EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Três homens de cabeça perdida em Monte Carlo

Em parceria com
Três homens de cabeça perdida em Monte Carlo
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Três homens perdem a cabeça por Elvira: o barítono, o baixo e o tenor Ernani. Composto por Verdi em 1844, este melodrama é baseada em Hernani de Victor Hugo. Foi recentemente encenado na casa de ópera de Monte-Carlo, onde terminou a temporada de forma triunfante.

O diretor de cena, Jean-Louis Grinda explica a essência de Ernani: “É o herói romântico, sozinho e para sempre renegado. É uma espécie de psicopata desesperado que acredita na honra acima de tudo, simplesmente porque não tem mais nada a que se agarrar. É uma espécie de perdedor glorioso, um homem atormentado… Hoje seria simplesmente apelidado de falhado”.

Explica também o significado do uso dos espelhos:“Porque refletem uma imagem conturbada e pouco nítida… Perguntamo-nos se o que vemos é verdade. Se será apenas um reflexo ou será mesmo realidade. É possível analisar profundamente uma ópera através do espelho. Para além disso, gosto da ideia de deixar algum espaço para o indefinido, para o incerto… Tentei não trair a versão de Verdi e ainda assim apresentar uma visão diferente. A Visão… O espelho… Creio que estas ideias funcionam bem juntas!”

A inesperada catástrofe final atinge toda a gente menos o rei, mais tarde coroado imperador Charles V. Verdi reservou talvez a cena mais grandiosa para este barítono.

A Orquestra e os cantores foram magistralmente conduzidos por Daniele Callegari: “Canto durante toda a ópera… Juntamente com os cantores e quando perdem o contacto comigo, porque têm de virar costas, ou porque há algum pequeno problema… No momento em que me enfrentam novamente… Os olhos procuram a minha boca e o contacto é restabelecido…Também faço de ponto!”

“Em Hugo e Verdi muitas vezes há um golpe de teatro no final, um golpe no fim de uma ópera é um dos prazeres deste género… O mais maravilhoso é que o público sabe que vai acontecer mas, mesmo sabendo, fica feliz que aconteça, porque adora ser surpreendido… Por aquilo que já sabe!”, conclui Jean-Louis Grinda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talentoso jovem maestro ganha Prémio Herbert von Karajan

Prémio Herbert von Karajan para Jovens Maestros: uma experiência emocionante

"Champion", a vida do pugilista Emile Griffith numa ópera-jazz