Rendez-vous: A arte a cultura a não perder na Europa

Homenagem ao músico e ativista político nigeriano, Fela Kuti, na Filarmónica de Paris
Homenagem ao músico e ativista político nigeriano, Fela Kuti, na Filarmónica de Paris Direitos de autor screengrab from AFP source video
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Três sugestões: A homenagem a Fela Kuti, em Paris; o surrealismo e a magia, em Potsdam e as mosras do 25° aniversário do Museu Guggenheim, em Bilbau

Fela Anikulapo-Kuti - Rebellion afrobeat

PUBLICIDADE

O cantor e saxofonista nigeriano, Fela Kuti, que morreu em 1997, está a ser homenageado na Filarmónica de Paris, com uma exposição que traça a carreira do músico e do ativista.

Inúmeras fotos e vídeos, especialmente dos seus milhares de concertos que deu na Nigéria e no mundo, compõem a mostra.

Alexandre Girard-Muscagorry, um dos três curadores da exposição explica o porquê da homenagem ao artista que tinha uma história de amor com França.

"Ficámos um pouco frustrados com o facto de sermos frequentemente confrontados com uma visão bastante simplista ou monolítica de Fela, "o inventor do Afrobeat", "o músico lutador". Queríamos realmente entrar no material sonoro e político que Fela inventou nas décadas de 1970 e 80".

Para além da marca profunda na sociedade nigeriana, Fela deixou a sua marca na história da música ao criar um novo movimento musical , Afrobeat, que combinava jazz e música iorubá.

A mostra, intitulada: "Fela Anikulapo-Kuti - Rebellion afrobeat", pode ser vista até 11 de junho de 2023.

Surrealismo e Magia: A Modernidade Encantada

Após o ataque com puré de batata, à pintura de Claude Monet, Grainstacks, o museu Museu Barberini de Potsdam, na Alemanha, reabre ao público este domingo para uma exposição dedicada às ligações entre o surrealismo e a magia, ou ocultismo.

O interesse renovado pelo surrealismo é explicado pela ubiquidade do sobrenatural, o estranho e o fantástico na cultura contemporânea.

É um mundo cheio de simbolismo e estranheza. Mundos vazios que se parecem ou possuem, mas ao mesmo tempo muito diferentes.

Os artistas surrealistas exploram sonhos, fantasias e o mundo interior, mas há um outro lado do surrealismo, que também foi inspirado pelo ocultismo, o pensamento sobrenatural e pré-moderno.

"Sabemos sobre os sonhos e o subconsciente; sabemos sobre o foco em Freud e Jung, mas o que é pouco conhecido é que o surrealismo está muito preocupado com a velha ciência ocultista tradicional e a ciência pré-moderna como a alquimia. Esse é o foco aqui", diz Ortrud Westheider, Diretor do Museu Barberini.

A visita ao simbolismo entre esses dois mundos, na mostra: "Surrealismo e Magia: A Modernidade Encantada" pode ser feita até 29 de janeiro de 2023.

A arte inspira o futuro

O Museu Guggenheim de Bilbau celebrou a 18 de outubro, o seu 25º aniversário.

Concebido por um dos maiores arquitetos contemporâneos, Frank Gehry, a sua inauguração em 1997 revitalizou a cidade e toda a região, dando ao País Basco um museu de dimensão internacional onde se reúnem visitantes de todo o mundo.

Para este evento foram criadas três exposições dedicadas às coleções do museu, repletas de tesouros, sob o lema: "A arte inspira o futuro".

A não perder, até 22 de janeiro de 2023.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bélgica assinala centenário do Surrealismo

Doze obras de arte salvas da guerra na Ucrânia, expostas em Berlim

Concurso de Fotografia da Natureza: Veja as deslumbrantes e engraçadas imagens vencedoras