EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tribunal alemão multa conhecido político de extrema-direita por usar um slogan nazi

Björn Höcke
Björn Höcke Direitos de autor Michael Dwyer/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Michael Dwyer/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um tribunal condenou, esta terça-feira, uma das figuras mais conhecidas do partido de extrema-direita AfD por ter utilizado um slogan nazi num discurso e obrigou-o a pagar uma multa.

PUBLICIDADE

Um tribunal condenou, esta terça-feira, uma das figuras mais conhecidas do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) por ter utilizado um slogan nazi num discurso e obrigou-o a pagar uma multa.

O veredito do julgamento de Björn Höcke acontece meses antes das eleições regionais no estado oriental da Turíngia, onde pretende concorrer ao cargo de governador.

Foi acusado de encerrar um discurso em Merseburg, em maio de 2021, com as palavras "Tudo pela Alemanha!".

Tal como outras manifestações de glorificação do nacional-socialismo e a negação dos milhões de mortos do Holocausto, esta frase é proibida na Alemanha. 

Os advogados de acusação afirmam que ele estava consciente da origem da frase como um slogan das tropas de assalto SA dos nazis, mas Höcke argumentou que é um "ditado quotidiano".

O tribunal da cidade de Halle, no leste do país, condenou Höcke por usar símbolos de uma organização inconstitucional, informou a agência noticiosa alemã dpa. Foi-lhe aplicada uma multa de 13.000 euros (cerca de 14.000 dólares).

O político da AfD já anunciou que tenciona recorrer da sentença que, para já, ainda não é juridicamente vinculativa.

Aos 52 anos, Björn Höckeé uma figura influente na extrema-direita. Dirige a secção regional da AfD na Turíngia desde 2013, ano em que o partido foi fundado, e deverá liderar a sua campanha nas eleições de 1 de setembro.

Já apelidou o memorial do Holocausto em Berlim de "monumento da vergonha" e apelou a que a Alemanha efetuasse uma "viragem de 180 graus" na forma como recorda o seu passado. Um tribunal do partido em 2018 rejeitou uma proposta para o expulsar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Massimiliano Allegri despedido da Juventus

União Europeia bane quatro meios de comunicação social por difundirem propaganda russa

Estado da União: sol em Ancara, escuridão em Tbilisi