EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eurovisão 2024: Perante ameaça de exclusão, Israel aceita alterar letra de canção controversa

Eurovisão 2024: Israel tenta alterar a letra do seu controverso trabalho "October Rain", de Eden Golan (na foto)
Eurovisão 2024: Israel tenta alterar a letra do seu controverso trabalho "October Rain", de Eden Golan (na foto) Direitos de autor X
Direitos de autor X
De  David Mouriquand
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Israel aceita finalmente alterar a letra da canção "October Rain", a concurso na Eurovisão, depois de ter sido ameaçado de exclusão.

PUBLICIDADE

Após a recusa de duas propostas de canções, consideradas demasiado políticas e, por conseguinte, contrárias às regras de neutralidade política, Israel aceitou um compromisso para poder participar na Eurovisão no próximo mês de maio.

A União Europeia de Radiodifusão (UER), o organismo que organiza o famoso concurso, deu anteriormente a entender que poderia rejeitar a candidata de Israel, a cantora russo-israelita Eden Golan, de 20 anos, devido ao carácter "político" da sua canção.

A canção em questão, "October Rain", faz referência às vítimas do ataque do Hamas de 7 de outubro ao sul de Israel, com versos como "Não há ar para respirar / Não há lugar para mim" e "Eram todas boas crianças, cada uma delas".

A canção também se refere a "flores", que é frequentemente utilizado como código militar para as mortes na guerra.

A emissora israelita KAN afirmou inicialmente que se retiraria do concurso deste ano se os organizadores do evento tentassem censurar a sua participação. O presidente do país, Isaac Herzog, afirmou que a voz de Israel deve ser ouvida no palco da Eurovisão.

Desde então, declarou que deveriam ser feitos os "ajustamentos necessários" a "October Rain", para que esta possa entrar no espetáculo. E, agora, a emissora pública de Israel apresentou um pedido para alterar a letra da sua canção.

A KAN disse ter pedido aos autores de "October Rain" e do segundo classificado, "Dance Forever", para reverem as letras, preservando a sua liberdade artística. A KAN escolherá então oficialmente uma canção para enviar ao comité da Eurovisão.

O organismo de radiodifusão israelita afirmou ter concordado em efetuar as alterações após um pedido de Isaac Herzog.

"O presidente sublinhou que, neste momento em particular, em que aqueles que nos odeiam procuram afastar e boicotar o Estado de Israel em todos os palcos, Israel deve fazer soar a sua voz com orgulho e de cabeça erguida e erguer a sua bandeira em todos os fóruns mundiais, especialmente este ano", afirmou a KAN.

A canção vai apresentada a 10 de março.

A inclusão de Israel causou muita controvérsia. Em janeiro, foi enviada uma carta aberta à UER, assinada por mais de mil artistas suecos, apelando à retirada de Israel da competição. Outros países da Eurovisão que pediram a suspensão de Israel devido à guerra em Gaza foram a Islândia, a Finlândia, a Noruega e a Dinamarca. 

Por outro lado, artistas como Helen Mirren, Gene Simmons, Sharon Osbourne e Boy George assinaram uma carta aberta em que pediam aos organizadores da Eurovisão que permitissem a Israel concorrer este ano.

Não é a primeira vez que a UER obriga os representantes nacionais a alterarem as suas letras, sendo o exemplo mais recente a Geórgia, em 2009. A Geórgia retirou-se do evento depois do tema proposto a concurso - "We Don't Wanna Put In" - ter sido rejeitada devido à óbvia referência ao presidente russo.

A EBU já se referiu a si própria como "uma organização apolítica" que está "empenhada em defender os valores do serviço público".

No entanto, foram considerados hipócritas por terem proibido a Rússia de competir em 2022 devido à invasão em grande escala da Ucrânia e da Bielorrússia no ano anterior.

O Festival Eurovisão da Canção acontece de 7 a 11 de maio na cidade sueca de Malmö.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurovisão 2024: Israel corre o risco de ser desqualificado?

A história por detrás da fotografia viral de Lionel Messi com o bebé Lamine Yamal

'A eleição acabou': celebridades reagem à tentativa de assassinato de Donald Trump