 350 milhões de libras estão penduradas numa "Árvore Mágica do Dinheiro" no exterior das Casas do Parlamento em Londres, terça-feira, 7 de janeiro de 2020 Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
De  Indrabati Lahiri
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A orçamentação em voz alta poderá ajudar os consumidores a cumprirem os seus objetivos financeiros, aumentando simultaneamente a inclusão financeira e diminuindo os tabus em torno do dinheiro.

PUBLICIDADE

Poupar dinheiro nunca foi uma preocupação tão grande para a maioria das pessoas, com a inflação ainda desconfortavelmente elevada em toda a Europa e o custo dos bens essenciais do quotidiano a aumentar rapidamente.

Esta situação levou a que muitas pessoas tivessem de reduzir os luxos e as despesas não essenciais, como beber e comer fora, fazer compras, viajar e ir a consultas de cuidados pessoais.

No entanto, a pressão social para fazer estas coisas pode ainda estar presente em muitos casos, especialmente com os meios de comunicação social a fazerem parecer que toda a gente que conhecemos está a viver a sua melhor vida. Também pode ser desconfortável e embaraçoso recusar encontros sociais e outras atividades com amigos e familiares para  não se gastar.

Entre na mais recente tendência do TikTok: o orçamento em voz alta, que afirma permitir-lhe recuperar o controlo das suas finanças.

Criado pelo comediante e escritor Lukas Battle, o orçamento em voz alta tomou de assalto o TikTok e outras plataformas de redes sociais no início deste ano. Trata-se de ser vocal, aberto e claro sobre o facto de ter o dinheiro, mas não o querer gastar.

Desta forma, as pessoas não só conseguem diminuir os tabus em torno da discussão das finanças, como também estabelecem objetivos e limites firmes para si próprias.

"Ser autêntico e ter limites em relação à forma como gastamos o nosso dinheiro, juntamente com a capacidade de comunicar essa mensagem ao mundo que nos rodeia, leva-nos a poupar mais dinheiro e a pagar mais dívidas", afirmou Alaina Fingal, proprietária do sítio Web de orçamentação The Organised Money, segundo a CNET Money.

No entanto, não se trata de deixar de sair ou de rejeitar todos os convites sociais. Pelo contrário, trata-se de dar prioridade aos que realmente quer aceitar, em vez daqueles a que se sente pressionado a dizer sim.

"Há muita pressão para gastar, especialmente quando vemos tantos produtos a serem publicitados a toda a hora, ou estilos de vida que não são muito atingíveis", disse Battle à CNBC.

"Vamos enviar uma mensagem às empresas sobre o nível de inflação nacional. Vamos tomar uma posição. Não se trata de "não tenho o suficiente". É 'Eu não quero gastar'".

Porque é que deve experimentar o loud budgeting?

A orçamentação em voz alta dá ênfase à partilha de objetivos e esperanças financeiras abertamente e sem hesitações com as pessoas da sua vida. De certa forma, isto também lhe permite libertar-se das expectativas sociais em relação às finanças e ao estilo de vida e dar prioridade aos seus próprios objetivos e necessidades.

Assim, quando alguém recusa um compromisso social, pode dar a razão exata porque está a optar por poupar esse dinheiro e em que é que o prefere gastar.

Podem ser objetivos mais pequenos, como poupar para uma ocasião ou artigo especial, ou maiores, como uma casa ou umas férias de luxo. Também pode ser dar prioridade a outros pagamentos mais importantes ou urgentes, como hipotecas, empréstimos a estudantes e outros tipos de dívidas.

Ao fazê-lo, também incentiva um sentido de comunidade financeira e de inclusão, partilhando e reconhecendo que a maioria das pessoas tem dívidas, está a lutar com o custo de vida ou prefere manter um orçamento por uma série de razões. Desta forma, também se reduz o isolamento social e o medo de ficar de fora (FOMO).

Além disso, esta prática de ser mais aberto em relação às finanças como sociedade e comunidade também pode levar a objetivos mais partilhados, bem como a dicas e planos para os alcançar. As pessoas podem também sentir-se mais apoiadas pelos amigos e pela família e, ao mesmo tempo, mais responsáveis perante si próprias, o que aumenta a probabilidade de cumprirem o seu orçamento.

No TikTok, influenciadores como Jenny Park (@mohaewithjennypark) e Shanna Miller (@shannatravels) são apenas alguns dos que partilham as suas dicas de orçamento, que incluem a maximização das poupanças para a reforma e destinos de viagem duplos - supostamente destinos duplicados com orçamentos mais baixos e menos concorridos.

Dicas para praticar o orçamento em voz alta

A orçamentação ruidosa pode ajudá-lo a gerir tudo, desde o pagamento de empréstimos a estudantes até ao pagamento dos impostos e das faturas do cartão de crédito. Como tal, existem várias formas de o praticar, tais como sugerir um encontro com amigos para um café ou uma refeição sem álcool, para poupar dinheiro em bebidas.

Muitas pessoas também optam por encontros mais económicos que não envolvam restaurantes caros, como piqueniques ou um passeio no parque. Os dupes de destinos de viagem são outra forma muito popular de as pessoas continuarem a desfrutar das viagens, mas sem gastar tanto em locais turísticos.

PUBLICIDADE

No que diz respeito às famílias, a orçamentação ruidosa pode ser praticada numa fase precoce, instalando hábitos e valores financeiros saudáveis nas crianças desde tenra idade. A definição de objetivos claros de poupança, tanto a nível individual como familiar, também pode ajudar, assim como a documentação das despesas num caderno ou numa aplicação, para controlar as despesas.

Levar o seu próprio almoço para o trabalho, comprar marcas de supermercado ou planear saídas em torno de happy hours podem ser pequenas formas de atingir os seus objetivos financeiros.

No entanto, é importante não se privar demasiado de ocasiões sociais, o que pode levar ao isolamento e à falta de motivação, e pode mesmo fazer com que deixe de ser um bom candidato.

Também é importante evitar partilhar em demasia detalhes das suas finanças pessoais, tais como quanto ganha ou quanto tem em poupanças. Da mesma forma, tente não se comparar com os objetivos e progressos de outras pessoas.

Como é que as redes sociais podem prejudicar as suas finanças?

De acordo com um estudo da empresa de finanças pessoais SoFi, realizado com 1.000 pessoas, 74% dos inquiridos revelaram que compraram algo que viram no Instagram, TikTok ou Facebook em 2022. Este foi um salto em relação a apenas 40% das pessoas em 2017.

PUBLICIDADE

Além disso, 56% das pessoas admitiram que mais de metade das suas compras online foram impulsivas, com os millennials a serem o grupo de compras mais impulsivo no que diz respeito a compras online.

Por outro lado, 12% dos inquiridos da Geração Z afirmaram que nunca compram algo impulsivamente em linha, ao passo que 10% dos "boomers" disseram o mesmo.

Os meios de comunicação social podem ser muito úteis na sua jornada de orçamentação ruidosa, especialmente através de vários desafios, como o de "comer em casa", que reduz as faturas caras dos restaurantes.

Outros desafios e dicas de poupança, como o desafio das 52 semanas - em que se poupa um euro na primeira semana e, cumulativamente, acrescenta-se outro euro todas as semanas durante o resto do ano - ou o "cash stuffing" - em que se põe de parte dinheiro em envelopes para diferentes categorias de despesas - também são partilhados livremente.

No entanto, em muitos casos, as redes sociais podem ser a razão pela qual as finanças das pessoas foram esticadas até ao ponto de rutura, levando a orçamentos mais apertados. Por vezes, traçar um limite em torno das finanças, através de um orçamento ruidoso, pode também parecer a única opção que resta, depois de se gastar demasiado online.

PUBLICIDADE

"Ao abrir o Instagram e ver rotineiramente fotos daquele amigo que viaja para a Europa todos os meses, ou jantares quase diários em restaurantes no centro da cidade a 100 dólares (91,81 euros) por pessoa, pode tornar-se fácil sentir que fazer o oposto, colocando mais em poupanças para umas únicas férias anuais, não é realmente 'viver'", disse Yuval Shuminer, o CEO da aplicação de orçamento Piere, à CNBC.

Este sentimento de inadequação e o medo de ficar de fora também se agravou com as tendências de estilo de vida, como o luxo silencioso, ou produtos virais, como os copos Stanley. A influência dos meios de comunicação social pode também estender-se a ditar o tipo de mobiliário, decoração da casa, férias ou vestuário que se deve ter.

Devido ao facto de esta influência afetar tantos aspetos diferentes das nossas vidas, pode ser muito mais difícil saber onde traçar o limite.

No entanto, em última análise, tudo se resume a fazer sacrifícios hoje para um amanhã melhor, algo a que os millennials e a Geração Z parecem estar a aderir hoje em dia.

Isto também levou a uma mudança de paradigma no conteúdo de finanças pessoais mais popular nos últimos anos, que consiste em dicas para poupar dinheiro e fazer um orçamento, em vez de como ganhar dinheiro rápido.

PUBLICIDADE

Aviso: Esta informação não constitui um aconselhamento financeiro. Faça sempre a sua própria pesquisa para garantir que é adequada às suas circunstâncias específicas. Lembre-se também que somos um site jornalístico e que o nosso objetivo é fornecer os melhores guias, dicas e conselhos de especialistas. Se confiar nas informações desta página, fá-lo-á inteiramente por sua conta e risco.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Em que países europeus é que os preços dos imóveis mais aumentaram desde 2015?

Imposto sobre as sucessões na Europa: como variam as regras, as taxas e as receitas?

Como é que o ataque do Irão a Israel poderá ter impacto nas mercadorias?