This content is not available in your region

Bruxelas promete " grande detox" com proibição de milhares de substâncias químicas

Fábrica de produtos químicos em Wesseling, perto de Colónia, na Alemanha
Fábrica de produtos químicos em Wesseling, perto de Colónia, na Alemanha   -   Direitos de autor  AP Photo/Martin Meissner, File
De  euronews

Milhares de produtos químicos potencialmente tóxicos ou prejudiciais utilizados em cosméticos, brinquedos e até em produtos para bebés poderão em breve ser proibidos na Europa.

Fontes da indústria afirmam que até 12 mil produtos químicos presentes em 74% dos produtos de consumo ou para uso profissional poderão ser abrangidos por novos regulamentos europeus.

Será a "maior proibição de sempre" de produtos químicos tóxicos, de acordo com o Gabinete Europeu do Ambiente (EEB).

A responsável pela política dos químicos do EEB, Tatiana Santos, afirmou que o anúncio da Comissão Europeia "abre um novo capítulo" da história para enfrentar a ameaça crescente de substâncias nocivas.

A chamada “grande desintoxicação” promete melhorar a segurança de quase todos os produtos fabricados e reduzir rapidamente a “intensidade química” das nossas escolas, casas e locais de trabalho", afirmou Tatiana Santos.

O plástico usado nas garrafas de água

Publicado esta segunda-feira, o "plano de restrições" deverá utilizar as leis existentes para proibir substâncias associadas ao cancro, à infertilidade, à eficiência reduzida das vacinas e a outras problemas de saúde.

Em causa estão retardadores de chama, plásticos PVC e bisfenóis utilizados para fazer plásticos duros para artigos tais como garrafas de água.

As restrições deverão abranger igualmente as substâncias perfluoroalquiladas (PFAS) conhecidas como "químicos para sempre" devido ao período incrivelmente longo que levam para se degradarem.

Esta lista de substâncias será revista regularmente pela Agência Europeia dos Produtos Químicos.

Pexels
A presença de produtos químicos perigosos nas fraldas tem suscitado polémica na UEPexels

Poluição química ultrapassou "limite planetário"

A poluição química já atravessou uma "fronteira planetária", afirmam cientistas no início deste ano. Ultrapassar esse limite poderia levar à rutura dos ecossistemas e ameaçar a sobrevivência futura da humanidade.

Um relatório da ONU do mês passado concluiu que a poluição química pode estar a causar mais mortes do que a Covid-19. Os autores do estudo apelaram a uma "ação imediata e ambiciosa" para proibir algumas dessas substâncias tóxicas.

Estima-se que sejam usadas 200 mil substâncias químicas na UE. As vendas globais desses produtos mais do que duplicaram entre 2000 e 2017. Em volume, três quartos dos produtos químicos produzidos na Europa são perigosos.

Europeus preocupados com impacto dos químicos na saúde e no ambiente

84% dos europeus dizem-se preocupados com o impacto dos químicos na saúde. 90% estão preocupados com o impacto desses produtos no ambiente, de acordo com os inquéritos de opinião realizados pela Comissão Europeia.

Como a indústria desenvolve um novo produto químico a cada 1,4 segundos, não é fácil regular o mercado dos produtos químicos.

Cerca de duas mil substâncias foram proibidas na UE durante os últimos 13 anos, mais do que em qualquer outra região do mundo. Mas estas restrições aplicam-se a um número muito reduzido de produtos como cosméticos e brinquedos.

O EEB estima que entre 4 mil e 7 mil substâncias poderão ser proibidas até 2030 e que a nova legislação deverá ajudar a acabar com a prática da indústria de afinar ligeiramente as fórmulas químicas para escapar às proibições.