EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Folclore local e música clássica casam-se na Arménia

Folclore local e música clássica casam-se na Arménia
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Frédéric Ponsard
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O festival de música "Armenia", em Erevan, mostra o que de melhor o país tem para oferecer em termos de música erudita, com um casamento perfeito entre os clássicos e o folclore local.

PUBLICIDADE

A Arménia é o mais antigo Estado cristão do mundo, encruzilhada de civilizações e influências, no Sul do Cáucaso, nas fronteiras da Europa e da Pérsia, encravada entre as esferas das língua russa e turca.

Uma situação única e um contexto político dramático com um afluxo de 100.000 refugiados, esquecidos por muitos, do Nagorno-Karabakh, disputado desde os anos 90 entre a Arménia e o Azerbaijão.

A cultura, e a música em particular, está no centro da identidade arménia, o que levou o empresário e filantropo Aleksandr Yesayan a tornar-se um dos principais mecenas do festival internacional de música "Armenia", que se realiza há 7 anos em Erevan, a capital.

Diz Yesayan: "Penso que a cultura desempenha um papel importante ao longo dos séculos da nossa história e um papel vital na promoção da cultura arménia e da nação arménia no mundo. Penso que existem imensas oportunidades para países pequenos como a Arménia, com apenas 3 milhões de habitantes, poderem mostrar o seu património, a sua história, a sua cultura atual e, mais ainda, mostrar os nossos novos talentos ao mundo."

O maestro Sergey Smbatyan é o fundador e diretor artístico da Orquestra Sinfónica Estatal Arménia, que nasceu a partir da Orquestra Sinfónica Juvenil Estatal.

Desde então, criou o festival internacional de música "Armenia", que durante um mês, no início do outono, oferece um programa de concertos que combina música arménia e mundial, clássica e contemporânea.

"É uma orquestra jovem, mas com uma visão à antiga no que toca ao ser famosa e estar na lista das grandes orquestras. Tem uma agenda muito criativa, com o sentimento de que, hoje em dia, é importante representar e encontrar a forma correcta de oferecer a música. Criámos uma química agradável para o público jovem".

Este ano, as receitas dos concertos do festival destinam-se a ajudar as populações desenraizadas do Nagorno-Karabakh que tiveram de fugir da sua terra natal.

Para os arménios, a cultura e a música são pedras angulares da sua identidade: "Temos tradições folclóricas particularmente ricas e quase todos os compositores clássicos arménios utilizaram aspetos da música folclórica, melodias, ritmos e harmonias nas suas peças clássicas. Assim, a música clássica arménia tornou-se uma espécie de música folclórica, uma mistura de música folclórica e tradições clássicas", explica a violoncelista Arevik Galyan.

Martine Varnik, tocadora de oboé na orquestra, diz: "A Arménia é muito apaixonada pela sua cultura e pela sua música, e esta orquestra é, na verdade, o primeiro exemplo, porque num país com uma nuvem financeira tão pequena, esta orquestra tornou-se uma orquestra profissional a tempo inteiro, no século XXI, e há muito poucos países no mundo onde isso aconteceu, o que diz algo sobre a devoção da Arménia à música."

Para encerrar o festival, a orquestra tocou "Symphonic Adiemus" de Karl Jenkins, um compositor galês contemporâneo que esteve em Erevan há 4 anos para dirigir a sua própria composição.

O Festival Internacional de Música "Armenia" e a sua orquestra sinfónica ocupam agora um lugar reconhecido no mapa dos grandes festivais internacionais de música clássica. No sétimo ano de existência, o jovem festival acolheu milhares de amantes da música e de músicos. A excelência está na ordem do dia e, longe de ser inútil, este grande acontecimento para a Arménia demonstra não só a solidariedade, mas também a continuidade e a importância da cultura para todo um povo e uma nação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Art Paris 2024: a cena artística francesa no centro das atenções, com jovens talentos em destaque

Andrey Gugnin recebe o primeiro prémio de 150.000€ no Concurso Internacional de Piano Clássico 2024

Festival Balkan Trafik! dá destaque à Moldova e às suas minorias