Que empresas europeias lideram a ação climática?

Allison Kirkby, presidente e CEO da Telia que lidera o ranking do FT sobre ação climática
Allison Kirkby, presidente e CEO da Telia que lidera o ranking do FT sobre ação climática Direitos de autor TT News Agency/Claudio Bresciani via REUTERS
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Quer saber que empresas europeias estão verdadeiramente envolvidas na ação climática? Um novo ranking do jornal britânico Financial Times (FT) louva aquelas que fazem o máximo possível para reduzir as suas emissões.

PUBLICIDADE

Quer saber que empresas europeias estão verdadeiramente envolvidas na ação climática? Um novo ranking do jornal britânico Financial Times (FT) louva aquelas que fazem o máximo possível para reduzir as suas emissões.

Compilado em conjunto com a especialista em dados Statista, ‘Europe’s Climate Leaders 2023’ lista 500 empresas “que parecem estar a caminhar na direção certa”.

A provedora de telecomunicações sueca Telia aparece no topo, seguida pela Deutsche Telekom da Alemanha e pela empresa de tecnologia espanhola Indra Sistemas.

Outros nomes conhecidos no top 10 incluem a alemã Porsche, a britânica Currys e a multinacional francesa de artigos de luxo Kering.

O que é que estas empresas estão a fazer bem e o que é que as outras podem aprender com elas?

O que torna uma empresa líder na ação climática?

O FT fez algo um pouco diferente com a sua lista anual deste ano, tendo aprofundado a análise para examinar todas as emissões corporativas.

Anteriormente, as empresas que cumpriam os requisitos eram simplesmente aquelas que alcançavam a maior redução na intensidade das suas emissões de gases com efeito de estufa dos Escopos 1 e 2 num período de cinco anos. Estas emissões vêm, respetivamente, das operações da empresa e da energia que usa.

'Intensidade' calcula as toneladas de emissões de descargas equivalentes a CO2 por 1 milhão de euros de receita.

As emissões do Escopo 3 vêm de outras partes da cadeia de valor da empresa e são mais difíceis de identificar. Isto porque não há uma métrica universalmente aceite sobre elas; e, como os fornecedores nem sempre fornecem dados fiáveis, as empresas geralmente optam por não dizer nada nesta frente.

Mas estas emissões ocultas geralmente superam em muito o que é contabilizado nos Escopos 1 e 2.

O FT atribuiu - pela primeira vez - às empresas uma pontuação que reflete a sua transparência na divulgação destes dados. Comprometer-se com a Science Based Targets Initiative (SBTi, que avalia os planos de redução de emissões) e o monitor de desempenho ambiental CDP também colocará provavelmente uma empresa no topo da lista.

“As empresas enfrentam um crescente escrutínio de consumidores e reguladores sobre o seu desempenho ambiental, e a metodologia para a lista de Líderes Climáticos deste ano foi reforçada adequadamente”, escreve Neville Hawcock, do Financial Times.

A medida de corte de emissões foi combinada com compromissos climáticos para pontuar cada empresa.

Desnecessário será dizer que as empresas de energia à procura de novas fontes de combustível fóssil e as culpadas de greenwashing foram excluídas. Assim como outras empresas cujas credenciais ambientais estão destroçadas por motivos como ligações à desflorestação ou poluição não-GEE.

Como é que as empresas estão a combater as suas emissões?

Marc John/ Reuters
A Deutsche Telekom diz estar a emitir menos 94% de CO2 do que em 2017Marc John/ Reuters

A sueca Telia - com pontuação máxima de 84 - cortou as suas emissões de CO2 em 85% entre 2018 e 2022. Conseguiu isso mudando totalmente para a eletricidade renovável, aumentando a sua eficiência energética e limitando viagens de negócios, realizando reuniões virtuais.

“Estamos felizes por ter alcançado este marco e continuamos a trabalhar na nossa estratégia de redução de CO2 e energia para os próximos anos”, disse Sara Nordbrand, chefe de sustentabilidade da empresa de telecomunicações ao Euronews Green.

A Telia está agora a reprimir as emissões na sua cadeia de valor.

“A maior parte de nossas emissões de CO2 é gerada na cadeia de abastecimento, onde pedimos aos fornecedores que estabeleçam metas climáticas com base científica, como fizemos”, diz Nordbrand.

PUBLICIDADE

“Estamos felizes por ver que um número crescente de fornecedores se está a juntar a nós nesta jornada.”

No final de 2022, os fornecedores que geraram 35% das emissões da cadeia de abastecimento da Telia definiram metas climáticas baseadas na ciência e o número continua a aumentar, afirma.

Em segundo lugar com 82,5 pontos, a Deutsche Telekom é motivada pela sua ambição de se tornar a empresa líder global em telecomunicações digitais e sustentáveis.

“A avaliação do Financial Times é a confirmação de que estamos no caminho certo. Ao mesmo tempo, é mais um incentivo para que o futuro continue a todo vapor”, diz um porta-voz.

Nas suas próprias operações, a empresa emite 94% menos CO2 do que em 2017, a caminho de ser totalmente neutra em termos climáticos até 2025. No ano passado, reduziu o seu consumo de energia na Alemanha em 278 gigawatts-hora - o equivalente a 11 por cento do consumo total da empresa.

PUBLICIDADE

“Queremos alcançar emissões líquidas zero na produção de telemóveis”, disse o CEO Tim Höttges aos acionistas. “Qualquer um que não consiga alcançar a produção verde acabará sendo removido do alinhamento. Importamos aparelhos. Mas exportamos os nossos padrões de proteção ambiental.”

A Deutsche Telekom prometeu que até 2040 toda a sua cadeia de valor será neutra para o clima, desde a fabricação de dispositivos até ao consumo de energia dos clientes. Höttges está no caminho certo, visando um corte de 55% nas emissões de CO2 até 2030 em comparação com 2020.

Globalmente, os serviços financeiros representaram o maior número das 500 empresas, com 12,2 por cento. Transporte, logística e embalagem foram os próximos, seguidos por energia e utilidades.

O Reino Unido acolhia 25% das empresas da lista, observa o FT. Segue-se a Alemanha com 14,6 por cento e a França com 11,4 por cento.

Por que é que as empresas estão a controlar as suas emissões agora?

As grandes empresas têm geralmente uma má imprensa sobre o clima. 

PUBLICIDADE

Mas os tempos estão a mudar. Os impactos devastadores das mudanças climáticas na Europa - desde a onda de calor recorde do ano passado até à atual seca que assola as nações do sul - estão a acabar com a paciência das pessoas com o setor privado.

A UE comprometeu-se a atingir emissões líquidas zero até 2050, e um projeto de lei do bloco procura reprimir as alegações de greenwashing.

Para ajudar a manter dados enganosos fora dos seus próprios rankings, o FT convocou o GreenWatch, uma equipa de investigação em sustentabilidade da University College de Dublin, para analisar os números dos que mais cortaram as emissões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

650 mil beatas de cigarros na Praça do Comércio, em Lisboa

"Tínhamos esperança": Ativistas do clima partilham opiniões sobre os últimos 5 anos de política europeia

Como 2023 bateu todos os recordes climáticos