EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"L'amour toujours": como uma canção de amor se tornou numa canção de ódio da direita na Alemanha

Visitantes sentados em cadeiras de praia na praia de Sylt, Westerland, Alemanha, quarta-feira, 1 de junho de 2022.
Visitantes sentados em cadeiras de praia na praia de Sylt, Westerland, Alemanha, quarta-feira, 1 de junho de 2022. Direitos de autor Bodo Marks/dpa via AP
Direitos de autor Bodo Marks/dpa via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Uma canção sobre o amor está a tornar-se cada vez mais um modelo para slogans da extrema-direita na Alemanha. Indignação, proibições, consequências legais - o que é que está a correr mal?

PUBLICIDADE

O amor é uma dessas coisas, e o amor quotidiano e eterno é ainda mais. O DJ italiano Gigi d'Agostino canta lindamente sobre "l'amour toujours". E agora a canção está na lista vermelha - ou melhor, no índice castanho.

A medida musical está a ser cumprida na Oktoberfest de Munique - os organizadores querem proibir a canção para evitar os gritos racistas dos visitantes que bebem cerveja. A canção adquiriu uma "conotação de extrema-direita". O chefe da Oktoberfest, Clemens Baumgärtner (CSU), não mede as palavras: "Não há lugar para todo esse lixo de direita na 'Wiesn'".

A Oktoberfest é um evento "leve e bonito" com muitos convidados estrangeiros. De acordo com Baumgärtner, os slogans de direita já foram evitados no passado e também não devem ocorrer no futuro. "O Wiesn é apolítico".

Slogans nazis ao som de música disco

Todo este escândalo foi desencadeado por um escândalo ocorrido na semana passada na ilha de Sylt, no Mar do Norte. Os clientes do "Pony Bar", em Kampen, cantaram "Foreigners out" e "Germany to the Germans" ao som de um êxito de discoteca aparentemente inofensivo. Um jovem parece ter imitado a saudação hitleriana. Alguém filmou a cena, que se tornou imediatamente viral na Internet. Agora, a polícia está a investigar.

E porque, como todos sabemos, uma vez nunca é suficiente, os convidados da festa com afinidade para o álcool em Sylt seguiram o exemplo duas vezes. As mesmas vaias, e uma jovem negra foi primeiro insultada racialmente e depois esmurrada na cara.

Tristes atuações de "l'amour toujours" são também relatadas noutros eventos por toda a República Federal da Alemanha, que celebra precisamente nestes dias os 75 anos da Lei Fundamental. A polícia estatal não tem mãos a medir. 

Despedimentos e consequências jurídicas

Do Deutsche Bank à Vodafone, as empresas estão a tomar uma posição contra o racismo. Estão a anunciar consequências para os seus empregados alegadamente envolvidos. Dois empregadores já declararam ter despedido os seus empregados.

O poder judicial também anunciou consequências: Thorkild Petersen-Thrö, do Ministério Público de Flensburg, explicou: "Do nosso ponto de vista, os slogans 'Alemanha para os alemães' e 'Estrangeiros fora' são puníveis, quanto mais não seja tendo em conta a recente sentença contra Björn Höcke." Em caso de incitamento ao ódio, é possível uma pena de prisão de pelo menos três meses e de um máximo de cinco anos.

"É tudo sobre o amor"

"A minha canção é sobre um sentimento maravilhoso, grande e intenso que liga as pessoas. É o amor". É assim que D'Agostino descreve a intenção do seu êxito de festa de 2001, que para ele é sobre o amor pela sua mulher, pela sua família, pela música e pela dança. D'Agostino não aborda os incidentes racistas específicos na sua declaração, escreve a revista "Der Spiegel". O artista evita assim uma condenação clara da alienação da sua canção. Afirma não ter tido conhecimento dos incidentes.

Ministro do Interior: slogans "profundamente desumanos"

No talk show da ARD "Caren Miosga", a ministra do Interior alemã, Nancy Faeser, também tomou posição: os slogans gritados eram "profundamente desumanos e racistas". Temos de ter cuidado para que os valores da nossa democracia não se alterem. No entanto, não ficou verdadeiramente surpreendida com as explosões. Há anos que estudos demonstram que as "ideias de direita" estão profundamente enraizadas no centro da sociedade.

Quando as palavras se tornam atos

"O ventre ainda é fértil", avisou Bertolt Brecht. Sobretudo quando as palavras se transformam em atos. Gritar slogans nazis pode parecer quase "inofensivo" - mas não é. Em 2019, um extremista de direita assassinou o presidente do distrito de Kassel, Walter Lübcke.

Onde é que começa o extremismo de direita? Onde é que acaba? O presidente da Câmara Municipal de Marburgo, Thomas Spieß (SPD), resume: "O extremismo de direita não é uma opinião, mas um crime".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal alemão multa conhecido político de extrema-direita por usar um slogan nazi

Líder regional do partido de extrema-direita AfD é julgado por utilizar símbolos nazis

Governo alemão acusa AfD de defender ideais nazis