EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Denunciantes, eco-ativistas e irmãs beijoqueiras: Estes são os melhores filmes de 2023... Até agora

Estes são os filmes que não deveria ter perdido em 2023 até agora
Estes são os filmes que não deveria ter perdido em 2023 até agora Direitos de autor Sony Pictures Releasing, A24, Universal Pictures
Direitos de autor Sony Pictures Releasing, A24, Universal Pictures
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Quantos é que já viu?

PUBLICIDADE

Estamos apenas a meio de 2023, e o ano já entregou algumas surpresas cinematográficas (e clunkers), com muito mais por vir.

Antes do início da temporada de festivais de outono e do início das conversas sobre os Óscares, estes são os filmes de 2023 já lançados que deve incluir na sua lista de filmes a ver, caso ainda não o tenha feito.

NB: O deslumbrante estudo de carácter psicológico de Todd Field, Tár, ou: 'Portrait of a Lady Being Cancelled', não foi incluído porque já nos referimos ao seu excelente desempenho e ao melhor desempenho da carreira de Cate Blanchett, que não deveria ter sido ignorado pela Academia. Nesta altura, parece um filme de 2022, e é altura de dar alguma atenção aos novatos...

10) Realidade

Adaptado da sua peça "Is This A Room", " Reality " de Tina Satter é um retrato arrepiante da história recente dos Estados Unidos sob a forma de uma peça de câmara tensa. A realizadora estreante utilizou diálogos originais não editados de gravações e transcrições do FBI para reconstituir a detenção de Reality Winner, de 25 anos, funcionária da NSA que se tornou denunciante (interpretada na perfeição por Sydney Sweeney, dos Euphoria). A inacreditavelmente chamada ex-linguista da Força Aérea imprimiu documentos confidenciais sobre a interferência russa nas eleições de 2016 nos EUA e enviou-os por correio para a redação do The Intercept. Foi detida em 2017, quando agentes do FBI a visitaram na sua casa na Geórgia, e foi-lhe aplicada a pena de prisão mais longa alguma vez imposta por uma divulgação não autorizada de informação governamental aos meios de comunicação social: cinco anos e três meses de prisão federal. Passado quase inteiramente no único local da casa de Winner, durante os 82 minutos de duração, este triunfo minimalista de um docu-drama é claustrofóbico, perturbador e emocionante. A escolha estilística de usar falhas visuais e a redação literal no ecrã, que substitui os "bips" por desaparecimentos de fotogramas muito assustadores e súbitos quando Winner diz algo que foi retirado da transcrição original, funciona às mil maravilhas. Estas escolhas formais poderiam ter sido um artifício, mas apenas reforçam os temas da verdade narrativa e do pavor aterrador que se esconde por detrás do mundano.

9) Roter Himmel (Incêndio)

Considerado a segunda parte da chamada trilogia elementar do realizador alemão Christian Petzold, iniciada em 2020 com Undine, Roter Himmel (Afire) segue o jovem e irritadiço escritor Leon (Thomas Schubert, interpretando uma espécie de Tartufo snobe) que tenta terminar o seu livro durante uma escapadela à beira-mar com o seu amigo Felix (Langston Uibel). Os incêndios florestais nas redondezas são uma ameaça iminente e a presença inesperada de Nadja (Paula Beer, habitué de Petzold) revela-se uma grande distração para o aspirante a escritor. É uma comédia de costumes rohmeriana que introduz gradualmente uma meditação sobre como a miopia e o egocentrismo são os verdadeiros inimigos da criatividade. A personagem de Leon pode mesmo representar o papel das redes sociais na vida moderna: a obsessão consigo próprio enquanto o mundo arde, e como - parafraseando George Orwell - ver o que está à frente do nariz é uma luta constante. É indiscutivelmente o melhor filme de Petzold desde Phoenix, de 2014, e o júri da Berlinale deste ano pareceu concordar, já que o diretor foi para casa com o segundo lugar, o Urso de Prata do Grande Prémio do Júri.

8) Homem-Aranha: No Aranhaverso

Este ano não tem sido um grande ano para lançamentos de blockbusters, com o cansaço dos super-heróis e das franquias a instalar-se. Desde Shazam! Fúria dos Deuses, Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania, A Pequena Sereia, Fast X a The Flash, Indiana Jones e o Disco do Destino e Missão Impossível - Ajuste de Contas Morto - Parte Um, os lançamentos de alto nível não foram muito bem-sucedidos. Mesmo o delirantemente divertido John Wick 4 foi exagerado. A única exceção à regra foi Spider-Man: Across the Spider-Verse, a muito aguardada sequela de Into the Spider-Verse, de 2018. O filme baseia-se no estilo de animação mash-up que tornou o seu antecessor não só impressionantemente vibrante, mas também o melhor filme do Homem-Aranha até à data. Desta vez, a animação é igualmente imaginativa, e o enredo que apresenta o sempre omnipresente tropo do multiverso consegue, de alguma forma, ter uma dimensão pessoal dentro das suas apostas universais. Os realizadores Joaquim dos Santos, Justin K. Thompson e Kemp Powers mantêm as coisas animadas e irreverentes, sem nunca esquecer que os grandes temas e a animação bombástica precisam de momentos mais pequenos - e as emoções não ficaram pelo caminho. Esta ambiciosa sequela é o filme de super-heróis de que o género tanto necessitava este ano - mesmo que, por vezes, pareça uma Parte 1 / 2 demasiado extensa. Ainda assim, tragam o Beyond the Spider-Verse de 2024.

7) Terra de Deus

O relato fictício de Hlynur Pálmason sobre um padre dinamarquês enviado para uma região remota da Islândia no século XIX é um relógio severo e agourento. São paisagens desoladas, ambientes agrestes, que conduzem o nosso protagonista numa viagem angustiante em direção a uma meditação sombria sobre fé, colonialismo e mortalidade. É difícil falar sobre o filme sem dissuadir as pessoas de o quererem ver, uma vez que  promete uma inquietação existencial e um ambiente palpavelmente austero não permitindo um tempo despreocupado no cinema. No entanto, aqueles que estiverem dispostos a dar o salto e a depositar a sua fé em Godland serão recompensados por uma joia atmosférica que fervilha no seu ambiente temperamental. O filme capta a Islândia de forma brilhante e a cinematografia garante que não terá visto nada tão épico (ou herzogiano) este ano. Alegrem-se!

6) Suzume

O aclamado animador e cineasta japonês Makoto Shinkai regressou este ano com um vibrante filme-catástrofe ambiental, depois dos seus êxitos internacionais Weathering With You e Your Name. Suzume é a história de uma estudante do liceu que conhece um estranho misterioso a caminho de selar uma porta mágica numa cidade abandonada, a fim de evitar um terramoto cataclísmico. Ela ajuda-o, mas acidentalmente liberta uma pedra-chave que supostamente evita desastres maiores. Assim começa uma aventura surrealista pelo país para selar mais caixas de Pandora mágicas, cada uma com o potencial de espoletar mais desastres naturais. O argumentista e realizador aborda o Grande Terramoto do Leste do Japão de 2011, que matou cerca de 20.000 pessoas; como tal, Suzume situa-se algures entre a fantasia de um jovem adolescente e uma aventura apocalíptica emocionalmente envolvente, e tem algo a dizer sobre a forma como nos curamos na sequência de catástrofes e como o luto é inevitável, por muito que tentemos combatê-lo. Como se isso não bastasse, o humor e os efeitos visuais mantêm-nos colados à cadeira durante toda a duração do filme. Um dos melhores filmes de animação de 2023 ao lado de Spider-Man: Across the Spider-Verse.

5) Sociedade Educada

Após seu premiado programa de comédia We Are Lady Parts, a escritora e diretora britânica Nida Manzoor deu um salto e tanto para o grande ecrã, com aquela que é a comédia do ano (até agora). Polite Society segue a adolescente britânico-paquistanesa Ria Khan (Priya Kansara) que tenta salvar a sua irmã Lena (Ritu Arya) dos braços de um jovem médico (Akhshay Khanna) que tem o casamento na cabeça - principalmente por causa da sua mãe, uma vilã da Disney (uma Nimra Bucha que rouba as cenas). Ria, que pressente que há algo de mais nefasto em jogo, tenciona dar um pontapé na submissão patriarcal para... O resultado final é uma versão satírica do sul da Ásia, que se assemelha a Scott Pilgrim e Get Out, e que é tão divertida e louca quanto parece. Mas também é cheio de coração e as suas observações sobre as divisões geracionais nas famílias paquistanesas são tratadas com sensibilidade. Mesmo que os elementos estranhos ameacem fazer descarrilar as coisas no final, estaremos demasiado ocupados a apreciar a exuberância punk do filme e a divertir-nos para nos importarmos.

4) Sick of Myself (Doente de mim mesmo)

Cáustico, divertido e, por vezes, profundamente triste na forma como expõe a solidão no coração, _Sick of Mys_elf é a sátira mais cruel deste ano. Esta longa-metragem, de estreia do argumentista e realizador norueguês Kristoffer Borgli, produzida pela mesma equipa por detrás de A Pior Pessoa do Mundo, de Joachim Trier, segue Signe (Kristine Kujath Thorp) e o seu pretensioso parceiro artista concetual Thomas (Eirik Sæther) como o casal do inferno. Duas pessoas hiper-competitivas e auto-engrandecedoras que tentam sair das suas vidas quase sempre medianas. Quando isso acontece a Thomas, Signe torna-se intensamente ciumenta e reclama a luz da ribalta a que sente que tem direito, envolvendo-se num jogo tóxico de superioridade - incluindo a fabricação e exploração descarada de uma "doença misteriosa" para obter capital social. Sick of Myself é uma comédia negra diabólica que se debruça sobre as auto-obsessões desenfreadas da sociedade moderna. Enquanto filmes como este podem cair na repetição dos males do mundo online moderno, o filme ganha a sua marca facetada de cinismo nunca deixando de ser astuto ou caindo numa rotina demasiado simplificada do "Não são horríveis as internets?" Borgli explora de forma convincente o falso fascínio da fama, com um grau de reconhecimento que se torna desconfortável. Sick of Myself fica bem na prateleira ao lado da comédia ácida de influenciadores de Matt Spicer, Ingrid Goes West, e da sátira de Michelle Savill sobre a falsidade das redes sociais, Millie Lies Low, e lança uma luz sobre a vitimização performativa e a forma como o martírio por gostos pode ser usado como arma para alcançar uma celebridade (moralmente falida). Não saberá se deve encolher-se ou rir-se - e o filme é mais forte por isso.

3) Como explodir um oleoduto

Inspirado no controverso livro de não-ficção de Andreas Malm, de 2021, How To Blow Up A Pipeline, de Daniel Goldhaber, é um eco-thriller indie que nos prende do princípio ao fim. É, sem dúvida, um dos filmes mais tensos do ano. Seguimos um grupo de ativistas ecológicos que se junta para destruir um oleoduto no Texas. O título diz tudo. No entanto, o que não revela é que, por muito oportuno e urgente que este filme seja, não é o que está a pensar. Não se trata de um apelo às armas com sinais de virtude ou de propaganda radical escondida atrás de um rótulo de thriller; é também a coisa mais distante de um exercício de criação de controvérsia. O filme é demasiado inteligente e concentrado para mergulhar no didatismo e nunca sacrifica a tensão à política, preferindo um retrato ponderado e de grande impacto do que poderia ser o eco-ativismo moderno. Como bónus adicional, How To Blow Up A Pipeline prospera como um riff cineliterário do género de thriller de assalto. Uma joia perfeitamente calibrada.

2) Toda a beleza e o derramamento de sangue

A vitória de All the Beauty and the Bloodshed,em Veneza, no ano passado, foi histórica, não só porque foi apenas a segunda vez nos 79 anos de história do festival que um documentário ganhou o Leão de Ouro (a seguir a Sacro GRA, do realizador italiano Gianfranco Rosi, que ganhou o Leão de Ouro há dez anos), mas foi a terceira vez consecutiva que uma cineasta ganhou o Leão de Ouro, depois de Chloé Zhao em 2020 por Nomadland e Audrey Diwan em 2021 pelo drama sobre o aborto Happening. O filme mereceu totalmente o Leão de Ouro e continua a ser um dos destaques dos lançamentos deste ano. Apresenta o retrato da artista Nan Goldin, uma das mais importantes fotógrafas americanas vivas e uma documentarista da história LGBTQ+ dos EUA e da contracultura dos anos 70 em Nova Iorque. Testemunhamos a sua campanha contra a dinastia farmacêutica Sackler - a família responsável pela epidemia americana de OxyContin. Poitras, uma jornalista de investigação que já ganhou o Óscar de Melhor Documentário em 2015 pelo seu poderoso filme Citizenfour de Edward Snowden, consegue equilibrar com destreza o pessoal e o político, à medida que seguimos Goldin, uma ex-viciada, na sua busca apaixonada contra os patronos ricos da arte que lucraram com o sofrimento dos outros. É comovente, cativante, enfurecedor e um filme absolutamente essencial.

1) Vidas Passadas

O filme de 2023 (até agora) é Vidas Passadas, um filme silenciosamente devastador que vai tocar o seu coração de todas as maneiras. Para o seu filme de estreia, a dramaturga canadiana Celine Song, nascida na Coreia do Sul, apresentou-nos uma história matizada e semi-autobiográfica de dois amigos de infância que se reencontram mais tarde na vida, depois de terem sido separados quando uma das suas famílias emigrou da Coreia do Sul. Hae Sung (Teo Yoo) e Nora (Greta Lee) reencontram-se através das redes sociais e depois em Nova Iorque, onde confrontam noções de amor, amizade, tempo e destino. Lidam especificamente com o conceito coreano de "In-Yun", um sentido de providência que aborda os momentos que ligam as pessoas nas suas vidas passadas. Quase poderia ser uma história multiversal e acaba por ser uma viagem romântica ressonante, contada com mestria e com um guião impecável. Acima de tudo, porém, Vidas Passadas evita todos os clichés ligados a triângulos amorosos e finais felizes românticos que se poderiam esperar, brilhando ainda mais através das suas observações profundas sobre as complexidades da vida e questões de identidade cultural. É uma das estreias mais cativantes dos últimos anos, uma meditação pungente sobre o crescimento como pessoa e a forma como as escolhas que fazemos moldam as nossas vidas - mesmo que a sua importância só se revele com a necessária passagem do tempo. Esperamos que, até ao final do ano, figure de forma proeminente na nossa lista de favoritos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A Suíça pode ter vencido a Eurovisão, mas será que os números do streaming revelam uma outra versão?

Cannes 2024: Greta Gerwig, presidente do júri, fala do #MeToo e de Trump no ecrã

Joost Klein, participante desqualificado no concurso da Eurovisão, poderá vir a ser acusado