Caranguejo azul da América dizima espécies autóctones na Catalunha

Em parceria com The European Commission
Caranguejo azul da América dizima espécies autóctones na Catalunha
Direitos de autor Euronews
De  Denis Loctiereuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O crustáceo norte-americano feroz invadiu o Mediterrâneo e dizima as espécies locais. Mas, está a tornar-se numa boa iguaria.

O Delta do Ebro é a maior zona húmida da Catalunha e alberga centenas de espécies. Mas o caranguejo azul está a dizimar as espécies autóctones.

Durante séculos, a associação "Irmandade de San Pere" pescou na Encanyissada, a maior lagoa do delta do Ebro. Mas há alguns anos, as capturas diminuíram de forma súbita. Em vez de peixe, os pescadores encontraram o caranguejo azul. Um crustáceo norte-americano feroz que invadiu a zona e dizimou as espécies locais.

"O que acontece é que come todas as crias, todos os ovos, e destrói as nossas redes! Come tudo! Comeu todo o peixe autóctone", contou !a euronews Raul Paulino.

Com o desaparecimento das outras espécies, os pescadores locais passaram a vender caranguejo azul. "Nos primeiros anos, era uma espécie abundante, mas não tinha um preço elevado. Agora é o oposto, há menos mas vale mais. Mas isso é a vida do pescador", acrescentou o pescador.

euronews
Caranguejo azuleuronews

Comer caranguejo azul para travar invasão

Os investigadores locais dizem que autorizar a pesca profissional dos novos caranguejos é a melhor forma de travar a propagação da espécie invasora oriunda das Américas. A Catalunha concentrou esforços num comité especial de co-gestão que visa dar aconselhamento científico, melhorar os métodos de captura e racionalizar o comércio do caranguejo azul.

O que se passa na Catalunha é seguido de perto por outras regiões espanholas cada vez mais afetadas pela propagação do caranguejo azul. A Comissão Geral das Pescas do Mediterrâneo lançou um programa regional de investigação para analisar e resolver o problema.

"Temos de resolver problemas com conhecimento. E esse conhecimento vem de todas as partes envolvidas: os pescadores, a administração das pescas, os cientistas, mas também as ONG", sublinhou Pere Abelló, investigador em biologia de crustáceos, do ICM-CSIC.

Os métodos inovadores e as infra-estruturas de pesca desenvolvidas na Catalunha parecem estar a dar frutos. Mas são necessários mais estudos para ter a certeza de que o caranguejo azul está sob controlo.

Uma coisa é certa, a espécie invasora vinda das Américas, em barcos comerciais, veio para ficar.

"É preciso dizer que, neste momento, uma erradicação desta espécie é praticamente impossível devido às suas características. Mas o nosso objetivo é conseguir controlar a população, diminuí-la para níveis mínimos, para permitir a recuperação das outras espécies e para que os pescadores voltem a tirar partido de todos os recursos que tinham antes", afirmou Verónica López, bióloga de pesca, do IEPAAC.

Uma iguaria local, boa e com um preço adequado

O que mais parece ajudar a lutar contra a invasão do caranguejo azul é o sabor do crustáceo. Neste caso, a pesca intensiva pode ser uma vantagem para o ambiente, para o setor da pesca local e para os consumidores. Albert Guzmán tornou a espécie invasora numa nova iguaria local.

O caranguejo azul não faz parte da cozinha mediterrânica tradicional, mas o chefe afirma que combina bem com outros frutos do mar, servida como prato principal ou em caldos, petiscos, aperitivos, molhos e paellas.

"Costumávamos utilizar espécies diferentes, muito mais caras, como lagostas ou o caranguejo-aranha, que não é nativo vem da Galiza. E agora temos o caranguejo azul que tem um sabor e gosto semelhantes. Por isso, temos um bom produto de alta qualidade a um preço adequado para restaurantes acessíveis, o que também é uma coisa boa", frisou Albert Guzmán.

euronews
Uma iguaria vinda de foraeuronews

A ostra perlífera imbricata radiata invadiu a Grécia

Na parte grega do Mediterrâneo, no Golfo de Elefsina, a oeste de Atenas, a euronews acompanhou um pescador que captura outra das espécies invasoras que povoam o Mediterrâneo, moluscos bivalves, originários da região Indo-Pacífica.

A chamada ostra perlífera imbricata radiata chegou às águas Mediterrâneo devido à abertura do Canal de Suez, uma das rotas mais importantes que permite a passagem de várias espécies alienígenas.

"É a chamada ostra perlífera, imbricata radiata. Além de ser comestível, poderá a dada altura oferecer-nos as suas pérolas. As ostras podem ser consumidas cruas, cozidas a vapor, fritas, com massa ou risoto", disse à euronews Giórgos Grívas, pescador de ostras.

Os pescadores gregos vendem as ostras a peixarias locais onde são vendidas a 5 euros por quilo. Mas, o comércio é limitado devido à falta de regulamentação. A ostra perlífera imbricata radiata é considerada uma espécie exótica.

O investigador John Theodorou quer alterar a situação. Os estudos que realizou sugerem que a legalização e comercialização destes moluscos na Grécia são compatíveis com a pesca sustentável.

"É algo muito importante, porque é uma forma alternativa para os pescadores aumentarem os rendimentos e alivia a pressão sobre os stocks naturais de outros mariscos, uma pressão causada pela sobrepesca e pelas alterações climáticas", disse à euronews John A. Theodorou, professor da Universidade de Patras.

Os investigadores da Universidade de Patras estão a eleborar novas normas para toda a cadeia de valor, das especificações de pesca, ao armazenamento e transporte.

As receitas com as ostras invasoras já estão a ser estudadas em escolas de culinária. Em breve serão servidas em toda a costa grega.

"As pessoas gostam imenso desta refeição! Eu até chamaria às ostras um superalimento, são ricas em proteínas com o mínimo de hidratos de carbono e gordura, e têm muito sabor, um sabor delicioso", disse Eleni Liakea, professora de Turismo.

euronews
A ostra perlífera imbricata radiata invadiu a Gréciaeuronews

“Não podemos erradicar esta espécie: temos de co-evoluir com ela”

A legalização também pode ser vantajosa para a aquicultura. Em Sagiada, perto da Fronteira albanesa na Grécia ocidental, Spyros Stasinos e o pai cultivam toneladas de moluscos em cordas submersas.

A única espécie invasora que dá problemas é ascídia translúcida que precisa de ser constantemente retirada das cordas. As ostras, uma das principais capturas, são vistas como um produto que pode ser vendido, se o quadro legal for alterado.

"Não podemos cultivá-las legalmente, nem vendê-las. Por isso, basicamente, recolhemo-las para o nosso próprio consumo, quando temos festas ou convidados especiais ", contou à euronews Spyros Stasinos, proprietário de um viveiro de mexilhões e ostras.

Os viveiros de moluscos são excelentes vizinhos para a pesca. Ajudam a manter a água limpa ao eliminarem o excesso de nutrientes, o que permite oferecer produtos do mar locais e saudáveis, como sublinha o responsável local pelo setor da pesca.

"Cresce depressa, sabe bem, há mercado. Por isso, penso que é uma questão de tempo para podermos comercializar este novo recurso. Não podemos erradicar esta espécie: temos de co-evoluir com ela, como sociedade e como setor de produção", concluiu Costas Perdikaris.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

"Rugulopteryx Okamurae": a invasora japonesa ataca agora no Algarve

Formas inovadoras de promover a ligação emocional das pessoas aos oceanos

Máquinas solares produzem gelo para conservar peixe em ilha de Cabo Verde