Benjamin Bernheim canta as dores do amor em Salzburgo

Em parceria com
Benjamin Bernheim canta as dores do amor em Salzburgo
Direitos de autor euronews
De  Andrea Buringeuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O tenor francês cantou o "Poema do amor e do mar”, uma composição para voz e orquestra de Ernest Chausson (1855-1899).

O recital de Benjamin Bernheim foi um dos destaques da edição 2021 do Festival de Salzburgo.

No festival austríaco dedicado à música clássica, o tenor francês cantou obras alemãs, inglesas e francesas, nomeadamente, O Poema do amor e do mar, uma composição para voz e orquestra de Ernest Chausson (1855-1899), uma das obras favoritas de Benjamin Bernheim.

“Com esta obra, Chausson permite-nos viver as etapas dos amores da vida. Permite-nos fazer uma viagem pela história da vida, pelas histórias de amor, a começar pelo início, pela criação, pela descoberta, até o fim. É muito poderoso”, disse à euronews o tenor francês.

O elogio do romantismo: nem tudo são rosas

No recital em Salzburgo, Benjamin Bernheim foi acompanhado pelo pianista francês Mathieu Pordoy.

“Pode parecer antiquado no mundo moderno e contemporâneo parar para pensarmos em nós e nos nossos sentimentos. É um elemento íntrinseco do romantismo. É algo a que as pessoas se podem identificar”, considerou Mathieu Pordoy, o pianista que acompanhou o cantor francês durante o recital. 

"O Romantismo pode ser visto como um mundo cor-de-rosa mas também fala das coisas que nos magoam, não apenas do lado bonito e florido, não é só isso, contamos também a dor do romantismo sublinhou Bernheim.

euronews
Durante o recital, Benjamin Bernheim foi acompanhado pelo pianista francês Mathieu Pordoyeuronews

O intimismo dos recitais: o pianista e o cantor

Os recitais são um grande desafio para os artistas. Exigem um clima intimista e um laço forte entre o cantor, o pianista e o público. "É a coisa mais difícil ficar de pé diante da plateia a contar histórias, sem estar protegido pela orquestra, pelo cenário e pelos adereços", sublinhou o pianista francês.

“É enorme o que o pianista que nos acompanha tem que fazer. Nós e eles ficamos expostos de uma forma que pode ser muito assustadora. Mas não temos medo", acrescentou Bernheim.

“Salzburgo é um sítio onde se respira música o ano inteiro. É um lugar onde podemos sentir as vibrações das melodias, onde quer que estejamos. Há algo em Salzburgo que nós dá, ao cantores, aos artistas, uma espécie de legitimidade”, concluiu o tenor francês.

O festival de Salzburgo começou a 26 de agosto e termina a 12 de setembro de 2021.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Uma acústica perfeita para Jonas Kaufmann na Acrópole de Atenas

A encenação cinematográfica da ópera "Fausto" de Gounod

Talentoso jovem maestro ganha Prémio Herbert von Karajan