EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eleições Francesas: vitória da esquerda provoca queda do euro

O político de extrema-esquerda Jean-Luc Melenchon participa numa manifestação na quinta-feira, 6 de abril de 2023, em Paris.
O político de extrema-esquerda Jean-Luc Melenchon participa numa manifestação na quinta-feira, 6 de abril de 2023, em Paris. Direitos de autor AP/Christophe Ena
Direitos de autor AP/Christophe Ena
De  Eleanor Butler
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma vitória inesperada da Nova Frente Popular, de esquerda, provoca a queda do euro, uma vez que os mercados receiam um aumento da despesa

PUBLICIDADE

O euro caiu 0,3% nas primeiras horas das negociações asiáticas de domingo, depois de o partido francês Nova Frente Popular ter saído vitorioso nas eleições legislativas do país.

Embora os mercados tenham recuperado recentemente com a convicção de que o Rassemblement National (RN) de direita não iria obter uma maioria absoluta em França, a incerteza do mercado parece estar de regresso.

Após a viotação de domingo, prevê-se que o RN de extrema-direita obtenha apenas 138 a 145 lugares. Contudo, os investidores têm agora novos rostos com que se preocupar.

"Parece que os partidos de extrema-direita obtiveram realmente muito apoio", disse Simon Harvey, diretor de análise cambial da Monex Europe, citado pela Reuters.

"Mas, fundamentalmente, de uma perspetiva de mercado, não há diferença em termos de resultado. Vai haver realmente um vazio no que diz respeito à capacidade legislativa da França".

Os mercados não gostam de incerteza e a cena política francesa está atualmente longe de ser estável.

Com a probabilidade de um Parlamento suspenso e pouca clareza quanto à forma de coligação possível, parece provável alguma forma de governo minoritário ou de coabitação (em que o poder é partilhado entre o primeiro-ministro e o presidente).

Isto poderia resultar num impasse legislativo.

Para além disso, a aliança de esquerda Nova Frente Popular (NFP) não é conhecida pela sua prudência fiscal.

O líder Jean-Luc Mélenchon já havia afirmado que poderiam ser emitidos decretos para revogar a reforma das pensões de Macron e aumentar o salário mínimo francês.

O grupo também quer implementar um aumento salarial de 10% para os funcionários públicos, aumentar os subsídios à habitação em 10% e contratar mais professores e profissionais de saúde.

As medidas adicionais implicarão um aumento progressivo da despesa pública em 150 mil milhões de euros. O partido diz que isso será financiado por mais impostos para os ricos.

A hipótese da coligação nas despesas do Estado assustou os mercados, sobretudo tendo em conta a atual situação das finanças francesas.

No entanto, o partido de Mélenchon, França Insubmissa, representa apenas uma parte - embora a maior - do NFP. Resta saber se a aliança se manterá unida, depois de ter efetivamente empurrado o Rassemblement National (RN) para o terceiro lugar nas eleições. Além disso, qualquer tentativa de formar um governo poderá não incluir o França Insubmissa.

Em março, França foi manchete ao anunciar os números do défice para 2023, com as contas públicas a mostrarem um défice fiscal de 5,5% da produção económica.

PUBLICIDADE

Este valor representa um aumento em relação aos 4,8% do ano anterior e é significativamente superior ao objetivo do governo de 4,9%.

O governo de Macron tinha-se comprometido a reduzir o défice para menos de 3% da produção nacional até 2027, o que permitiria cumprir os objectivos da UE.

Alexandre Ouizille, da Nova Frente Popular, disse antes da votação de domingo que o seu partido não iria aumentar o défice. "Não o vamos reduzir", acrescentou.

A negociação das obrigações e acções francesas tem início, tem início esta segunda-feira de manhã de segunda-feira na Europa.

PUBLICIDADE

Os investidores vão acompanhar de perto a evolução da situação em Paris para avaliar como esta nova era política poderá afetar a estabilidade fiscal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova Frente Popular "está pronta para governar", diz Mélenchon

Mapa interativo com os resultados da segunda volta das eleições em França

Esquerda bate extrema-direita, primeiro-ministro francês demite-se. E agora?