This content is not available in your region

A história de sucesso da lendária Filarmónica de Viena

euronews_icons_loading
A história de sucesso da lendária Filarmónica de Viena
Direitos de autor  euronews
De  Katharina Rabillon  & euronews

Muitos ensaios, apresentações no Musikverein e na Ópera de Viena, com aulas pelo meio e depois partidas em digressão: Os músicos da Filarmónica de Viena dedicaram as suas vidas à música. Cheios de paixão, prosseguem a grande tradição e mantêm a excelência desta orquestra mundialmente famosa.

É realmente o momento especial, estamos nos bastidores, depois a porta abre-se e imediatamente estabelece-se a ligação com o público.
Daniel Froschauer
Em digressão, estamos sempre curiosos sobre o ambiente na sala. A acústica é sempre diferente.
Anneleen Lenaerts
Aquele momento em que se entra é como entrar na arena para um atleta - é muito especial.
Karin Bonelli

Os músicos da lendária Filarmónica de Viena dedicaram as suas vidas à música.  Apresentam mais de 300 óperas e 100 concertos sinfónicos por ano, partilhando a sua arte e paixão com audiências de todo o mundo. 

Os dias nunca são iguais, mas isso torna-os extremamente emocionantes, porque depois nunca se tem realmente uma rotina.
Anneleen Lenaerts
Harpista Principal, Filarmónica de Viena

"A harpa tem de viajar como carga e só a vejo uma hora antes do início do concerto, quando alguns dos meus outros colegas podem simplesmente praticar no quarto de hotel, entrar no ritmo das coisas. Nós nunca podemos fazer isso. E isso torna-se por vezes muito difícil em digressão. É como o desporto, devíamos treinar todos os dias, continua Anneleen Lenaerts. "Foi mais por acaso que comecei a tocar harpa. Comecei com o piano, depois quis tocar na orquestra local. A minha primeira escolha foi o clarinete ou oboé, para que pudesse ir aos ensaios com uma pequena mala. Mas o maestro queria mesmo uma harpa e achou que eu devia tocar" - acrescenta a Harpista Principal da Filarmónica de Viena.

Os meus pais, a minha família são quase todos flautistas. É um pouco uma maldição de família. O meu tio era flautista, o meu irmão é um flautista, por isso, corre no sangue da família. Eu estava sempre rodeado por este instrumento.
Karin Bonelli
Flauta, Filarmónica de Viena
O "quotidiano" é uma palavra que me é muito difícil de utilizar porque as nossas vidas são muito diversificadas. Tocamos na ópera, fazemos concertos filarmónicos, estamos em digressão, depois estamos no Festival de Salzburgo. Há dias em que temos ensaios de manhã, ensaios à tarde, uma ópera à noite e, muitos de nós damos aulas e é isso que o torna tão bonito e tão variado.
Karin Bonelli
Flauta - Filarmónica de Viena

Acabada de regressar da digressão, Karin está a ensina como se preparar para uma audição.

Penso que com o treino para a audição se aprende realmente a lidar com a situação, a adaptar-se mentalmente. É isso que a Karin sempre me ensina, que temos mesmo, mesmo de ir a fundo, que temos de tirar o máximo partido quando estamos a tocar.
Anna Karanitsch
Estudante - Flauta

"Pode imaginar que é como um atleta de topo na parte inicial, que agora tem apenas alguns minutos para actuar no seu auge. Tem de lidar com a situação mentalmente e também fisicamente. Cada um segue a sua própria jornada. E, enquanto professora, só podemos ser como um guia de montanha. E os alunos têm de subir e escalar por si próprios", explica Karin Bonelli. "É um sonho de infância tornado realidade. Desde os quatro anos que me sentei em frente à televisão no dia 1 de janeiro e disse: "Vou lá estar um dia", Mamã. E ela dizia sempre sim, sim, vamos ver! Então, aos 23 anos, este sonho tornou-se realidade. Isso foi incrível", conclui.

O legado musical da Filarmónica de Viena é transmitido de uma geração para a seguinte. O seu rico património está documentado nos arquivos históricos da orquestra. Sylvia Kargl guarda esse tesouro. Inclui milhares de objetos únicos, cartas, e fotografias. Um dos seus documentos mais valiosos aponta o foco para as origens da orquestra.

Aqui está uma peça particularmente valiosa de Ludwig van Beethoven. É um excerto de piano da sua ópera Fidelio. E esta é uma edição muito rara. Penso que existem apenas cinco exemplares no mundo. Não parece muito espectacular, é mais um memorando, mas é na realidade o decreto fundador da Filarmónica de Viena, escrito em 1842 por Otto Nicolai.
Sylvia Kargl
Arquivo Histórico - Filarmónica de Viena

A orquestra faz a gestão dos seus próprios bilhetes, programas e digressões.

Penso que a auto-gestão é a virtude mais importante que temos, porque se todos podem decidir com quem tocam, quando e onde, isso é algo de belo. Claro que, com 148 membros, obtemos 300 opiniões. Isso é um desafio que eu gosto muito.
Daniel Froschauer
Presidente e primeiro violinista - Filarmónica de Viena

Os músicos da Filarmónica de Viena estão também na orquestra da Ópera Estatal de Viena. Dividem o seu tempo entre os palcos. Juan Diego Flórez, tenor de renome mundial, valoriza a excelência da orquestra.

Na Ópera de Viena têm de tocar muitos temas diferentes, por isso precisam de ouvir. Precisam de ter esta sensibilidade para seguir um cantor, para estar com ele, para respirar com ele e sabem como fazê-lo.
Juan Diego Flórez
Tenor

Um cantor precisa de sentir que a orquestra está lá com ele. O som que o acompanha chega até ele e sente as emoções também da orquestra e isto é maravilhoso.

Um cantor precisa de sentir que a orquestra está lá consigo. O som que o apoia vem até si e sente as emoções também da orquestra e isto é maravilhoso.
Daniel Froschauer
Fazer parte da Filarmónica de Viena significa que estou absolutamente a viver o sonho da minha vida e sou capaz de abranger todos os aspectos de ser um músico com o meu instrumento.
Karin Bonelli