EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

NATO inicia investimento de mil milhões de euros em tecnologia de defesa de IA, espaço e robótica

Um homem caminha no átrio da sede da NATO, quarta-feira, 16 de novembro de 2022, em Bruxelas.
Um homem caminha no átrio da sede da NATO, quarta-feira, 16 de novembro de 2022, em Bruxelas. Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2022 The AP.
Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2022 The AP.
De  Pascale Davies
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) anunciou que vai investir em quatro empresas europeias de tecnologia.

PUBLICIDADE

O investimento na tecnologia de defesa da Europa está a intensificar-se depois de a NATO ter confirmado, na terça-feira, os seus primeiros investimentos em tecnologia no âmbito de um fundo de mil milhões de euros que visa enfrentar os desafios atuais de defesa, segurança e resiliência.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte anunciou a criação do fundo em 2022, após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O Fundo de Inovação da NATO combina compradores governamentais de tecnologias com empresas em fase de arranque para desenvolver tecnologias de defesa.

As primeiras empresas a receber o investimento são europeias e incluem a ARX Robotics da Alemanha, que concebe robôs não tripulados, e três empresas em fase de arranque no Reino Unido.

A empresa londrina de fabrico de chips para computadores Fractile recebeu fundos, bem como a iComat, sediada em Bristol, e a Space Forge, uma empresa galesa em fase de arranque que fabrica novos materiais espaciais.

O fundo investiu igualmente em quatro fundos de capital de risco que se dedicam à tecnologia profunda: Join Capital, Vsquared Ventures, OTB Ventures e Alpine Space Ventures. Ao contrário da maioria dos fundos de capital de risco, que investem ao longo de 10 anos, o fundo da NATO investirá ao longo de 15 anos.

A NATO afirmou que também está a fazer investimentos para impulsionar centros de deep tech (tecnologia profunda) em regiões onde o capital para empresas em fase de arranque é muito procurado para promover a soberania tecnológica da Aliança.

"Com estes investimentos, o Fundo está agora a começar a fazer uma diferença tangível nos nossos ecossistemas de inovação, proporcionando oportunidades de crescimento às mais promissoras empresas de defesa e de dupla utilização que desenvolvem soluções para manter a vantagem tecnológica da Aliança", disse David van Weel, Secretário-Geral Adjunto para a Inovação, Híbrido e Cibernético, em comunicado.

Em 2022, Van Weel disse à Euronews Next que o principal desafio da NATO é colmatar o fosso de comunicação com os inovadores, uma vez que os militares nem sempre estão a par das últimas tecnologias de defesa e muitos inovadores não conhecem as necessidades dos militares.

A outra questão é que "as organizações de defesa e os governos, em geral, não são conhecidos por terem processos de aquisição rápidos", afirmou o responsável.

"O nosso desafio é realmente garantir que temos uma forma viável e ágil de comunicar com os inovadores e de introduzir novas tecnologias a uma velocidade relevante", acrescentou Van Weel.

O fundo visa ajudar a promover a inovação em novos materiais e fabrico, inteligência artificial (IA) e robótica.

A NATO afirmou que também está a fazer investimentos para desenvolver centros de tecnologia profunda em regiões onde há uma grande procura de capital para empresas em fase de arranque, a fim de promover a soberania tecnológica da Aliança.

O Fundo de Inovação da NATO é apoiado por 24 dos 32 Estados membros da NATO.

Os Estados Unidos, o Canadá e a França são alguns dos membros que não concordaram em apoiá-lo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stoltenberg diz que 23 países da NATO vão atingir limite mínimo de despesa militar

NATO apresenta estratégia de defesa não vista desde a Guerra Fria

NATO: novo plano de ajuda à Ucrânia