EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ed Sheeran envolvido em nova batalha legal com os herdeiros de Marvin Gaye

Ed Sheeran is denying allegations that his song 'Thinking Out Loud' plagiarised Marvin Gaye's 'Let's Get it On' in a New York courtroom this week
Ed Sheeran is denying allegations that his song 'Thinking Out Loud' plagiarised Marvin Gaye's 'Let's Get it On' in a New York courtroom this week Direitos de autor Getty Images - Tamla / Jim Britt / Archives Michael Ochs
Direitos de autor Getty Images - Tamla / Jim Britt / Archives Michael Ochs
De  David Mouriquand
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Ed Sheeran enfrenta alegações de que o tema de sucesso "Thinking Out Loud" plagiou o clássico da soul de 1973 "Let's Get It On" de Marvin Gaye

PUBLICIDADE

O cantor britânico Ed Sheeran compareceu num tribunal de Nova Iorque na semana passada para negar as alegações de que a sua canção de sucesso "Thinking Out Loud" plagiou o clássico da soul de 1973"Let's Get It On" de Marvin Gaye.

Sheeran, de 32 anos, foi chamado a testemunhar na terça-feira, 15 de Abril, no julgamento civil dos herdeiros de Ed Townsend, o co-escritor de Gaye no tema de elevado cariz sexual. A família acusou a estrela inglesa de violação de direitos de autor, alegando que o seu êxito de 2014 tinha "semelhanças impressionantes" com a famosa faixa de Marvin Gaye - lançada no seu décimo terceiro álbum "Let's Get It On", que celebra o 50º aniversário este ano.

Sheeran foi inflexível e disse que ele próprio tinha criado a canção. 'Thinking Out Loud' é um dos temas mais populares do artista; alcançou o primeiro lugar das tabelas de vendas em 11 países e foi tocada mais de mil milhões de vezes na plataforma YouTube.

Seth Wenig / AP
Kathryn Townsend Griffin (ao centro), filha do cantor e compositor Ed Townsend, fala à porta do Tribunal Federal de Nova Iorque antes do início do julgamentoSeth Wenig / AP

O testemunho de Sheeran foi, por vezes, controverso, tendo discutido durante o interrogatório levado a cabo com a advogada do queixoso, Keisha Rice.

Em resposta às imagens de vídeo exibidas no tribunal que mostravam o músico a alternar no palco entre as duas canções, Sheeran disse que era "bastante simples entrar e sair de canções" que estão no mesmo tom.

"Pode-se ir de "Let it Be" para "No Woman, No Cry" e voltar para trás", continuou Sheeran sob juramento, referindo-se aos clássicos dos Beatles e de Bob Marley.

"Seria um idiota se subisse a um palco em frente a 20 mil pessoas e fizesse isso", disse Sheeran sobre a acusação de ter copiado canções.

O advogado dos herdeiros de Townsend, Ben Crump, disse que o caso era sobre "dar crédito onde o crédito é devido" e disse aos jurados que a fusão das duas músicas era equivalente a "uma confissão".

"Temos uma arma fumegante", disse ele sobre as imagens do concerto que mostram Sheeran a alternar entre as duas canções.

Aqui estão as músicas. Uma cópia flagrante ou simplesmente uma progressão de acordes semelhante? O juiz é você:

Ed Sheeran
Marvin Gaye

O processo judicial foi intentado em 2017 e prevê-se que o julgamento dure até duas semanas. A ação  surge no momento em que o cantor se prepara para iniciar uma digressão nos EUA e lançar um novo álbum.

Um historial de acusações de plágio

Esta não é a primeira vez que Ed Sheeran enfrenta processos judiciais por plágio.

Em 2016, Sheeran também foi parte de um processo de direitos autorais referente à composição do single "Photograph". Os compositores Martin Harrington e Tom Leonard alegaram que era demasiado semelhante à canção "Amazing", que escreveram para Matt Cardle, um vencedor do concurso The X Factor. Processaram Sheeran em 20 milhões de dólares.

O caso foi resolvido em Abril por um montante não revelado. Mais tarde, Sheeran admitiu sentir-se "sujo" por ter "aberto as portas" para que outros tentassem processos semelhantes.

No ano passado, Sheeran ganhou uma batalha judicial sobre o single de sucesso de 2017, "Shape of You", depois de ter sido acusado de copiar a canção de 2015 "Oh Why" de Sami Chokri e Ross O'Donoghue. Chokri disse no julgamento que se sentiu "roubado" pela estrela da música e ficou chocado quando ouviu pela primeira vez "Shape Of You" na rádio.

PUBLICIDADE

O juiz disse que, embora houvesse "semelhanças" entre a frase de um compasso que repete as palavras "Oh why" na canção de Chokri e a repetição de "Oh I" na de Sheeran, essas semelhanças são "apenas um ponto de partida" para uma queixa por violação de direitos de autor e havia "diferenças significativas" entre as frases das canções. O juiz concedeu a Sheeran e aos seus colegas compositores 1,1 milhões de dólares em honorários legais na sequência da sua vitória.

Brittainy Newman / AP
Ed Sheeran no tribunal de Nova Iorque esta semanaBrittainy Newman / AP

Casos recentes de plágio

O caso de Ed Sheeran está longe de ser um caso isolado.

Aqui está um breve resumo dos casos de plágio musical mais notáveis dos últimos anos - com clips incluídos, para avaliação das semelhanças.

Artikal Sound System v. Dua Lipa

No ano passado, Dua Lipa foi ameaçada por dois processos de direitos de autor alegadamente dispendiosos, ambos relacionados com a canção de sucesso de 2020 (e uma das melhores canções pop dos últimos 10 anos) "Levitating".

PUBLICIDADE

Os compositores L. Russell Brown e Sandy Linzer alegaram que a melodia de abertura do single de sucesso é uma "cópia" da melodia da canção de 1979 "Wiggle and Giggle All Night" e da sua canção de 1980 "Don Diablo".

A banda de reggae Artikal Sound System, sediada na Florida, também intentou uma acção no ano passado, alegando que "Levitating" está próxima da sua canção de 2017 "Live Your Life".

Estes casos ainda não foram discutidos.

Dua Lipa

Missy Elliot contra Bad Bunny

A canção de 2020 de Bad Bunny, "Safaera", do seu segundo álbum, "YHLQMDLG", incluía a mesma sequência de seis notas da fantástica canção de Missy Elliot, "Get Ur Freak On", de 2001.

PUBLICIDADE
Bad Bunny
Missy Elliot

Os artistas chegaram a um acordo e, agora, Elliot recebe 25% dos direitos de autor de "Safaera".

Marvin Gaye contra Robin Thicke e Pharrell Williams

Em 2018, os herdeiros de Marvin Gaye processaram com sucesso Robin Thicke e Pharrell Williams por causa do tema 'Blurred Lines' de 2013. O júri concordou que a canção era demasiado parecida com a faixa de Gaye "Got to Give it Up" e confirmou uma sentença de 5,3 milhões de dólares contra Thicke e Williams.

Embora extremamente popular, "Blurred Lines" foi alvo de uma reação negativa considerável na altura do seu lançamento devido à letra sobre sexo e consentimento. Foi banida de várias associações de estudantes no Reino Unido e Williams disse que estava "envergonhado" pela atitude em relação às mulheres expressa em alguns dos seus temas mais antigos.

Robin Thicke
Marvin Gaye

Radiohead contra Lana Del Rey

Também em 2018, os Radiohead ameaçaram processar judicialmente a cantora americana Lana Del Rey devido às semelhanças entre a sua canção "Get Free" e o primeiro grande êxito do quinteto de Oxford, "Creep". Apesar de Del Rey ter afirmado que tinha sido processada, a editora dos Radiohead negou que  tinham intentado uma ação judicial e Del Rey anunciou, sem mais explicações, que a disputa legal tinha "terminado".

PUBLICIDADE
Lana Del Rey
Radiohead

Ironicamente, os Radiohead foram processados com sucesso por plágio pelos compositores Albert Hammond e Mike Hazlewood devido às semelhanças entre "Creep" e a sua canção "The Air That I Breathe", um êxito dos anos 70 dos The Hollies. Hammond e Hazlewood são agora considerados co-autores de "Creep".

Joe Satriani v. Coldplay

O guitarrista de rock instrumental mais vendido, Joe Satriani, achou que o tema "Viva La Vida" dos Coldplay soava demasiado com o tema "If I Could Fly" e acusou a banda britânica de utilizar partes substanciais da sua canção.

Coldplay
Joe Satriani

Os pormenores deste caso permanecem desconhecidos, uma vez que as duas partes decidiram chegar a um acordo não revelado em 2009.

Outras fontes • AP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ed Sheeran vence em tribunal após ser acusado de plágio

Ed Sheeran. Novo álbum do pop ao rock

Ed Sheeran quebra recordes com Divide