Enquanto Putin orquestra a sua reeleição, uma economia russa resiliente será um fator decisivo

O Presidente russo, Vladimir Putin, gesticula durante uma conferência de imprensa após uma reunião do Conselho de Estado no Kremlin, em Moscovo, Rússia, a 22 de dezembro de 2022.
O Presidente russo, Vladimir Putin, gesticula durante uma conferência de imprensa após uma reunião do Conselho de Estado no Kremlin, em Moscovo, Rússia, a 22 de dezembro de 2022. Direitos de autor Sergey Guneyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP, File
Direitos de autor Sergey Guneyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP, File
De  David McHugh and Vladimir Isachenkov, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

"Para a maioria dos russos, que optam por ignorar a guerra, a economia é realmente o maior problema", disse à euronews Janis Kluge, especialista em economia russa.

PUBLICIDADE

Os russos estão a descobrir que alguns produtos básicos importados, como a fruta, o café e o azeite, subiram muito de preço. A maior parte das marcas globais desapareceram ou reencarnaram como equivalentes russas sob nova direção, favorável ao Kremlin. Há muito mais carros chineses a circular nas ruas. Quem quiser um determinado cosmético de luxo pode não conseguir obtê-lo.

Para além disso, não houve grandes mudanças económicas para a maioria das pessoas na Rússia do Presidente Vladimir Putin, mais de dois anos depois de ter enviado tropas para a Ucrânia, apesar das sanções generalizadas que cortaram grande parte do comércio da Rússia com a Europa, os EUA e os seus aliados.

Esta sensação de estabilidade é um trunfo fundamental para Putin, que está a orquestrar a sua vitória nas eleições presidenciais de 15-17 de março para um quinto mandato de seis anos.

A inflação é mais elevada do que a maioria das pessoas gostaria, superior a 7% e acima do objetivo do banco central de 4%. Mas o desemprego é baixo e a economia deverá crescer 2,6% este ano, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, o dobro da previsão anterior. Este valor é muito superior à expansão de 0,9% prevista para a Europa.

"É claro que há dificuldades relacionadas com a situação geral do mundo", disse Andrei Fedotov, 55 anos, que passeava pela avenida comercial central Tverskaya Street, a poucos quarteirões do Kremlin. "Sabemos isso muito bem, mas acredito que os vamos ultrapassar".

Os preços mais altos "incomodam-me, claro, como qualquer consumidor, vejo os preços a subir", disse Fedotov, que trabalha na área da educação. "Está relacionado com os tempos que vivemos e que vão passar."

A gestora de marcas Irina Novikova, 39 anos, estava otimista, apesar dos preços mais elevados nas lojas: "Apareceram mais produtos nacionais, mais produtos agrícolas. Sim, todos nós vemos que alguns produtos desapareceram".

"Os preços subiram. Se costumava comprar três artigos por um determinado preço, agora compro um", disse Irina Novikova, mas acrescentou: "Procurem produtos russos, lojas com produtos russos".

"A indústria pode ter sofrido, sabemos que houve alguns contratempos a esse respeito, mas, mais uma vez, estamos a adaptar-nos e a reorientar o nosso pensamento, e estamos a começar a olhar para os nossos amigos chineses", disse Novikova.

A economia russa está a aguentar-se

A enorme despesa russa em equipamento militar e os avultados pagamentos aos soldados voluntários estão a dar um forte impulso à economia. Os empréstimos hipotecários subsidiados pelo governo estão a apoiar os compradores de apartamentos, dando um forte impulso ao sector da construção em expansão, como o demonstram vários empreendimentos gigantescos de arranha-céus que estão a ser construídos nas margens do rio Moscovo.

A inflação incomoda, mas também não é novidade. A Rússia tornou-se mais autossuficiente na produção dos seus próprios alimentos depois de 2014, quando tomou a península ucraniana da Crimeia e as consequentes sanções ocidentais levaram o governo a proibir uma vasta gama de importações de alimentos da Europa.

A despesa pública planeada para este ano é aproximadamente o dobro da de 2018. No entanto, o défice continua a ser controlável, uma vez que os impostos e as receitas do petróleo continuam a entrar.

As chamadas importações paralelas através de países terceiros, como a Geórgia, o Cazaquistão ou o Uzbequistão, permitiram que os russos com dinheiro continuassem a comprar produtos ocidentais - desde sapatilhas a telemóveis e automóveis - a empresas que já não têm negócios na Rússia, normalmente por um preço bastante elevado.

Um SUV da BMW continua a estar facilmente disponível, embora ao dobro do preço na Alemanha. A IKEA fechou as suas 17 lojas na Rússia, mas os seus móveis e artigos para a casa podem ser comprados online embora não ao mesmo preço.

As pessoas fazem fila para visitar um restaurante recém-inaugurado num antigo McDonald's na rua Bolshaya Bronnaya em Moscovo, Rússia, quarta-feira, 25 de janeiro de 2023.
As pessoas fazem fila para visitar um restaurante recém-inaugurado num antigo McDonald's na rua Bolshaya Bronnaya em Moscovo, Rússia, quarta-feira, 25 de janeiro de 2023.Alexander Zemlianichenko/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

A Apple saiu, mas um iPhone 15 Pro Max com 512 gigabytes é vendido pelo equivalente em rublos a 1.950 dólares (1.783 euros) no site de retalho russo Wildberries, mais ou menos o mesmo preço do telemóvel na Alemanha.

Não é que não haja tensões na economia. As empresas enfrentam escassez de mão de obra depois de centenas de milhares de homens terem deixado o país após o início dos combates na Ucrânia para evitar a mobilização, e centenas de milhares de outros terem assinado contratos militares.

Entretanto, as exportações de petróleo da Rússia deslocaram-se da Europa para a China e a Índia devido aos boicotes dos aliados da Ucrânia. Para evitar as sanções e a imposição de um preço máximo para os carregamentos de petróleo, a Rússia teve de desembolsar milhares de milhões para comprar uma frota-sombra de petroleiros envelhecidos que não utilizam seguradoras ocidentais que têm de honrar o preço máximo. A Rússia também perdeu o seu lucrativo mercado de gás natural na Europa, depois de ter cortado a maior parte do seu abastecimento por gasoduto.

A indústria automóvel foi dizimada após a retirada de proprietários estrangeiros como a Renault, a Volkswagen e a Mercedes. A China substituiu a União Europeia como principal parceiro comercial da Rússia e os veículos chineses conquistaram rapidamente metade do mercado automóvel no ano passado, de acordo com a Ward's Intelligence.

PUBLICIDADE

Muitas empresas estrangeiras também abandonaram o país ou venderam as suas actividades a parceiros locais a preços reduzidos. Outras, incluindo a cervejeira dinamarquesa Carlsberg e a empresa alimentar francesa Danone, viram as suas atividades na Rússia serem confiscadas pelo governo.

"A economia desempenha um papel muito importante em todas as eleições de Putin", disse Janis Kluge, especialista em economia russa no Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança. "Para a maioria dos russos, que optam por ignorar a guerra, a economia é realmente a maior questão."

O que importa é a inflação e esta é uma questão em que o regime fez efetivamente alguma preparação.
Janis Kluge
Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança

A estabilidade económica "é um sinal que Putin pode usar perante as outras elites de que ainda é capaz de mobilizar as massas. E, para isso, tem de ser genuína e não apenas um número manipulado", disse Kluge.

"Por isso, é importante que exista um apoio genuíno, mesmo que não haja qualquer hipótese de os eleitores mudarem quem está no poder.

O produto interno bruto, a produção total de bens e serviços da economia, continua a ser "um número abstrato" para as pessoas comuns, e a taxa de câmbio do rublo é menos simbólica do que costumava ser porque a maioria das pessoas não pode viajar e há menos bens importados para comprar, disse Kluge.

PUBLICIDADE

"O que importa é a inflação", disse ele. "E esta é uma questão em que o regime fez alguma preparação."

O banco central tem estado a combater os picos de preços aumentando as taxas de juro para 16%. O governo tem apoiado a moeda russa, exigindo aos exportadores que troquem as receitas estrangeiras, como as do petróleo, por rublos, mantendo baixos os preços das restantes importações.

Além disso, uma proibição de seis meses de exportação de gasolina a partir de 1 de março ajudará a manter os preços dos combustíveis baixos na Rússia.

O governo também tem estado a oferecer hipotecas de apartamentos a taxas de juro drasticamente subsidiadas - uma medida que aumenta a sensação de prosperidade pessoal das pessoas, mas que acabará por fazer recair sobre o governo uma grande fatura.

O petróleo continua a ser a galinha dos ovos de ouro

Kluge afirmou que o fator-chave é a capacidade da Rússia para continuar a exportar petróleo e gás natural para novos clientes na Ásia. Enquanto o preço do petróleo se mantiver, a Rússia pode manter seu alto nível de gastos com os programas militares e sociais "indefinidamente", disse Kluge.

PUBLICIDADE

A Rússia obteve cerca de 15,6 mil milhões de dólares em receitas de exportação de petróleo em janeiro, de acordo com o rastreador de petróleo russo da Escola de Economia de Kiev. Isto equivale a cerca de 500 milhões de dólares por dia.

A longo prazo, as perspetivas da economia são menos seguras. A falta de investimento estrangeiro limitará as novas tecnologias e a produtividade. A generosidade do governo pode um dia exceder a capacidade do banco central para gerir a inflação. A questão de saber até que ponto as políticas generosas continuarão após as eleições depende de Putin.

O principal risco para a estabilidade atual é uma queda acentuada do preço do petróleo, que está agora a ser negociado a cerca de 70 dólares por barril da mistura russa dos Urais. Graças, em parte, às sanções e aos boicotes, este valor representa um desconto em relação aos cerca de 83 dólares do crude Brent, a referência internacional.

Mas, para já, as finanças do Estado são mais sólidas do que muitos esperavam.

"Não tenho boas notícias" para as pessoas que esperam que a economia russa entre em colapso "amanhã" devido às sanções, escreveu Alexandra Prokopenko, antiga funcionária do banco central russo, no X, antigo Twitter. "É um animal grande e resistente".

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que fazer em caso de terramoto?

Alterações climáticas: calor encurta época de neve e reajusta negócio das estâncias de esqui

Bruxelas recomenda conversações de adesão à UE com a Bósnia-Herzegovina