"Alephia 2053" conquista o mundo árabe

"Alephia 2053" conquista o mundo árabe
Direitos de autor Alephia
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O filme de animação "Alephia 2053", do libanês, Rabi Sweidan, alcançou já oito milhões de visualizações no Youtube, desde o lançamento a 21 de março

PUBLICIDADE

É uma espécie de revolução no mundo do cinema e da animação árabe.

Alephia 2053 é um filme distópico do Médio Oriente daqui a três décadas, o primeiro que ousa imaginar a queda de um regime autoritário.

Um filme que encontrou um eco instantâneo no mundo árabe desde o seu lançamento no Youtube, a 21 de março.

O cineasta libanês, Rabi Sweidan, foi o produtor e realizador e explica a ideia: "Não existe nada sobre o futuro, nunca ninguém fala sobre o que poderá ser. E essa foi a ideia. Foi do tipo: "não seria bom desenvolvermos algo que não fale de um passado improvável, mas, talvez, que fale de um futuro plausível?". Foi assim que toda a ideia começou. Tudo gira à volta do questionamento: para onde vamos? Como seria o amanhã?".

A principal influência de Sweidan é Alan Moore, o visionário autor britânico de The Watchmen e também The Matrix e as suas realidades alternativas. Mas Sweidan diz que Alephia 2053 é "um filme de ficção, mas baseado na realidade". Um filme que vê como uma proeza.

"Ter alcançado o que alcançámos, apesar do caos que nos rodeia, apesar da instabilidade e do macro ambiente que se vive atualmente no Médio Oriente, creio que ter conseguido isso é, por si só, algo de que nos devemos orgulhar e de que a equipa se deve orgulhar", afirma.

Surgido uma década após as revoltas da Primavera Árabe, o thriller libanês já conquistou mais de oito milhões de visualizações no Youtube.

O enredo, ambientado em 2053 no estado fictício árabe de Alephia, segue um grupo de agentes infiltrados que conspiram para derrubar o governante hereditário, Alaa Ibn Ismail, e o seu regime autocrático, descrito como o mais tirânico do mundo. Através de uma meticulosa operação liderada por agentes que se infiltraram nas primeiras fileiras do regime, a "resistência" consegue derrubar o ditador num golpe e pôr fim a um século de regime autocrático.

Eles são animados por multidões que tomam as ruas cantando o agora famoso refrão árabe da Primavera - "o povo exige a queda do regime" - face às forças de segurança fortemente armadas que respondem com fogo vivo. O filme encerra com uma cena familiar: os punhos são atirados para o ar enquanto uma multidão eufórica puxa para baixo a estátua do ditador caído com cordas.

Sweidan diz que Alephia 2053 não se inspira em nenhum país árabe, mas retrata condições familiares a muitos em todo o mundo.

"A ideia para o filme surgiu de uma pergunta: Como será o mundo árabe daqui a 20 ou 30 anos?" De acordo com a visão de Sweidan, o futuro é mais promissor. O filme tenta expressar isto através da classificação por cores: as cenas de encerramento incorporam um gradiente mais vivo do que o esquema escuro e poeirento que domina o primeiro pedaço do filme, diz Sweidan.

O crítico de cinema libanês, Elias Doummar, chamou-lhe "um marco na animação árabe".

A animação, dirigida e ilustrada por Jorj Abou Mhaya, é produzida pela empresa Lebanon's Spring Entertainment. "Mais de 70% do trabalho teve lugar no Líbano e foi realizado por libaneses", diz Sweidan, embora também tenha recebido apoio do estúdio de animação Malil'Art, em Angouleme, França.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica

Realizador alemão Wim Wenders recebe Prémio Lumière em Lyon