"Temos de prestar atenção às espécies invasoras"

Em parceria com The European Commission
"Temos de prestar atenção às espécies invasoras"
Direitos de autor Euronews
De  Denis Loctiereuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A abertura do canal de Suez permitiu a entrada de espécies invasoras que perturbam os ecossistemas do Mediterrâneo.

Mais de 900 espécies vindas de várias partes do mundo invadiram o Mar Mediterrâneo nos últimos anos.

No Delta do Ebro, a maior zona húmida da Catalunha, o caranguejo azul está a dizimar as espécies autóctones. "As espécies invasivas vêm de fora do Mediterrâneo, quer através do canal de Gibraltar, quer a partir do canal de Suez.  São espécies que se movem por causa das alterações climáticas. Algumas das espécies tornam-se mais adaptáveis e expandem-se, por isso temos de controlá-las ou, de alguma forma, usá-las", sublinhou Costas Batargias, professor de genética aplicada e criação de peixes no Departamento de Produção Animal, Pesca e Aquacultura da Universidade de Patras, na Grécia.

Os ecossistemas nem sempre se adaptam às espécies invasoras

"A natureza sabe sempre como reagir e, mas temos de prestar atenção a essas espécies, porque não sabemos bem como irão interagir com as espécies nativas", sublinhou o investigador grego.

"Na maior parte das vezes, perturbam as espécies nativas e a biodiversidade. E quando um ecossistema é perturbado, fica desequilibrado e não sabemos o que pode acontecer. As coisas podem ir numa boa direção, que é melhor para o ecossistema, ou, na maioria das vezes, podem ir na direção errada: o ecossistema não aguenta as mudanças", salientou o investigador.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

O lado feminino da indústria da pesca e aquacultura

Formas inovadoras de promover a ligação emocional das pessoas aos oceanos

O potencial da bioeconomia azul na Europa