EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Formas inovadoras de promover a ligação emocional das pessoas aos oceanos

Em parceria com The European Commission
Formas inovadoras de promover a ligação emocional das pessoas aos oceanos
Direitos de autor Thierry Winn/Euronews
Direitos de autor Thierry Winn/Euronews
De  Denis Loctiereuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nas palavras do Embaixador do Oceano de Malta, a maioria das pessoas está emocionalmente desligada dos temas marinhos.

Na Europa e em todo o mundo, há novas formas de sensibilizar o público sobre as ameaças que pesam sobre os oceanos.

O Aquário Nacional de Malta organiza visitas guiadas para aprender factos simples sobre a vida marinha e sobre a importância do oceano para os seres humanos. Uma das atividades mais populares é o snorkeling guiado. "Gosto muito desta área, onde há manchas de Posidonia oceanica, o nome científico de uma espécie conhecida como a Erva de Neptuno e como os pulmões do Mediterrâneo. Esta espécie produze muito oxigénio, é um habitat para muitas espécies, e, além disso, evita a erosão", explicou Thais Amaral, responsável do serviço de Educação, do Aquário Nacional de Malta.

Ações para reforçar a literacia marítima

As acções de sensibilização visam alertar as pessoas para o problema da falta de literacia marítima. Nas palavras do Embaixador do Oceano de Malta, a maioria das pessoas está emocionalmente desligada dos temas marinhos. "A Europa tem uma estratégia de crescimento para gerar mais atividades económicas a partir do mar. Mas isso tem de ser feito de forma sustentável. Uma forma de promover essa sustentabilidade é realizar ações de alfabetização oceânica, não apenas para as pessoas comuns mas também para os decisores políticos. É espantoso mas alguns decisores políticos são de facto muito analfabetos em relação aos oceanos", frisou Alan Deidun, Embaixador do Oceano de Malta.

A iniciativa europeia EU4Ocean

Um dos objetivos da Coligação Europeia para os Oceanos (EU4Ocean) é reforçar a chamada alfabetização oceânica. A iniciativa apoiada pela UE reúne várias organizações que procuram novas formas de sensibilizar o público para que a literacia oceânica ocupe o topo da agenda política.

"A principal lição é envolver as pessoas, fazê-las compreender numa fase inicial a importância do oceano para a nossa subsistência e para o nosso futuro", disse à euronews Aaron Farrugia, Ministro do Ambiente, Alterações Climáticas e Planeamento de Malta.

Malta organiza o festival Dias da Costa para sensibilizar o público e, em particular, as crianças, através de atividades lúdicas. Nos vários países, a iniciativa EU4Ocean promove a alfabetização oceânica nas escolas, apoia projetos destinados aos jovens e organiza campanhas.

"Não há nada no mundo que consiga decompor o plástico. O que acontece é que o plástico torna-se numa pequena, minúscula partícula, um microplástico. As redes de pesca, que são feitas de plástico, ficam no mar para sempre, ficam a pescar para sempre", explicou Thais Amaral.

"O mar está em apuros e, infelizmente, as pessoas não têm consciência do que se esta a passar. Uma das principais mensagens que os aquários e os jardins zoológicos deveriam espalhar tem a ver com a importância da alfabetização oceânica. É preciso fazer algo, especialmente para as gerações mais jovens. Não basta amar o mar, se não lutarmos por ele, tudo acabará muito em breve", frisou a responsável.

Indústria marinha quer atrair jovens

Em Den Helder, nos Países Baixos, uma empresa social pioneira dá a oportunidade a jovens, mulheres e homens, de iniciar uma carreira marítima. Os jovens passam um ano inteiro a aprender a navegar e a proteger o mar, em troca de um salário.

"A indústria marítima luta para atrair jovens talentos. Como inspirar e motivar os jovens a escolher uma carreira marítima? Uma das formas é começar como Sea Ranger", disse à euronews Wietse Van Der Werf, fundador do Sea Ranger Service.

O projeto começou em 2016. Os jovens passam cerca de metade do mês a bordo do navio. Ao longo do ano, aprendem cartografia marinha, técnicas de navegação e mecânica e dedicam-se a tarefas ambientais no mar.

"Eles trabalham neste navio, um veleiro especial, livre de emissões. Realizam todo o tipo de tarefas relacionadas com a investigação, como a gestão e a restauração da natureza no mar", explicou o fundador do projeto.

A maioria dos participantes na iniciativa dos Países Baixos nunca tinha navegado. "Tudo começou com o meu amor pelo oceano. Adoro o mergulho. E comecei a trabalhar como nadador salvador. Um amigo falou-me do serviço dos Sea Ranger e fui seduzido! A equipa é muito especial, é um pouco como uma família. Estou a aprender muito, porque a navegação era algo completamente novo para mim"", contou Nina Hubers, uma das participantes no projeto Sea Ranger.

"Tivemos de construir uma ponte e caminhar sobre essa ponte. Isso parecia-me impossível. Mas com o plano certo, com o trabalho de equipa e o esforço certos, no final, resultou!", afirmou Sophie Hankinson.

O Sea Ranger Service presta serviços a agências estatais holandesas, nomeadamente, a recolha de amostras de água para ajudar a monitorizar a saúde do mar.

A empresa quis construir um modelo de negócio sustentável que reduz o desemprego dos jovens e ajuda a proteger o ambiente. O fundador do projeto ambiciona lançar um modelo de franchising, com o objectivo de formar 20 mil jovens para empregos no setor marítimo até 2040.

"Pessoas de vários países, nomeadamente de França, Espanha e Grécia, paises do Mediterrâneo, mas também da Estónia, da Finlândia e da Polónia à volta do Mar Báltico, dizem que este modelo pode fazer a diferença, que pode ter impacto. Por isso, estamos em conversações avançadas com uma série de pessoas para ver se podemos implementar o modelo nesses países", concluiu Wietse Van Der Werf.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Caranguejo azul da América dizima espécies autóctones na Catalunha

"Temos de prestar atenção às espécies invasoras"

Pesca susentável com base em dados científicos